ONU denuncia ataques racistas contra Vinicius Junior

'Este é um assunto que vai preocupar a Justiça', disse o alto comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Volker Turk

O alto comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Volker Turk, denunciou nesta quarta-feira (24) os insultos racistas proferidos contra o atacante brasileiro Vinicius Junior, do Real Madrid, e pediu esforços conjuntos para erradicar esse flagelo do esporte.

“Fazemos um apelo a todos estes eventos esportivos do mundo para enfrentar, combater e prevenir o racismo”, declarou Turk, em Genebra, antes de destacar que o novo incidente é um “lembrete brutal da prevalência do racismo no esporte“.

No domingo (21), o atacante de 22 anos foi alvo de insultos racistas durante a derrota de sua equipe por 1 a 0 para o Valencia, no estádio do rival.

O incidente provocou um grande impacto na Espanha, onde os casos de racismo são registrados há várias décadas nos estádios, sem resultar em verdadeiras sanções penais.

Neste caso em específico, Turk saudou, no entanto, “uma reação muito forte das autoridades”, destacando que “começaram a prender pessoas muito rapidamente”.

“Uma investigação deve acontecer. Este é um assunto que vai preocupar a Justiça”, acrescentou.

Para a principal autoridade dos direitos humanos da ONU, “os que organizam eventos esportivos levam a questão muito a sério”.

Embora reconheça os inúmeros aspectos positivos do esporte, Turk afirma que também é preciso “lidar com o lado sombrio”.

O alto comissário pediu a seus serviços para preparar um relatório de orientação sobre a questão do racismo no esporte.

“Queremos propor um certo número de ideias claras sobre as normas relativas aos direitos humanos em eventos esportivos”, insistiu, citando os problemas de participação, de inclusão e da “luta contra a estigmatização e o racismo”.

“Constatamos uma discriminação em um amplo leque de questões, incluindo discriminação de gênero e discriminação contra pessoas LGBTI que também participam de eventos esportivos”, disse Turk.

É preciso que fique absolutamente claro – frisou – que “o racismo é completamente inaceitável” e, nesse sentido, pediu a todos que façam um exame de consciência.

“Será que eu tenho um preconceito? (…) Como eu reajo quando vejo outra pessoa lançando um insulto racista? (…) Eu me acomodo, eu respondo a isso?”, questionou.

“Temos que encontrar maneiras de erradicá-lo completamente no século 21. Isso exige que todos enfrentem [o problema]”, completou.

+ sobre o tema

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim...

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por...

Voto feminino faz 92 anos; ação de ativista alagoana marca luta

Homens observam uma mulher diante da urna. Ela, vestida...

Como as escolas de samba nos ensinam sobre ancestralidade

Desde que foram criadas, escolas de samba têm sido...

para lembrar

‘Lugar de Negro’ mudou toda a maneira como se estuda racismo no Brasil

Depois de quatro décadas de sua primeira publicação, o...

Vinicius Jr. se pronuncia sobre racismo e críticas por dança: “Eu não vou parar”

Vinicius Junior, jogador da seleção brasileira e do Real Madrid,...

Movimento de rap aponta truculência e racismo em abordagem policial na praça do Marex, em Belém

Artistas do movimento Hip Hop apontam que sofreram agressão em...
spot_imgspot_img

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...

Perfeição do racismo brasileiro transforma algoz em vítima

O racismo é um crime perfeito. É com essa frase que o antropólogo Kabanguele Munanga, uma das maiores autoridades do Brasil em estudos raciais, define...
-+=