Os estados do Nordeste não são os mais racistas

Capa do jornal Folha de S. Paulo desta segunda-feira (dia 5/1) e  aqui no Portal Fórum divulgam os dados da pesquisa do Fórum Brasileiro da Segurança Pública que demonstram que jovens negros e negras tem 2,5 vezes mais chances de serem assassinados que brancos. No Nordeste, este indicador chega a 5. Os dados mostram ainda que a taxa de homicídios de de jovens brancos caiu e a de negros aumentou.

Por Dennis de Oliveira no Quilombo 

Nenhuma destas informações é novidade. A campanha contra o genocídio da juventude negra há mais de dois anos tem divulgado estes dados, o que motivou a campanha e as várias ações realizadas nos últimos anos. Como a mídia hegemônica costuma dar prioridade a informações quando elas vem de fontes oficiais e não de movimentos sociais, o fato destas informações terem sido compiladas por um fórum governamental a pedido do governo federal, ganhou capa da Folha desta segunda. Em agosto, o movimento negro organizou uma passeata contra o genocídio da juventude negra em várias cidades do país e a cobertura da mídia hegemônica foi ínfima, priorizando, como sempre, os problemas do trânsito causados pela passeata.

Fiquei pensando o porquê, de repente, estes dados virarem matéria de capa de um jornal como a Folha de S. Paulo. Uma das explicações foi o fato de ser uma pauta originada de fonte oficial, como afirmei acima. Mas não só isto. Não costumo ler os comentários de matérias em sites, em geral são tão reacionários que dão ânsia. Mas resolvi, por curiosidade, ver como foram as reações (sem trocadilho). Uma delas chamou-me a atenção: a pessoa disse que a matéria demonstrava, com dados, que os nordestinos são mais preconceituosos que os paulistas.

Reli a matéria e notei que o fato dos índices de vulnerabilidade negra nos estados do Nordeste ser maior recebeu destaque. Mais ainda, que o Paraná sulista aparecia como o único estado em que a mortalidade de brancos era maior que a de negros.

Uma leitura rápida por estes dados leva a esta conclusão. Porém, há um dado importante que está sendo omitido nesta cobertura – a participação de afrodescendentes nas populações dos estados é diferente. Por exemplo, se em todos os estados, o percentual de brancos e negros fosse idêntico, o ranking de vulnerabilidade estaria correto. Mas não é o caso.

Ressalto que este comentário não justifica os absurdos índices de violência contra jovens negros. O genocídio racista está presente em todos os estados brasileiros. O que  estou questionando é a angulação da mídia hegemônica de que o Nordeste é mais racista que o Sudeste.

Ponderando as taxas de vulnerabilidade de jovens negros com a participação de negros na população de cada estado, segundo o Censo de 2010, o tal “ranking” se modifica e fica da seguinte forma:

 

Relação negros/brancos na população Risco relativo Índice ponderado
Paraíba 1,40 13,4 9,55
Rio Grande do Sul 0,19 1,7 8,79
Santa Catarina 0,18 1,4 7,75
Pernambuco 1,62 11,6 7,17
Distrito Federal 1,27 6,5 5,13
Espírito Santo 1,32 5,9 4,47
Alagoas 2,01 8,8 4,37
São Paulo 0,53 1,5 2,84
Mato Grosso do Sul 0,94 2,4 2,55
Rio Grande do Norte 1,36 3,4 2,49
Rio de Janeiro 1,07 2,3 2,15
Ceará 1,99 4 2,02
Goiás 1,30 2,6 2,00
Minas Gerais 1,15 2,2 1,91
Sergipe 2,37 4,2 1,77
Paraná 0,39 0,7 1,77
Roraima 2,04 3,3 1,62
Acre 2,58 3,8 1,47
Amazonas 2,70 3,7 1,37
Mato Grosso 1,50 2 1,33
Pará 3,29 3,6 1,09
Rondônia 1,67 1,8 1,08
Bahia 3,26 3,5 1,07
Piauí 2,76 2,8 1,01
Amapá 2,83 2,6 0,92
Maranhão 3,20 2,8 0,87
Tocantins 2,60 1,8 0,69

 

Com esta ponderação, observe que os estados do Sul/Sudeste, por terem uma população com menor número de afrodescendentes, não estão em situação tão boa como pode parecer. Rio Grande do Sul e Santa Catarina estão lá no topo da tabela, o Paraná também vai lá para cima da tabela e no final, há estados de várias regiões.

Assim, o que se conclui é que as variantes raciais do genocídio não acontece exclusivamente no Nordeste, mas em todo o Brasil. O fato dos indicadores do Sul/Sudeste serem melhores decorre do fato da participação de negros e negras na população ser menor. Mas, proporcionalmente, observa-se que a situação pelas bandas aqui não é das melhores.

+ sobre o tema

Uma face da transfobia chamada solidão

“Uma vida só pertence à pessoa que a vive....

Bebê que ganhou na Justiça direito a nome africano é registrado na Baixada

Agora é oficial. Makeda Foluke de Paula da Silva....

EUA: negro morto pelas costas por policial branco é sepultado

Walter Scott, o motorista negro que foi morto pelas...

para lembrar

6 maneiras de combater a discriminação racial ainda na infância

Professora da Unesp mostra como nós, adultos, podemos ajudar...

O papel da Polícia na Democracia: um debate necessário.

O papel da Polícia na Democracia: um debate necessário.   por...

H&M fecha temporariamente lojas na África do Sul após protestos por racismo

Empresa se tornou alvo de polêmica, após campanha em...
spot_imgspot_img

Educação escolar de negros com deficiência é marcada por capacitismo e racismo

Apesar da acessibilidade ser um direito garantido por lei para as pessoas com deficiência, a falta de ambientes acessíveis foi um dos principais problemas...

Em ‘Sitiado em Lagos’, Abdias Nascimento faz a defesa do quilombismo

Acabo de ler "Sitiado em Lagos", obra do ativista negro brasileiro Abdias Nascimento, morto em 2011, no Rio de Janeiro. A obra, publicada agora pela...

Registros de casos de racismo aumentam 50% entre 2022 e 2023 no estado de SP

Números obtidos via Lei de Acesso à Informação pela TV Globo, mostram que o número de ocorrências registradas por racismo e injúria racial tiveram alta...
-+=