Para onde marcham as mulheres contra Trump?

O que uniu esta verdadeira multidão foi a vontade de afirmar que há, nos EUA e em todo o Mundo, uma maioria que não está disposta a aceitar tudo o que Trump é.

Por Mariana Mortágua Do Esquerda.Net

No último sábado, centenas de milhares de pessoas juntaram-se à Marcha das Mulheres em mais de 670 cidades de todo o Mundo. O que uniu esta verdadeira multidão foi a vontade ou, mais do que isso, a necessidade de afirmar que há, nos EUA e em todo o Mundo, uma maioria que não está disposta a aceitar tudo o que Trump é. Uma multidão que se recusa a ser indiferente à normalização do sexismo e do assédio, que rejeita o retrocesso homofóbico e que não aceita a política do racismo e da homofobia.

Esta não foi a primeira vez que um protesto convocado a partir dos movimentos de mulheres se transformou num evento de massas. Um dos mais simbólicos terá sido em 1789, quando milhares de mulheres marcharam sobre Versalhes, enfrentaram a guarda real, e obrigaram Luís XVI a abandonar o seu sumptuoso palácio e a regressar, à força, a Paris. Foi o princípio da Revolução Francesa e o princípio do fim da monarquia absolutista.

Esta comparação1 não tem apenas interesse histórico, mas deve servir para que possamos refletir sobre o mais difícil. E o mais difícil é o dia seguinte. O que virá depois destes protestos? O objetivo não será certamente que Trump ceda às justas reivindicações das massas. Pode ser, sim, despertar consciências, trazer mais gente para a rua. Mas, de novo, a questão se irá colocar: com que objetivo?

Para que estes protestos sejam mais que uma fugaz confluência de vontades e revoltas, como vimos no Occupy Wall Street, o objetivo só pode ser o poder. Para ser poder é preciso que o protesto se transforme em programa alternativo. E que o programa tenha protagonistas.

Bernie Sanders era, antes das eleições, o porta-voz deste programa, que não é apenas por direitos civis e liberdades individuais. Também é por igualdade económica e pela expulsão da Goldman Sachs dos conselhos de ministros, com tudo o que isso significa.

O Partido Democrático norte-americano nunca compreenderá esta evidência. É, aliás, mais provável que volte a retirar o tapete a estes movimentos. Caberá então aos que protestam encontrar o seu caminho de construção política alternativa, e garantir que a Marcha das Mulheres tem um destino concreto.

+ sobre o tema

Feministas indicam desafios para avanço das políticas para as mulheres

Em reunião com a ministra da Secretaria de Políticas...

Graciliana Selestino Wakanã: ‘O que a gente quer é viver bem’

Graciliana Selestino Wakanã, do povo Xucuru Kariri, fala sobre...

Vozes femininas disputam espaço na Rio+20

"Se alguém acha que somos invisíveis, está na hora...

Agressor de mulher terá que pagar gastos do INSS

Medida começará por Espírito Santo e Brasília, mas deve...

para lembrar

Homens e mulheres concordam: o preconceito de gênero interfere no salário

De 13 perguntas da pesquisa Mitos & Verdades, feita...

Mulher Negra Brasileira Um Retrato – Rebecca Reichmann

A opinião publica brasileira raramente reconhece ou critica os...

Diálogos Feministas: Análise de conjuntura e desafios para a defesa da democracia

Esta publicação traz uma síntese do debate realizado: uma...

Thorning-Schmidt é nomeada primeira-ministra da Dinamarca

A líder dos social-democratas dinamarqueses, Helle Thorning-Schmidt, foi oficialmente...
spot_imgspot_img

Brasil e EUA voltam a articular plano contra discriminação racial; veja como funciona o acordo entre os países

O Brasil e os Estados Unidos promoveram a primeira agenda entre congressistas e a sociedade civil desde a retomada do acordo de cooperação bilateral...

O atraso do atraso

A semana apenas começava, quando a boa-nova vinda do outro lado do Atlântico se espalhou. A França, em votação maiúscula no Parlamento (780 votos em...

‘Ficção Americana’, com Jeffrey Wright, é a grande surpresa do Oscar

"Ficção Americana" não é um título ao acaso. Ele trata, em forma de comédia, da crença que os Estados Unidos criou e dissemina de que se...
-+=