Organização de mulheres negras cobra poder público por ações de proteção social em meio à pandemia

Entidade lembra que crise cresce junto às populações mais vulneráveis e empurra para a miséria grupos que perdem renda e emprego

Do RBA

BORDADO: COLETIVO/ FOTO: ISANELLE NASCIMENTO

A Criola, organização de mulheres negras do Rio de Janeiro, publicou uma nota nesta quinta-feira (9) na qual cobra o Poder Público sobre a lentidão na execução das ações de proteção social, prevenção e cuidado frente à pandemia do novo coronavírus.

A entidade lembra que o contágio cresce junto às populações mais vulneráveis e empurra para a miséria outros grupos que agora perdem renda e trabalho. Dentro desse contexto de crise humanitária e econômica, as mulheres negras são um dos grupos mais vulneráveis.

A Criola diz que a renda emergencial, sancionada pelo governo federal e que prevê o pagamento de R$ 600, precisa ser implantada de modo simples e que possa chegar a todos. A entidade lembra que catadoras de lixo, produtoras rurais, quilombolas, ambulantes, domésticas, entre outras profissões, tem como maioria mulheres negras e precisam ser prioridade do programa.

“Hierarquizar o acesso à assistência emergencial é o mesmo que escolher quem morrerá primeiro, quer seja pelo impacto causado pela pandemia ou pela falta de água potável, comida e remédios”, diz a nota.

Carta das mulheres negras

No último dia 25, a Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB), publicou uma carta sobre a Covid-19. O texto fala sobre a necessidade do auxílio emergencial para essa população, uma das mais afetadas pela crise provocada pelo novo coronavírus.

A organização também destacou a necessidade de uma atenção especial para a saúde das mulheres negras, já que o Brasil já mostrou a vulnerabilidade desse segmento da população durante epidemias locais. “O desastre da dengue e da chikungunya, atingindo majoritariamente as populações pobres e negras. O Zika Vírus no Brasil, ainda em curso, que impactou desproporcionalmente as mulheres e as meninas negras, principalmente, na região Nordeste e expôs antigos e graves problemas de direitos humanos”, explica.

A AMNB também critica a falta de orientações para a população periférica que não consegue aderir ao quarentena. “Ignoram completamente que é na convivência diária, solidariedade e no apoio comunitário que as vítimas da omissão do poder público se sustentam”, acrescenta a carta.

Novas ações

O Instituto da Mulher Negra Geledés começou a articular sua rede de Promotoras Legais Populares (PLPs) para ajudar no enfrentamento ao coronavírus. Segundo a entidade, a exigência do confinamento reduz as possibilidades das mulheres negras proverem as necessidades básicas de suas famílias, e aumenta o risco da violência doméstica.

A rede vai orientar e auxiliar as mulheres no acesso à Justiça e aos serviços de defesa de seus direitos. O Geledés ainda explica que as PLPs atuarão no levantamento de dúvidas e necessidades das mulheres das comunidades periféricas no acesso aos benefícios públicos; sobre as ações de solidariedade em suas comunidades e regiões; informações sobre violência doméstica, e orientações para a proteção de mulheres e crianças.

De acordo com Lúcio Antônio Machado Almeida Professor Universitário, doutor e mestre em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), há uma lentidão do governo brasileiro para fazer frente a tais ameaças, que colocam em risco a população negra de um modo geral.

“A conduta de nossas autoridades para com a população negra, se confirmarem a iminente omissão, os nossos movimentos negros, em suas diversas facetas, terão que denunciar tais omissões institucionais aos organismos internacionais. Há, sem sombra de dúvidas, uma situação na qual a população negra mais pobre, que ainda é a maioria em nosso país, possa sofrer danos irreversíveis em sua vida cotidiana”, disse, em artigo publicado no Geledés.

+ sobre o tema

Homem mata ex-esposa e é capturado caminhando tranquilamente na rua

Homem que matou ex-esposa é capturado por parentes da...

Caso Marielle: veja quem já foi preso e os movimentos da investigação

Uma operação conjunta da Procuradoria Geral da República, do Ministério...

Brasil registra 10,6 mil feminicídios em oito anos

De 2015 até 2023, foram vítimas de feminicídio no...

‘O discurso de ódio contra a mulher não é liberdade de expressão. É crime’

Baaghi, uma blogueira paquistanesa, teve seu documento de identidade,...

para lembrar

Spa para meninas a partir de cinco anos gera polêmica na Espanha

Ativistas acusam empresa de difundir modelo 'sexista' que reforçaria...

O poder da narrativa: O Brasil revisto através dos romances de autoras negras

Através de aulas expositivas, leituras de trechos selecionados de...

Em vídeo, Jackie Chan “sai do armário” em campanha pela liberdade sexual

O ator Jackie Chan participa de uma campanha do...
spot_imgspot_img

IBGE: mulheres assalariadas recebem 17% menos que os homens

Dados divulgados nesta quinta-feira (20/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a disparidade salarial entre os gêneros no Brasil se mantém em...

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...
-+=