Oscar refletiu as transformações da sociedade americana, por Joel Zito Araujo

Premiação consagrou não só a diversidade de raça, mas também as de gênero e temática

por Joel Zito Araujo

Numa conversa particular com uma das votantes do Oscar, sobre como decidir entre tantos bons filmes, ela disse que, na dúvida entre “Gravidade” e “12 anos de escravidão”, foi Steve McQueen quem a fez ficar dias pensando e conversando com seus amigos. Para ela, este sim é um filme que ficará na História.

Certamente, temos aqui o retrato de um novo tempo. As premiações refletem as transformações da sociedade norte-americana e a composição dos 6 mil votantes da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood na era Obama. As premiações do último domingo espelham o que há de mais progressista na sociedade americana do século XXI. Pela primeira vez em sua história, a Academia escolheu para a sua presidência uma mulher negra (Cheryl Boone Isaacs), escolheu como mestre de cerimônia do Oscar uma comediante lésbica assumidíssima (Ellen DeGeneres), e indicou e premiou a diversidade de raça, de gênero e de temáticas. Afinal, foram dois prêmios de melhor ator para “Clube de Compras Dallas” e, indiretamente, para a temática da Aids, prêmio de melhor diretor para um mexicano (Alfonso Cuarón, de “Gravidade”), prêmio de melhor atriz para a australiana branquíssima Cate Blanchett, além dos prêmios (melhor filme, atriz coadjuvante e roteiro adaptado) para o longa de Steve McQueen.

Oscar refletiu as transformações da sociedade americana, por Joel Zito Araujo
Oscar refletiu as transformações da sociedade americana, por Joel Zito Araujo

A indústria de cinema de Hollywood também reconheceu a diversidade mundial ao homenagear o trabalho do nosso querido Eduardo Coutinho e de outros grandes cineastas do cinema estrangeiro. E, depois dessa premiação de “12 anos de escravidão” como o filme mais importante do ano, e das nomeações anteriores de filmes com “Preciosa — uma história de esperança”, a Academia começa a debelar as diferenças entre o cinema independente norte-americano e o cinema de Hollywood. Com tudo isto, ela chegaria perto da perfeição se premiasse alguma das qualidades do filme de Martin Scorsese criticando os lobos de Wall Street, o maior vilão da sociedade americana atual.

Mas será que a vitória de um Steve McQueen negro redime Hollywood de 45 anos de ausência de um prêmio de tal magnitude para um diretor afro-americano? Estou estabelecendo como marco o filme “The Learning Tree”, de Gordon Parks, lançado em 1969, e considerado pela Biblioteca do Congresso norte-americano como um dos dez melhores filmes da História. Depois vieram outros diretores, como John Singleton, Lee Daniels e, principalmente, o maior injustiçado de todos, Spike Lee, que ainda não teve sua obra e sua direção reconhecidas pela Academia.

Olhando para as tensões internas da sociedade norte-americana, o filme de Steve McQueen força o país a enfrentar as consequências de um passado escravista que, assim como no Brasil, foi cruel e profundamente desumano. Ainda podemos perceber facilmente os exemplos de um passado que continua precisando ser enfrentado e resolvido. Observem a maioria negra nas prisões norte-americanas e o racismo que atinge até o cotidiano de pessoas famosas como Forest Whitaker, também vencedor de um Oscar. Ele foi, no ano passado, acusado injustamente de roubar um iogurte em um loja nova-iorquina por não ter sido imediatamente reconhecido como celebridade pelo vendedor.

“Como não sentir inveja?”

Se observarmos a narrativa de “12 anos de escravidão”, Steve McQueen ainda tem um olhar estrangeiro. Mesmo sendo fiel ao livro que inspirou o filme, e provocando indignação com uma reconstituição hiper-realista das punições e dos controles das mentes e dos corpos negros, considerados como animais, demonstra ser um diretor negro que não teve a oportunidade, como Spike Lee, de receber a carga de reflexões da intelectualidade e dos artistas negros ao longo da História norte-americana. Certamente, até mesmo hoje, um filme como “Malcom X” teria dificuldade em ser premiado como o melhor pela força que demonstra a resistência e a afirmação do protagonismo negro na História americana. Dificilmente diretores como Spike Lee dariam destaque para histórias que necessitam de um Salvador branco, como o advogado que resgata Solomon, interpretado por Brad Pitt.

Mas, sendo um cineasta afro-brasileiro independente, como não sentir inveja das decisões tomadas pela Academia e pela indústria de Hollywood? Como ver o impacto do filme na sociedade norte-americana e evitar dizer “mirem-se no exemplo…”?

* Joel Zito Araujo é diretor de filmes como “A negação do Brasil” , “Filhas do vento” e “Raça” (este com Megan Mylan)

 

Fonte: O Globo

+ sobre o tema

UA recompensa cientistas africanos

A União Africana (UA) identificou cinco cientistas africanos para...

Jesús Chucho García: Afroparadigmas culturales

La cultura afrodescendiente la he definido como un proceso...

Fotógrafo lança projeto com versão negra de profetas, reis e anjos

E se os personagens bíblicos profetas, reis e anjos...

Eto’o chora ao abraçar pequeno fã na despedida de Camarões da Copa

Vídeo mostra Eto’o chora ao abraçar pequeno fã na...

para lembrar

China troca direitos humanos por matérias primas africanas

China compra ou aluga terra em Africa para as...

Brasil: Governo de Moçambique cede terras a latifundiários

  O governo de Moçambique está cedendo o uso de...

George Wright: os bastidores da Pantera Negra

A polícia federal dos EUA descreve George Wright, o...
spot_imgspot_img

Toussaint Louverture, o general negro que libertou o Haiti

Toussaint Louverture liderou a revolução haitiana que conquistou a libertação de dezenas de milhares de escravos negros da antiga colônia francesa no Haiti e abriu caminho...

Passeio pela mostra “Um defeito de cor”, inspirada no livro de Ana Maria Gonçalves

"Eu era muito diferente do que imaginava, e durante alguns dias me achei feia, como a sinhá sempre dizia que todos os pretos eram...

Com 10 exibições que abordam a luta antirracista, Mostra do Cinema Negro tem sessões a partir de 4 de abril em Presidente Prudente

O Serviço Social da Indústria (Sesi-SP) promove, entre os dias 4 de abril e 23 de maio, uma programação com dez filmes que celebram o cinema...
-+=