Oscar é acusado de racismo, enquanto Netflix transborda diversidade

É mais do que justa a indignação de muitos ativistas, atores de Hollywood e boa parte do público em geral ao saber que, pelo segundo ano seguido, apenas atores brancos estão na disputa pela estatueta mais cobiçada do cinema mundial, o Oscar.

no SuperPride

E com as redes sociais, fica cada vez mais difícil conseguir abafar qualquer indignação popular. Prova disso, é que a própria academia do Oscar, que tentou ignorar o assunto no início, já reconheceu o erro e prometeu uma reforma em seu júri, que de 5 mil pessoas, é composto em mais de 90%, por homens brancos.

A presidente do Oscar, Cheryl Boone Isaacs, garantiu que, a partir do ano que vem, o juri deverá incluir latinos, negros, homossexuais e outras minorias. Mesmo assim, diversos artistas já informaram que não vão comparecer na cerimônia, dentre eles, Jada Pinkett, Jada Smith, Will Smith, e o diretor Spike Lee.

O curioso é que, enquanto o Oscar e Hollywood ainda ficam na promessa de lutar por mais inclusão, produções da Netflix, por exemplo, transbordam no quesito diversidade (e isso não é um publieditorial, mas apenas um reconhecimento sincero).

Orange is the new black, Grace & Frankie, Sense 8, Jéssica Jones, Narcos, Degrassi… São muitos os exemplos de filmes e séries próprios da gigante do conteúdo on-demand, que incluem não apenas negros, mas também idosos, pardos, gays, lésbicas, transexuais e latinos.

Grace & Frankie é incrível e tem 4 protagonistas da terceira idade. Em Orange Is The New Black, pelo menos metade do elenco é composto por negros e latinos. Sense 8 tem, sem sombra de dúvidas, a maior diversidade na escolha de um elenco protagonista. Isso só para citar alguns exemplos.  Claro que é injusto dizer que não há tentativas louváveis disso fora da Netflix. Algumas novelas brasileiras recentes e muitos filmes e seriados americanos já inserem estes personagens em suas tramas há algum tempo. Mas na maior parte das vezes, eles não estão ali de maneira natural, como já acontece no Netflix e na vida. São sempre minoria, uma excessão à regra, quase como se entrassem apenas por uma política de cotas.

oscarXnetflix-1

O êxito da Netflix em suas produções, mostra que é possível sim fazer entretenimento relevante e de qualidade, incluindo a todos, sem que isso signifique abrir mão de sucessocomercial e de público.

Como prova, vale a pena dar uma olhada na imagem abaixo, onde pode-se comparar os protagonistas do Oscar 2015 com muitos dos protagonistas das produções da Netflix. Mais uma vez fica provado à mídia tradicional e aos veteranos, que o mundo felizmente já é outro. E quem não acordar pra isso, não será mais perdoado.

+ sobre o tema

José Junior, do AfroReggae, quer anistia para traficante

A ideia é polêmica: perdoar traficantes que queiram largar...

ONU denuncia que escravidão moderna afeta 21 milhões de pessoas

A escravidão moderna, uma violação "atroz" dos direitos...

A cada cinco dias, uma criança é estuprada dentro da escola, no Rio

O estado do Rio tem, em média, um caso...

Transexuais superam barreiras e conquistam lugar no mercado de trabalho

No início deste ano, Radija saiu de Araçuaí para...

para lembrar

8 de março: Documentário debate aborto de menina de 9 anos em PE

ECIFE - Foi lançado hoje, no Recife, o documentário...

Diálogos Setoriais com a Sociedade Civil

A Representação do BID no Brasil e o ConSOC...

As leis da ditadura que ainda vigoram no Brasil

29 anos após a democratização, conheça as leis da...
spot_imgspot_img

Impacto do clima nas religiões de matriz africana é tema de evento de Geledés em Bonn  

Um importante debate foi instaurado no evento “Comunidades afrodescendentes: caminhos possíveis para enfrentar a crise climática”, promovido por Geledés -Instituto da Mulher Negra em...

Comissão da Saúde aprova PL de garantia de direitos à pacientes falciformes

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (5), o Projeto de Lei nº 1.301/2023, que reconhece a doença falciforme como...

Comissão Arns recebe Prêmio Eny Moreira de Direitos Humanos

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos D. Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns recebeu, na tarde da última quarta-feira (05/06), o Prêmio Eny...
-+=