Os exóticos canapum e brinjela silvestre, que é mato no Maranhão

Descobri pés de canapum em uns terrenos baldios, são três lotes, ao lado de minha casa. Quando os canapuns amadureceram, disse para minha neta Clarinha que eram “bombons da roça”. Ela queria retirá-los da capinha natural que os envolve para lavá-los: “Por causa das bactérias, não é, vovó?”. Respondi que “canapum colhido no pé não tem bactérias! Pode descascar e comer”.

Por: Fátima Oliveira no O Tempo 

Pense numa pessoa feliz! Eu, embasbacada com a “boca boa” com a qual minha neta degustava canapum, e me via criança em Graça Aranha! Fui às lágrimas. Ela adorou, e um dia pediu para colher um “montão” para levar para a escola. Sucesso absoluto porque ela os levou na embalagem natural!

Abreviando, canapum (Physalis angulata, a variedade brasileira), hoje, no mundo, é uma frutinha pra lá de chique, tida como exótica, é caríssima e se chama fisalis! Há iguarias francesas com fisalis que são de enlouquecer qualquer paladar…

Há quase um mês, em meu vizinho matagal, descobri dois pés do que no sertão chamávamos de “brinjela” (sim, berinjelas silvestres venenosas!), de folhas aveludadas e cheias de espinhos, que dão flores lilases com o centro amarelo e uma frutinha amarela do tamanho e em forma de pera, que é venenosa, nem passarinho come, pois contém princípios alcaloides indólicos, altamente tóxicos.

Todavia quando criança, colhíamos as “brinjelas” maduras e fazíamos “boizinhos/vaquinhas”, colocando pés, chifres e rabos com pedacinhos de gravetos… Era uma brincadeira de meninas e meninos. A disputa era de quem tinha mais gado em sua fazenda. Não retirávamos do pé as verdes, tanto que só brincávamos de fazenda quando estavam amarelinhas.

É uma planta praga na região em que nasci – e aqui também, pois os terrenos foram roçados há uns quatro meses e dá para perceber, pelos tocos, que havia muitos pés. Fiquei emocionada diante dos dois pés de “brinjelas”, pois há muitos anos não via aquela planta no mato. Eu a vi como planta ornamental exótica, cujo nome científico é <FI10>Solanum mammosum</FI>, no apartamento de uma amiga em Belo Horizonte, que trouxe sementes de uma viagem ao Japão, onde é chamada de “fox face”.

A amiga acrescentou toda prosa que na China é denominada de “berinjela cinco dedos” e é popular nas árvores de Ano-Novo para desejar boa sorte, por ter a cor do ouro, mas também em estamparia de tecidos para roupas. Em Taiwan e Hong Kong é a vedete de ornamentos florais em festas religiosas. Dizem que a frutinha venenosa tem valor medicinal para tratamento de pé de atleta e pode ser usada como detergente para lavar roupas! “É uma solanácea ornamental rara, da mesma família (Solanaceae) da berinjela, do pepino, da batata, da pimenta, do tomate e do tabaco”.

Já brigamos quando ela serviu como sobremesa um “doce raro” de canapum. “Raro?”, indaguei, gargalhando. E acunhei: é planta nativa da América do Sul que se aclimatou bem nas Grandes Antilhas, na América Central e no Caribe – um arbusto que chega até a dois metros de altura, podendo adotar o formato de trepadeira. Precisavam ver a cara de espanto dela quando falei que no Maranhão, pelo menos no sertão, era uma praga de terrenos baldios e se chamava “brinjela”. E no restante do Brasil tem vários nomes: vaquinha, teta-de-vaca, maminha-de-vaca, peito-de-moça, jurubeba-do-pará, juá-bravo, berinjela-de-cinco-dedos, cara-de-raposa…

“Fááááátima! Você já jurou que fisalis é mato de beira de estrada no Maranhão, e agora a minha solanácea rara virou ‘brinjela’ e é mato no Maranhão também”?!

Só falta ela saber que agora tenho dois pés em meu jardim…

+ sobre o tema

Presidente da Câmara anula impeachment de Dilma

A decisão será publicada na edição do Diário da Câmara...

Leonardo Boff: Dez lições da crise brasileira

Toda crise acrisola, purifica e faz madurar. Que lições...

Abolicionismo do século 21

Por: Edson França Completamos no dia 13 de...

Governo suspende novas vagas do Pronatec, ProUni e Fies

Brasília - Uma das vitrines da área social da...

para lembrar

Quando o novo já nasceu e o velho ainda não morreu…- Por: Renato Rovai

A onda de manifestações que varreu o Brasil evidenciou...

Lélia Gonzalez

Filha de um ferroviário negro e de uma empregada...

Lula anuncia criação de universidade para estudantes africanos e brasileiros

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou hoje...

Beyoncé canta Tina Turner em espetáculo futurista da nova turnê ‘Renaissance’

Numa performance brilhante, Beyoncé fez o primeiro de seus cinco shows...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=