‘Os negros já não se calam mais’

Segundo a ministra Luiza Bairros, é sabido que a população já reconhece a existência do racismo. “Hoje, uma parcela muito grande da população repudia completamente os crimes de racismo. As pessoas negras também não aceitam mais serem discriminadas e ficarem caladas, pessoas que se valem, inclusive, da existência de uma legislação antirracista bastante significativa que temos no país e que muitas instituições ainda se recusam a aceitar este novo Brasil que clama por igualdade, que clama para que o racismo seja criminalizado”, disse Luiza Bairros, chamando a responsabilidade do sistema de justiça para valer os direitos da pessoa negra.

O presidente em exercício do TJ/AL, desembargador Tutmés Airan, reconheceu que o Estado precisa de um curso que atualize e avalie o direito dos negros. “É preciso reconhecer que o racismo existe, consciente ou inconscientemente. E que ficou na sociedade em razão da prática da escravidão. A escravidão, nós vencemos, mas o preconceito e a discriminação, não. Precisamos evoluir”, disse o desembargador.

Fonte: Gazeta de Alagoas 

+ sobre o tema

Alemanha passa a reconhecer ‘terceiro gênero’ nas certidões de nascimento

A Alemanha legalizou nesta sexta-feira (14) a existência de...

Mulher vítima de violência será atendida pela Central Ligue 180

A Câmara dos Deputados aprovou nessa segunda-feira (3), em...

para lembrar

Construindo cumplicidades, por Sueli Carneiro

A crescente compreensão do impacto do binômio racismo/sexismo na...

Como se sente uma mulher

Aconteceu ontem. Saio do aeroporto. Em uma caminhada de...

Adélia Sampaio, a primeira mulher negra a dirigir um longa-metragem no Brasil

A história de Adélia Sampaio, a primeira mulher negra...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=