Passistas do Salgueiro idealizam roda de conversa sobre racismo e preconceitos

Aos 26 anos e com mais de duas décadas desfilando pelo Salgueiro, a passista Rafaela Dias teve a ideia de promover um debate sobre o racismo.

Do SRZD

Observando relatos de amigas sobre preconceito e a difícil superação do trauma, Rafaela, passista da Academia do Samba há 10 anos, contou ao SRZD Carnaval que idealizou uma roda de conversa, com o objetivo de promover discussões sobre as questões raciais e femininas dentro do universo carnavalesco e afins.

A ideia é que, no evento, aberto para o público, mulheres contem situações que já presenciaram ou passaram, e sirvam de lição e inspiração para outras pessoas. O projeto “Samba Pretinha” foi idealizado por Rafaela e duas amigas, também negras e passistas, Larissa Neves e Mirna Moreira. A primeira edição será na quadra da vermelha e branca, no dia 10 de maio, às 18h30.

Uma advogada estará presente para orientar as vítimas sobre como agir em situações de racismo e preconceito.

A quadra do Salgueiro fica na Rua Silva Teles, 104, no Andaraí.

Veja as temáticas que serão abordadas:

Hipersexualização e objetificação da mulher negra;
– Auto-estima da mulher negra x ser passista;
– Machismo nosso de todo dia;
– Racismo cotidiano;
– Formas de contornar situações;
– Formas legais de se defender do patriarcado branco;
– Encontramos os caminhos a partir das diferenças.

O evento também contará com o Afrofunk Rio, um coletivo cultural que reúne técnicas de dança, música, teatro, passando pelo samba, dança afro e funk. Além de aprender a dançar e se divertir, os participantes entram em contato com as raízes culturais locais e apreciam as perfomances que contam histórias mitológicas do Rio de Janeiro.

leia também: 

Passistas femininas: resistência e autoestima da mulher negra  

Deixar de ser racista, meu amor, não é comer uma mulata!

samba_pretinha_folder

Horário correto: 18h30

+ sobre o tema

Eventos promovem feminismo negro com rodas de samba e de conversa

"Empoderadas do Samba" ocupa espaço ainda prioritariamente masculino e...

Dandara: ficção ou realidade?

Vira e mexe, reacende a polêmica sobre a existência...

Michelle Obama está farta de ser chamada “mulher revoltada de raça negra”

“Uma mulher revoltada de raça negra”. Michelle Obama está...

A banalização da vida diante da cultura do abandono e da morte

O ano de 2017 expondo as vísceras da cultura...

para lembrar

Mortalidade materna de mulheres negras é o dobro da de brancas, mostra estudo da Saúde

Assim como outros indicadores de saúde, a mortalidade materna é...

Presidenta Dilma Rousseff recebe lideranças do Movimento Negro

Educação, saúde, democratização da comunicação e enfrentamento à violência...

O moinho do samba precisa da água dos novos compositores de calçada

Alcemir Gomes Basto, o Bandeira Brasil, afirmou em um...

Ilê Aiyê promove a Semana da Mãe Preta em homenagem à mulher negra

A Associação Cultural Ilê Aiyê promove a partir da...
spot_imgspot_img

Em autobiografia, Martinho da Vila relata histórias de vida e de música

"Martinho da Vila" é o título do livro autobiográfico de um dos mais versáteis artistas da cultura popular brasileira. Sambista, cantor, compositor, contador de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...
-+=