Oficina Cultural Oswald de Andrade recebe atividades de Dona Ruth: Festival de Teatro Negro de São Paulo

Para celebrar o centenário de Ruth de Souza, Elisa Lucinda apresenta uma experimentação cênica audiovisual inédita

A Oficina Cultural Oswald de Andrade recebe atividades da 3ª edição do Dona Ruth: Festival de Teatro Negro de São Paulo entre os dias 23 e 31 de outubro. O espaço localizado no Bom Retiro, centro de São Paulo, faz parte das Oficinas Culturais, programa da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo e gerenciado pela Poiesis, que realiza programação totalmente gratuita para a fruição e formação artística.

Neste ano, o Dona Ruth: Festival de Teatro Negro de São Paulo ocupa a Oficina Cultural Oswald de Andrade com debates relacionados à crítica e criação teatral, metodologias de pesquisa e uma apresentação inédita para celebrar os 100 anos que a atriz Ruth de Souza (1921-2019) completaria, como um resgate da sua vasta contribuição nas artes cênicas. 

Além da Oficina Cultural Oswald de Andrade, a 3ª edição do Dona Ruth: Festival de Teatro Negro de São Paulo contará com atividades on-line e presenciais do Itaú Cultural, SESC SP (Sesc Interlagos, Sesc Santo Amaro, Sesc Ipiranga); da Secretaria Municipal de Cultura (Teatro João Caetano e Teatro Cacilda Becker); e do Museu Afro Brasil. Saiba mais sobre todas as atrações no site do festival (clique aqui).

Confira a programação que a Oficina Cultural Oswald de Andrade recebe:

A atividade formativa Quilombo artístico-pedagógico – A crítica como pensamento e criação, nos dias 23 e 24, 30 e 31 de outubro, sábados e domingos, das 10h às 13h, busca incentivar a reflexão dos participantes sobre a crítica teatral como lugar de pluralidade das estéticas negras, a partir da análise de suas peças teatrais e performances contemporâneas. Também propõe a crítica como um espaço para colaborar com mais histórias e teorias do teatro brasileiro, questionando a ideia de Brasil e redistribuindo imaginários estéticos, éticos, políticos, dentre outros olhares. Com mediação da atriz e crítica de teatro Soraya Martins e pelo Zoom, as inscrições ficam abertas neste link.

O ato artístico Eu, Ruth de Souza será apresentado por Elisa Lucinda, atriz, poeta, escritora, jornalista e cantora, no dia 25 de outubro, segunda-feira, a partir das 20h, no YouTube das Oficinas Culturais. Não é necessária inscrição para assistir e interagir. Eu, Ruth de Souza é uma síntese da carreira dessa dama do teatro. Primeira atriz negra brasileira a pisar no palco do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. A atriz Elisa Lucinda, recolheu alguns aspectos e fatos da carreira da artista e as incorporou para viver um pouco a nossa Ruth e trazê-la com suas histórias para nós. A edição 2021 do festival destaca o encanto, sonho e permanência como geradores da trajetória de Ruth de Souza e o ato de narrar sua trajetória traz forças contra narrativas em um país afundado, desde a sua fundação, na violência de raça e de gênero.

Entre os dias 26 e 28 de outubro, terça a quinta-feira, das 18h às 20h, será a vez do Quilombo artístico-pedagógico –– narrativas de si: metodologias de pesquisa biográfica de Ruth de Souza. Como estudar as relevantes trajetórias de estrelas negras das artes cênicas brasileiras? Por que a livre escolha de um ofício ganha dimensão política e histórica? Essas e outras questões serão pensadas na atividade coordenada por Julio Claudio da Silva, historiador e doutor em História Social pela Universidade Federal Fluminense, biógrafo de Ruth de Souza é o escritor da obra Uma Estrela Negra no Teatro Brasileiro (2017), e por Sandra Almada, jornalista, professora universitária, escritora, Mestre em Comunicação e Cultura pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECO/UFRJ). Autora de “Damas Negras”, com as trajetórias de vida e profissional das atrizes Ruth de Souza, Zezé Motta, Léa Garcia e Chica Xavier. As inscrições estão abertas aqui.

Os estudos das biografias têm despertado interesse entre diversos profissionais, de historiadores a antropólogos e ao público em geral. As memórias e biografias das personagens negras tem se destacado neste segmento, ainda mais pelas demandas dos movimentos negros e da aplicação da Lei 10.639/03. Assim, o objetivo desta atividade é discutir algumas possibilidades de pesquisa de cunho biográfico e socializar experiências de investigação sobre a trajetória da artista Ruth de Souza, a partir das narrativas de si e de outras pessoas, presentes em fontes orais, e ainda em acervos privados e públicos com registros de suas trajetórias.

Dona Ruth: Festival de Teatro Negro de São Paulo é considerado o primeiro festival dedicado à produção e pesquisa teatral feita por artistas negros na região paulistana, agindo como um território de expressão, encontros, reflexões, diálogos e fruição entre o público, artistas, coletivos e companhias. Ruth de Souza foi a primeira atriz negra a se apresentar no Theatro Municipal do Rio de Janeiro com o Teatro Experimental do Negro (TEN), a primeira brasileira indicada como melhor atriz no Festival de Veneza de 1954 pela atuação em Sinhá Moça e tem mais de 80 trabalhos distribuídos no teatro, no cinema e na televisão. 

Serviço:

Dona Ruth: Festival de Teatro Negro de São Paulo na Oficina Cultural Oswald de Andrade

Quilombo artístico-pedagógico – A crítica como pensamento e criação
Com Soraya Martins
23 a 31/10 – sábados e domingos – 10h às 13h
Classificação indicativa: maiores de 18 anos 

Inscrições: Até 20/10 – aqui
Plataforma: Zoom | Vagas:15 | Seleção: Análise da ficha de inscrição.

Eu, Ruth de Souza
Com Elisa Lucinda
25/10 – segunda-feira – 20h às 20h30
Classificação: livre
Plataforma: YouTube Oficinas Culturais.
Sem necessidade de inscrição.

Quilombo artístico-pedagógico –– narrativas de si: metodologias de pesquisa biográfica de Ruth de Souza

Com Julio Claudio da Silva e Sandra Almada.
26/10 a 28/10 – terça a quinta-feira – 18h às 20h
Classificação indicativa: maiores de 18 anos
Inscrições: Até 22/10 – aqui

Plataforma: Zoom | Vagas: 30 | Seleção: Por ordem de inscrição | Análise da ficha de inscrição

SOBRE O PROGRAMA OFICINAS CULTURAIS

Como uma iniciativa da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo desde 1986, e gerenciado pela POIESIS – Organização Social de Cultura, o Programa Oficinas Culturais promove formação e vivência à população no campo da cultura. 

O programa dialoga com o interior por meio de dois festivais (FLI – Festival Literário e MIA – Festival de Música Instrumental), Ciclos de Gestão Cultural, Ciclos de Estudos sobre Cultura Tradicional e Contemporaneidade, Programa Qualificação em Artes (qualificação artística de 60 grupos, entre teatro e dança), o Programa de Formação no Interior e ações dedicadas à pesquisa e à experimentação nas diversas linguagens artísticas, a partir da relação direta com 360 municípios, em mais de 600 atividades de formação.

Além disso, na cidade de São Paulo, o programa realiza atividades de formação e difusão em três espaços:  Oficina Cultural Oswald de Andrade (Bom Retiro), Oficina Cultural Alfredo Volpi (Itaquera) e Oficina Cultural Maestro Juan Serrano (Taipas).

SOBRE A POIESIS

A Poiesis – Organização Social de Cultura é uma organização social que desenvolve e gere programas e projetos, além de pesquisas e espaços culturais, museológicos e educacionais, voltados para a formação complementar de estudantes e do público em geral. A instituição trabalha com o propósito de propiciar espaços de acesso democrático ao conhecimento, de estímulo à criação artística e intelectual e de difusão da língua e da literatura.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

+ sobre o tema

Cabelos de Sheron Menezzes são referência fashion para a moda da mulher negra

Cabelos de Sheron Menezzes são referência fashion para a...

Beyoncé passeia com a filha em ‘canguru’

Beyoncé passeia com a filha em 'canguru'. A cantora...

Beyoncé publica vídeo dos bastidores de seu retorno aos palcos

Quase cinco meses após dar à luz a sua...

18 anos sem Mussum

Há 18 anos, mais exatamente em 29 de julho...

para lembrar

Encontro do Hip Hop com a SEPPIR em São Paulo

No ultimo final de semana os representantes,militantes e ativistas...

Renato vai passar por cirurgia, mas voltará a jogar futebol

Procedimento de introdução de um catéter no coração será...

Emílio Santiago critica MPB atual: “É tudo muito cool”

Lançando o DVD "Só danço samba", cantor fala sobre...
spot_imgspot_img

Por que Bob Marley é um ícone dos direitos humanos

Ao se apresentar em junho de 1980 na cidade alemã de Colônia, Bob Marley já estava abatido pela doença. Ainda assim, seu carisma fascinou...

‘Ah, se não Fosse o Ilê Aiyê’: bloco afro mais antigo do país celebra 50 anos de resistência e pioneirismo

Se o bloco afro mais antigo do país enfrentou resistência ao desfilar pelo circuito de Carnaval de Salvador (BA) pela primeira vez, em 1975,...

Camisa Verde e Branco abre hoje desfile do grupo especial em SP

A escola de Samba Camisa Verde e Branco abre hoje (9), às 23h15, a primeira noite de desfiles das escolas de samba do Grupo Especial...
-+=