Os atos que desnudam a face sombria da sociedade

A tarefa de escrever nestes dias não anda nada fácil. Não por falta de assuntos, mas pela enorme quantidade deles. De certa forma isso é muito bom e muito angustiante também, pois a escolha sempre faz a gente deixar de lado algum assunto empolgante e importante. Mas vamos lá, porque não é para falar, ou melhor, escrever sobre dilemas de articulista que estou aqui.

Por Mônica Francisco Do Jornal do Brasil

As redes sociais não param de destacar a violência crescente nas favelas do Rio de Janeiro, que parecem ter entrado no clima de retrocesso que tomou conta do país e ressuscitou  figuras e situações que pensávamos já superadas na história de nossa sociedade (menos essa guerra particular que continua produzindo caos e morte de uma população inocente). Vivemos um clima cada vez menos favorável e tranquilo nestas áreas.

Ao percorrer o bairro da Tijuca, chama a atenção a abundância de placas de venda de imóveis. O som de tiros começa a tornar-se frequente. A atual situação do estado do Rio de Janeiro e consequentemente seu reflexo nas instituições e setores delicados, como a saúde, educação e segurança, vão deixar marcas terríveis, principalmente no que se refere a esse tema.

A produção de mortes violentas de grupos humanos determinados, em uma escala irresponsável (50 mil mortes de jovens negros pobres ao ano, o aumento na morte de mulheres negras anualmente, cerca de 54% segundo a ONU) parece não gerar nenhum tipo de constrangimento.

É recorrente minha indicação, vocês já leram aqui muitas vezes, de que caminhamos para um rumo desastroso se não revermos imediatamente essa questão, essa forma de gerir a cidade, principalmente para os mais pobres, a classe trabalhadora, os mais vulneráveis e invisibilizados diariamente em sua dor.

Me utilizo da reflexão da Cientista Social e Professora do Departamento de Antropologia e do Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais da PUC-SP, Márcia Regina da Costa, que afirma em sua análise sobre a violência que ódio ao outro, a negação do outro, o prazer em destruir o semelhante, presentes em muitas das violências contemporâneas, podem não ser ideológicas apenas em um sentido restrito ao termo.

Esses atos desnudam a face sombria presente nessas sociedades em que a solidariedade e a identificação com o outro ser humano estão em constante perigo.

Precisamos todos nos mobilizarmos em uma tentativa de mudança real desse quadro, do contrário, em maior ou menor medida, sofreremos todos.

Leia Também

O ódio genocida ao Outro

+ sobre o tema

Obama precisa se justificar perante o Congresso sobre ação militar na Líbia

A Casa Branca enviou, nesta quarta-feira, um dossiê de...

O duplo desafio de Obama

- Fonte: O Estado de São Paulo - Conforme...

Candidaturas coletivas podem acabar já em 2024; a quem isso interessa?

As candidaturas coletivas podem deixar de existir já a...

para lembrar

Juca Ferreira será o secretário de Cultura de Haddad

O ex-ministro Juca Ferreira aceitou o convite do prefeito...

A Princesa e o Sapo – Um Conto de Fadas sobre Comunicação, Educação e Racismo

Racismo, comunicação e educação - palestra de Cláudia Santos...

Juristas classificam discurso de Dilma como “histórico”

Pelas redes sociais, juristas de diversas áreas comentaram o...

Villa quer que Brasil reincorpore o Maranhão

O historiador Marco Antonio Villa, que se tornou conhecido...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...

Em 20 anos, 1 milhão de pessoas intencionalmente mortas no Brasil

O assassinato de Mãe Bernadete, com 12 tiros no rosto, não pode ser considerado um caso isolado. O colapso da segurança pública em estados...
-+=