Não existem normas ou técnicas que salvam as Vidas Negras na prática

Tecnicamente é errado falar que adolescentes e jovens são presos, isso porque a Constituição Federal brasileira além de afirmar que estes são sujeitos de direitos que devem ser assegurados de maneira prioritária pelas famílias, sociedade e Estado[1], também determina que as pessoas com menos de 18 anos são penalmente imputáveis[2]. Portanto, não podem receber tratamento igual ou mais gravoso que as pessoas adultas, mas podem ser apreendidos se forem responsabilizados por algum ato infracional contrário a legislação, o que não exclui ou diminui suas responsabilidades.

A legislação determina que adolescentes e jovens podem ser internados em estabelecimentos educacionais: as chamadas de medidas socioeducativas[3]. Entretanto, vemos que prática são frequentemente as notícias[4] das graves violações[5] de direitos[6] dentro destes estabelecimentos[7], que teoricamente devem cumprir uma função de ressocialização. Ainda, os relatos vindos das famílias[8] reforçam o entendimento que as condições para realização de visitas são iguais às condições do sistema prisional.

Outra semelhança é a cor da pele, segundo o último Levantamento Anual do Sinase[9] 56% dos adolescentes e jovens em restrição e privação de liberdade foram considerados pardos/negros, em 2014 eram 61%, e em 2016 eram 59%. Entre os presos, 61,7% são pretos ou pardos[10]. A ausência de dados atuais e oficias sobre adolescentes e jovens em privação de liberdade é apenas uma das inúmeras dificuldades deste sistema, em período de pandemia este cenário se torna ainda mais crítico e necessitado de atenção da sociedade e dos governantes.

Ainda, segundo a Constituição, é dever do Estado e direito de todos a segurança pública[11]. A Constituição é de 1988, e apenas no ano de 2012, foram 56.000 pessoas assassinadas no Brasil. Destas, 30.000 eram jovens e, desse total, 77% eram negros. A maioria dos homicídios são praticados por armas de fogo, e menos de 8% dos casos chegam a serem julgados[12].  Segundo dados do IBGE entre 2012 e 2017, foram registradas 255 mil mortes de negros por assassinatos; em proporção, negros têm 2,7 mais chances de ser vítima do que brancos[13]

Por fim, o Atlas da Violência de 2019[14] traz informações que apenas no ano de 2017, 75,5% das vítimas de homicídios foram: mães, país, filhos, filhas, tios, tias, avós, avôs, madrinhas, padrinhos, netos, netas, sobrinhos e sobrinhas, todas pessoas negras. A taxa de homicídios por 100 mil negros foi de 43,1, ao passo que a taxa de não negros (brancos, amarelos e indígenas) foi de 16,0. Ou seja, proporcionalmente às respectivas populações, para cada indivíduo não negro que sofreu homicídio em 2017, aproximadamente, 2,7 negros foram mortos.

Para o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)[15] são adolescentes pessoas entre 12 e 18 anos[16]. Por sua vez, o Estatuto da Juventude[17] considera jovem as pessoas com idade entre 15 e 29 anos. Ou seja, as pessoas que tenham entre 15 e 18 anos[18] são sujeitos de direito duplamente prioritários. Será que foi essa a má sorte de João Pedro, ter apenas 14 anos? Certamente não.

À medida que cadáveres jovens e negros se acumulam, percebe-se que os direitos e a justiça se afastam da população preta, pobre e periférica. As técnicas e legislações não barram o encarceramento e genocídio da população preta, ou seja, não existem normas ou técnicas que salvam as Vidas Negras na prática. Não existem condições para que o Estado assegure os direitos das pessoas negras enquanto vivermos numa sociedade que usa o racismo como tecnologia para matar. Precisamos procurar soluções que mantenham crianças, adolescentes e jovens negros vivos, sonhando, sorrindo e livres. É importante lembrar que para cada adolescente e jovem sem liberdades ou morto, existem milhares de sonhos interrompidos. A única forma de criar uma nova sociedade com equidade racial é mantendo os sonhos, sorrisos e corpos Negros Vivos.

*Mayara Silva de Souza é Advogada, Ativista pela infância e adolescência e Líder do Programa de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco pelo Fundo Baobá.


[1] Ver artigo 227 da Constituição Federal de 1988.

[2] Ver artigo 228 da Constituição Federal de 1988.

[3] Ver artigo 112, inciso VI do Estatuto da Criança e do Adolescente.

[4] Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/07/doze-estados-tem-sistema-socioeducativo-lotado.shtml

[5] Disponível em: http://www.mpf.mp.br/pb/sala-de-imprensa/relatorios-de-inspecao/relatorio-cedh-cej-23-04.2015

[6] Disponível em: https://www2.cnmp.mp.br/portal/images/stories/Destaques/Publicacoes/Um_Olhar_mais_Atento_02.07_WEB-completo-ok-1_1.pdf

[7]Disponível em: http://cedecaceara.org.br/site/wp-content/uploads/2019/02/Relatorio_Inspecoes_2016-V3.pdf

[8] Disponível em: https://ponte.org/revistas-vexatorias-na-fundacao-casa-e-a-rotina-de-prisioneiros/.

[9] Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/sdh/noticias/2018/janeiro/divulgado-levantamento-anual-do-sistema-nacional-de-atendimento-socioeducativo.

[10] Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/cdhm/noticias/sistema-carcerario-brasileiro-negros-e-pobres-na-prisao

[11] Ver caput do artigo 144 da Constituição Federal de 1988.

[12] Disponível em: https://anistia.org.br/campanhas/jovemnegrovivo/

[13] Disponível em: https://exame.abril.com.br/brasil/ibge-populacao-negra-e-principal-vitima-de-homicidio-no-brasil/

[14]  Disponível em: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/12/atlas-2019.

[15]  Lei Federal nº 8.069 de 1990.

[16]  Ver artigo 2º do Estatuto da Criança e do Adolescente.

[17] Lei Federal nº 12.852 de 2013.

[18] Ver §1º, do artigo 1º do Estatuto da Juventude.


** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Em defesa da tolerância religiosa em nossa sociedade

Em defesa da tolerância religiosa em nossa sociedade: Uma...

Encontro das águas: precisamos falar sobre afetividade

O sistema escravocrata e as divisões raciais criaram condições...

Quanto vale uma vida?

Quando perguntamos às crianças o que querem ser quando...

A manutenção de Fundeb como estratégia para reorganização das comunidades escolares pós-pandemia do covid-19

Foi reportada, pela primeira vez, pelo escritório da Organização...

para lembrar

‘Enfrentamento ao racismo é indispensável’

O Atlas da Violência 2018 aponta que a taxa...

Em 80 horas, cinco jovens sem ligação com o crime são mortos no RJ

As mortes de pessoas que não estão ligadas ao...

Abusos provam que estamos por nossa conta

Projeto brasileiro de extermínio da racialidade indesejada se escancara...

Ficar em casa nem sempre é seguro para um jovem negro

No momento, muitos órgãos, empresas e autoridades se unem...

Movimentos sociais e familiares de mortos em operações policiais realizam ato em SP

Um ato para protestar contra a matança promovida pela Polícia Militar na Baixada Santista está agendado para esta segunda-feira, 18, às 18h,  em frente...

Massacre de Paraisópolis: policiais militares têm segunda audiência

O Tribunal de Justiça de São Paulo retoma, no início da tarde desta segunda-feira (18), o julgamento dos 12 policiais militares acusados de matar...

Câmara do Rio de Janeiro promove encontro entre familiares de vítimas da violência do Estado

Pela primeira vez, a Câmara Municipal do Rio de Janeiro promoveu o “Café das Fortes” que reúne mães e familiares de vítimas do genocídio...
-+=