Ode à bala perdida

Quando solta no mundo
Atravessando paredes
E muros
Do cano de metal
Observas a rotina

Nunca conhecestes
Condomínios e
Bairros de luxo
Nem sabe o cheiro
Do hidratante
Da pele da madame

Celebram a tua indiferença
Quando em aros perfeitos
Já há muito
Pinta alvos

As negras peles
Já a pressentem
E nem famílias
Nos dominicais passeios
Escapam das investidas
Pelotões verde-olivas
De valor cínico e massacre

Também ronda escolas
E gosta de ensinar
Lições de dor e sofrimento
Alvejar
Uniformes e estudantes
Das manchas de sangue
Nódoa irreparável
De truculência

Tem o poder
De calar
Vozes que insistem
Em dizer:
“A milícia está nua”
E não há roupa
Cristã ou conservadora
Que tape suas impudicícias
A vida estará presente!
Na franca luta
De nossos dias

Ainda te dizem perdida
No trottoir cego
Rondas misteriosas
Matagais e desaparecidos
Alguém os viu?!
Só a morte
Em seu vagar absoluto
Vendo de longe
A bala
Encontrando corpos
E fingindo não os ver

A paz armada selou o país…

(Tales Pereira)


** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

“Volte pra favela” por Olivia Santana

Foi este o brado insultuoso, semelhante ao autoritarismo dos...

Da gravidez à morte: Como as mulheres negras enfrentam violações

Altas taxas de mortalidade materna, violência obstétrica são fatores...

A cultura do estupro e o “estupro culposo”

Nos últimos dias ganhou grande repercussão o caso do...

Revista serrote lança edição dupla com vencedores da 3a edição do Concurso de Ensaísmo serrote

A revista serrote chega às livrarias na primeira quinzena...

para lembrar

Educação: direito negado, razão de lutas negras no século XIX

Não é difícil encontrar em circulação nas redes sociais...

Falar de gordofobia é falar de discriminação e perda de direitos!

A maioria das pessoas confundem gordofobia com pressão estética,...

Afetividades na margem e preterimento da bicha preta

A homossexualidade em sociedades conservadoras e violentas quanto a...

Doné Eleonora, ancestralidade e ativismo negro

“Andei céu, terra e mar a procurar meu bisavôQuando saí pra viajar minha mãe chorouPois minha família se perdeu na escravidão” (Olorum, Mateus Aleluia) “Ventania é senhora,...

Ancestralidade e feminismo: de onde vem a prática feminista que você exerce?

Provocada por uma professora do mestrado – obrigada por isso Carla Cristina! –, refleti acerca de minha concepção de feminismo a partir de uma...

Quanto vale ou é por quilo sua escrita? O que a gente não diz a academia nos adoece

Se a escritora negra Carolina Maria de Jesus fosse examinada por uma banca de defesa de tese, cuja composição estivesse ancorada ao rigor normalista...
-+=