ONU denuncia ataques racistas contra Vinicius Junior

'Este é um assunto que vai preocupar a Justiça', disse o alto comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Volker Turk

O alto comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Volker Turk, denunciou nesta quarta-feira (24) os insultos racistas proferidos contra o atacante brasileiro Vinicius Junior, do Real Madrid, e pediu esforços conjuntos para erradicar esse flagelo do esporte.

“Fazemos um apelo a todos estes eventos esportivos do mundo para enfrentar, combater e prevenir o racismo”, declarou Turk, em Genebra, antes de destacar que o novo incidente é um “lembrete brutal da prevalência do racismo no esporte“.

No domingo (21), o atacante de 22 anos foi alvo de insultos racistas durante a derrota de sua equipe por 1 a 0 para o Valencia, no estádio do rival.

O incidente provocou um grande impacto na Espanha, onde os casos de racismo são registrados há várias décadas nos estádios, sem resultar em verdadeiras sanções penais.

Neste caso em específico, Turk saudou, no entanto, “uma reação muito forte das autoridades”, destacando que “começaram a prender pessoas muito rapidamente”.

“Uma investigação deve acontecer. Este é um assunto que vai preocupar a Justiça”, acrescentou.

Para a principal autoridade dos direitos humanos da ONU, “os que organizam eventos esportivos levam a questão muito a sério”.

Embora reconheça os inúmeros aspectos positivos do esporte, Turk afirma que também é preciso “lidar com o lado sombrio”.

O alto comissário pediu a seus serviços para preparar um relatório de orientação sobre a questão do racismo no esporte.

“Queremos propor um certo número de ideias claras sobre as normas relativas aos direitos humanos em eventos esportivos”, insistiu, citando os problemas de participação, de inclusão e da “luta contra a estigmatização e o racismo”.

“Constatamos uma discriminação em um amplo leque de questões, incluindo discriminação de gênero e discriminação contra pessoas LGBTI que também participam de eventos esportivos”, disse Turk.

É preciso que fique absolutamente claro – frisou – que “o racismo é completamente inaceitável” e, nesse sentido, pediu a todos que façam um exame de consciência.

“Será que eu tenho um preconceito? (…) Como eu reajo quando vejo outra pessoa lançando um insulto racista? (…) Eu me acomodo, eu respondo a isso?”, questionou.

“Temos que encontrar maneiras de erradicá-lo completamente no século 21. Isso exige que todos enfrentem [o problema]”, completou.

+ sobre o tema

A eterna resenha entre o griot, o professor e a cineasta

Um professor e uma cineasta sentam em um bar...

Por medo de racismo, jogador inglês pede que família não vá à Copa

Jogador não quer se preocupar com eventuais agressões a...

Por que as cotas raciais deram certo no Brasil

Política de inclusão de negros nas universidades melhorou a...

para lembrar

Racismo: como a ciência desmantelou a teoria de que existem diferentes raças humanas

À medida que novos territórios e populações foram sendo...

35 casos de racismo são denunciados à polícia em MT nos primeiros 4 meses do ano

Nos quatro primeiros meses deste ano, 35 casos de...

Professor universitário é espancado na praia da Ferrugem SC

A madrugada da última quinta-feira quase terminou em tragédia...

Cotas, o branqueamento e a discriminação racial

Durante a última semana, houve bastante repercussão sobre a...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=