Uma voz entre as mulheres negras

Do anonimato para a internet, a estudante de Arquitetura e militante feminista negra Stephanie Ribeiro, de 22 anos, ganhou visibilidade, voz e seguidores. Agora é uma referência no feminismo brasileiro. A seguir, ela conta sobre sua trajetória, a questão da mulher negra no País e os passos do movimento negro de mulheres

Por Theo Monteiro, do Blasileiros

Brasileiros – Você acumula mais de 12 mil seguidores no Facebook e vem se tornando uma referência no feminismo brasileiro.
Stephanie Ribeiro – Estudo Arquitetura na PUC de Campinas. No Brasil, a presença de negros na universidade é rara e, em particular com mensalidade alta, é mais rara ainda. Sou uma das únicas negras da PUC. Quando estava no primeiro ano, entrei em grupos do Facebook em que se discutem questões como feminismo, racismo e política. Expus minha opinião e isso causou um incômodo grande nas pessoas. Elas me achavam arrogante, barraqueira, insegura, diziam que eu só queria aparecer. Infelizmente, a situação evoluiu e chegou a um ponto em que outras pessoas não queriam fazer grupo comigo. Comecei a receber bilhetes anônimos, uns queriam saber meu endereço, outros eram ofensivos e carregavam tom ameaçador: me chamavam de pobre, diziam que eu não sabia o meu lugar. Muitos apareceram no meu armário da faculdade. No meu Facebook, escrevi um texto, grande, explicando a situação e como era angustiante viver aquilo. E o texto viralizou. Eu tinha, então, vários seguidores e passei a me posicionar mais. Enquanto mulher, enquanto negra. O Brasil tem muita dificuldade de discutir o racismo e essa discussão é fundamental ainda mais por quem mais sofre com ele, como as mulheres negras.

As negras sofrem mais com o machismo?
A maior parte das mulheres estupradas são negras. As vítimas de aborto clandestino também. Além do fardo do machismo, carregamos o do racismo. Daí a necessidade do feminismo negro.

O feminismo negro vem crescendo ou ainda é um fenômeno restrito à universidade?
Não é nem de longe um fenômeno universitário. As pessoas tendem a achar que a favela, que os pobres não têm consciência política. Não é verdade. Existem coletivos de feministas negras na periferia. Com a internet, a informação flui rapidamente e o feminismo já não é mais um conjunto de grupos de pesquisa fechados dentro da universidade. O próprio feminismo dentro da universidade já não é exclusivamente branco. Todo o processo de inclusão promovido pelo governo na última década, por meio de ações como as cotas para negros e o Prouni, fez com que o número de negros em universidades aumentasse. Ainda que esse número continue pequeno, foi um impacto grande.

Há obstáculos para os negros, homens e mulheres, se manterem na universidade?
Infelizmente sim. A maioria da população negra no Brasil é também pobre. Entrar na universidade é difícil. Manter-se nela também. Mesmo nas públicas, onde os deslocamentos até o campus são complicados. Também é comum ter de conciliar estudo com trabalho. Tudo isso pode inviabilizar os estudos. O número de negros que conseguem concluir seus cursos é menor do que os que entram.

Como os estudantes enxergam o feminismo negro?
Praticamente não lidam. Alguns ignoram o feminismo como um todo. Outros acreditam que isso é uma segregação. É difícil encontrar pessoas que estejam abertas para o debate e a desconstrução de seus privilégios, isso até entre as feministas brancas. A esquerda brasileira tem cunho humanista e social, mas as pessoas aqui no Brasil não gostam de discutir racismo. Mas estamos quebrando barreiras, mesmo com coletivos feministas sem mulheres negras ou que não debatem raça.

+ sobre o tema

Su poesía llama la atención a todos los hombres negros que odian a las mujeres negras

¡Todas las mujeres merecen respeto! Crystal Valentine y Aaliyah Jihad...

Quase 50 anos depois, clássico da literatura negra chegará ao Brasil

Clássico da literatura negra chegará ao Brasil: chegará às...

Grace Passô, a melhor atriz do Brasil

Apesar de desconhecida pelo grande público, ela é incensada...

Rebeca Andrade fica em 5º lugar no solo com Baile de Favela nas Olimpíadas

Um passo. Foi isso que separou Rebeca Andrade de...

para lembrar

1,5 milhão de mulheres negras são vítimas de violência doméstica no Brasil

Elas representam 60% das 2,4 mi de agredidas. Reportagem...

A primeira juíza mulher da NBA e sua história de resistência

“Eu sabia que todo mundo estava esperando que eu...

É Tempo de Anastácia!

Quantas de nós, mulheres negras, ainda somos silenciadas nos...

Maria Júlia Coutinho será a primeira mulher negra a apresentar o Jornal Nacional

Jornalista entra para o rodízio de apresentadores do noticiários...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Geledés participa do Fórum do Feminismo Negro

O Fórum Global de Feminismos Negros 2024 está ocorrendo entre os dias 04 a 07 de fevereiro, em Bridgetown, Barbados. Sob o tema “Para...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=