O sacrifício de animais nas religiões afro-gaúchas

O projeto de lei da deputada estadual Regina Becker Fortunatti, do PDT, visando proibir o sacrifício de animais, no batuque, supostas vítimas de maus tratos, reedita o de um deputado evangélico, em 2005, reprovado por 32 contra 2 votos. Mas esta gente é teimosa. A atual proposta, além de tendenciosa e discriminatória, por ignorar ou escamotear certos fatos, revela uma incompreensível incongruência ideológica da autora.

por Norton Figueiredo Corrêa * via Guest Post para o Portal Geledés

No chamado totemismo, certos animais, os totens, representavam o ancestral da tribo, que com o tempo foi divinizado. Simbolizando como que uma fusão entre o humano e o divino, o animal-deus era ritualmente sacrificado, preparado e ingerido pelo grupo, características presentes em religiões como o catolicismo, o batuque e o judaísmo.

No catolicismo, Cristo, também figurado como um cordeiro, é oferecido a deus-pai, a carne e o sangue (pão e vinho) sendo consumidos pelo padre e/ou fieis.

No batuque, o processo é similar. Cada animal “pertence” a certa divindade e é imolado para ela, sendo a carne preparada e ingerida pelos participantes do ritual. O sangue, símbolo maior da vida, é oferecido ao orixá, representado por objetos rituais. Alimentado, ele tem força para proteger os humanos. Na noite seguinte, na festa pública, “baixa” em seus iniciados, vem ao “mundo”, a possessão sendo a garantia de sua existência e poder, na visão do batuque, e consequentemente, de proteção. Ou seja, aí temos o objetivo maior do batuque, sua própria razão de existência, como religião. Observe-se, diferentemente do distante deus cristão, a divindade, através da possessão, está ali, presente, podendo ser consultada, ouvir súplicas, advertências, o que é fundamental, psicologicamente, para quem é pobre e negro, pois oprimido pela discriminação e o racismo. Por isto, o sacrifício de animais é o eixo em torno do qual a religião se estrutura. Face a estas questões, só um louco desvairado iria fazer um animal sofrer, pois cometeria sacrilégio gravíssimo justamente contra o deus a quem este é dedicado. E o autor do ato seria terrivelmente castigado pelo orixá, também na ótica batuqueira

Como antropólogo, realizei pesquisas intensivas sobre o batuque, de 1969 a 1989. Em muitas ocasiões e vários templos, pude observar e fotografar cenas de sacrifício muito de perto. É sob o peso do argumento acima e desta longa vivência, que posso afirmar que ninguém maltrata animais, nos templos. Ou seja, a deputada, na melhor das hipóteses, ignora o que se passa por lá.

Nas sinagogas há também sacrifícios de animais e a técnica é idêntica à do batuque: o animal é suspenso pelas patas traseiras e tem a carótida cortada, morrendo em poucos segundos.

Mas nos matadouros, a questão é outra e bastante conhecida. São milhares de animais e de estabelecimentos produtores de carne, entre legalizados e clandestinos, e o processo de abate é diário e semelhante: os bois entram no brete à força de bastões elétricos e/ou aguilhadas. A morte, muito comumente, é com marreta, o animal, às vezes, apenas desmaia e, ao acordar, está sendo esfolado vivo. .

RACISMO À GAÚCHA

O Rio Grande do Sul é tido, com razão, como o estado mais racista do País. Exemplo concreto, expressões racistas são abundantes na literatura regional gaúcha, de João Simões Lopes Neto a autores mais recentes, inclusive do tradicionalismo. Em um caso significativo, o fenômeno é simplesmente escamoteado: historiador de certa fama, Walter Spalding afirma que não havia racismo, no antigo Rio Grande, pela pouca presença de negros: “apenas” 26.600, no século XVIII, mas não diz que era cerca de 30% da população da Província… E há os onipresentes “clubes de morenos”, dos rincões mais distantes à Capital, os livros didáticos. Menos palpáveis, mas efetivas, são perseguições e repressão (muitas das quais testemunhei ou soube pela imprensa), da igreja católica (e agora das evangélicas, com destaque para a IURD, significativamente muito toleradas, aliás) sobre manifestações culturais negras. Sobre a primeira, sua cúpula, historicamente, e a maior parte de seus ministros, é composta por descendentes de alemães, tidos, em geral, como muito racistas. As ordens italianas, mas em menor escala, também agem neste sentido.

Embora o IBGE informe que os afrodescendentes sejam 12% da população gaúcha, o número de templos afro-brasileiros, 30 mil ou mais, é muito superior aos do Rio, São Paulo ou Bahia. Quando me perguntam por esta aparente discrepância, a hipótese que levanto é que a força do racismo local foi o principal motivo que obrigou os escravizados e seus descendentes a criar formas de organização estruturadas em torno à cultura ancestral. Com efeito, os templos são espaços de sociabilidade, forjamento de identidades e de proteção física e espiritual contra um ambiente sócio-cultural extremamente hostil. Proibir o sacrifício de animais, no batuque, no korban judaico ou o simbólico, na missa, eixos dos respectivos sistema religiosos, é simplesmente acabar com tais religiões e, consequentemente, puxar o tapete existencial de seus integrantes. Sobre as religiões afro-brasileiras, particularmente, tais questões me levaram a concluir que é impossível aprofundar estudos sobre as religiões afro-brasileiras sem considerar o contexto das relações raciais que envolvem.

LÓGICA ILÓGICA

A proposta apresentada pela nobre deputada é inconstitucional por construção, pois desconsidera que “todos são iguais perante a lei”, já que visa uma só categoria, os batuqueiros. Se ignora o que ocorre nas sinagogas e nos matadouros (e nestes são sacrificados milhares de animais, por dia, que sofrem muito, sim), deveria ter se munido de mais dados, para propor a lei. Porém, se não ignora tudo isto, mas exclui sinagogas e matadouros, cabe supor o seguinte: ou lhe falta coragem para enfrentar a poderosa comunidade judaica e, idem, o Sindicato das Indústrias de Carne do RS (e perder votos para a reeleição), ou optou por ganhar ibope, posar de ecologista (para garantir votos) pelo modo mais fácil: atacar o segmento mais oprimido, pobre, frágil e estigmatizado da racista sociedade gaúcha, os batuqueiros, negros, em sua maioria. Mas tem mais: pergunto qual a lógica que moveu uma deputada do Partido Democrático Trabalhista, em nome do amor pelos animais, a propor uma lei altamente prejudicial justamente à classe que, por coerência política, deveria defender, os trabalhadores. A não ser que os animais supostamente maltratados pelos filiados à comunidade batuqueira sejam mais importantes, para ela, do que estes.


* Doutor em Antropologia, autor do livro O Batuque do Rio Grande Sul, antropologia de uma religião afro-rio-grandense (1992;2006).

+ sobre o tema

Rede social para negros quer dar visibilidade a políticos e empreendedores

A Black & Black, uma rede social brasileira indicada...

Exposição na Casa França Brasil conta a história do negro no Rio

Mostra reúne 500 peças, como bronzes do Benin, máscaras...

Quilombolas entrarão na justiça por danos morais

Federação Nacional de Associações Quilombolas (FENAQ) entrará com uma...

para lembrar

Ato inter-religioso marca aniversário da Comissão de Combate à Intolerância

Nielmar de Oliveira, Representantes de várias religiões estiveram presentes na...

“Ser macumbeiro e morar na favela é risco de vida”

Opinião sobre a situação da intolerância religiosa atualmente no...

Secretaria da Justiça vai criar uma Coordenadoria de Diversidade Religiosa

Durante encontro com o Grupo de Diálogo Inter-religioso de...
spot_imgspot_img

Na mira do ódio

A explosão dos casos de racismo religioso é mais um exemplo do quanto nossos mecanismos legais carecem de efetividade e de como é difícil nutrir valores...

Intolerância religiosa representa um terço dos processos de racismo

A intolerância religiosa representa um terço (33%) dos processos por racismo em tramitação nos tribunais brasileiros, segundo levantamento da startup JusRacial. A organização identificou...

Intolerância religiosa: Bahia tem casos emblemáticos, ausência de dados específicos e subnotificação

Domingo, 21 de janeiro, é o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Nesta data, no ano 2000, morria a Iyalorixá baiana Gildásia dos...
-+=