O racismo nosso de cada dia

Em 2012, ela ganhou o Prêmio Nacional de Jornalismo Abdias Nascimento, pelo programa “Caminhos da Reportagem – Negros no Brasil: brilho e invisibilidade”. Mas isso foi só o começo, pois para Luciana Barreto a luta está longe de terminar.

Por Carmen e Thaís Do Vem Divante

“Todo reconhecimento é bem-vindo no sentido de dar visibilidade à nossa luta, por isso esse prêmio teve um sabor especial. Mas é evidente que temos que avançar. A preocupação com as denúncias contra o preconceito ainda está restrita aos meios de comunicação especializados e às redes sociais. A grande mídia precisa reconhecer o Brasil racista, precisa aceitar sua existência. Nada vai adiante sem esse processo de aceitação”, diz ela.

Âncora do Repórter Brasil Tarde, que vai ao ar de segunda a sexta, ao meio-dia, na TV Brasil, Luciana conta como o jornalismo pode ajudar na luta contra a agressão aos negros.
“O jornalismo pode muito. Nos últimos anos, eu trabalho intensamente denunciando violações dos direitos humanos. Em nosso país, desigual e excludente, negros e indígenas vem pagando uma conta altíssima, sofrendo todo tipo de violações. Nosso trabalho é e pode ser ainda mais forte neste sentido”.

Outro assunto que é sempre pauta para Luciana é a representatividade. “Representatividade importa sim! Pra todos. Especialmente para as crianças. Muitos estudos levantam essa problemática. Tem muita gente na academia pesquisando o tema e trazendo contribuições incríveis sobre  o poder da representatividade na infância”, diz ela, que tem um olhar esperançoso sobre o futuro.

“É inegável que avançamos muito na conquista de direitos nas últimas décadas. Temos hoje indicadores sociais ligeiramente melhores que os do passado. No entanto, do ponto de vista da discussão e do combate ao preconceito, continuamos negando o racismo nosso de cada dia. Continuamos colocando pra debaixo do tapete. Continuamos enfrentando as dificuldades de falar do tema. E, muitas vezes, temos a sensação de dar dois passos pra frente e um pra trás. Ainda assim, avançamos”.

+ sobre o tema

Quem tem medo de casais negros?

Na coluna desta semana, Stephanie Ribeiro escreve sobre a...

O momento certo pra se fazer a coisa certa é agora

A Mídia NINJA inicia um novo e grande...

Zélia Amador traz o olhar ativista sobre as discriminações enfrentadas pela mulher negra

Filha de empregada doméstica, a professora alcançou o doutorado...

Mídia apoia campanha para criminalizar a indignação

  Valéria Nader e Gabriel Brito, Na última...

para lembrar

Brasil desmoralizado nos maiores jornais do mundo

Washington Post - "A pressão política no Brasil, em função...

Por que mulheres usaram branco durante o discurso de Trump no Congresso

Símbolo do movimento sufragista nos Estados Unidos, cor foi...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=