A PEC das Domésticas, os grilhões e as madames – Por Cidinha da Silva

As madames estão indômitas. Como diz o povo da minha terra em causas perdidas, seguidas de auto-flagelo dos protagonistas, estão rasgando o cu com a unha.

Por Cidinha da Silva

São 77 anos de organização sindical das trabalhadoras domésticas, iniciada por Laudelina de Campos Mello, em Santos, na busca de 34 direitos garantidos à maioria das demais categorias de trabalhadores. São 70 anos de atraso em relação às conquistas da CLT. São cerca de 8 milhões de domésticas em todo o país, incluindo adolescentes e crianças, destas, em torno de 6 milhões não têm carteira assinada e não ganham sequer um salário mínimo.

Entretanto, mesmo diante destes números, os jornais estão consternados com o “desamparo” das patroas e patrões, e se apressam em esmiuçar todos os direitos da classe patronal frente aos insuspeitos novos direitos como trabalhadoras (ironia da História) conquistados pelas domésticas. Qualquer semelhança aos debates prévios à extinção formal da escravatura não são mera coincidência.

Foi só no final dos anos 80 que a História Social da Escravidão começou a utilizar a expressão trabalho escravo para nominar a ação transformadora e de sustentação do país desenvolvida pelas pessoas escravizadas. Antes destes pesquisadores, a historiografia brasileira só falava em trabalho formal e organizado a partir do movimento operário das primeiras décadas do século XX.

O giro da roda num país racista sempre emperra nos privilégios da branquitude. A bola da vez é o trabalho doméstico que passa a ter direitos similares aos dos demais trabalhadores apenas no século XXI, e são ainda questionados. Eita pessoal ranheta, não larga o osso nem a poder de marreta!

Oxalá, caminhemos de um lado, para botar fim ao “você é quase da família”, e do outro, para extirpar do mapa o discurso passivo de trabalhadoras destituídas de tudo, o dolorido “meus patrões têm o coração tão bom, me tratam tão bem.” São faces da mesma moeda. A coroa passa açúcar (roupa usada, sobras de comida) na exploração das domésticas, compartilha de maneira simbólica e subalternizada o mundo que um salário ínfimo não pode comprar. A cara da moeda, privada do básico, até do direito ao trabalho para manter existência digna, tende a contentar-se ou iludir-se com o coração bom de mãos tiranas. O bom tratamento restringe-se à provável ausência de maus tratos sofridos em experiências anteriores ou narrados por familiares e colegas. Nada mais.

Se Oxalá não nos ouvir, no ritmo em que as coisas andam, daqui a pouco as trabalhadoras domésticas serão condenadas a indenizar as senhoras, se é que vocês me entendem.

+ sobre o tema

Velhas teses, novas estratégias

A constatação óbvia é repetida em certos veículos de...

A família, as lésbicas, a novela e o machismo evidente

Após superar o tabu do beijo entre homossexuais, a...

#PrimeiroAssédio: Mulheres compartilham no Twitter primeira vez que sofreram assédio

A estreia do programa MasterChef Júnior na última terça-feira...

para lembrar

Brasil é o 4º país que mais prende mulheres: 62% delas são negras

O sistema prisional brasileiro é um dos que mais...

What Happened, Miss Saldaña?

Nina Simone foi uma mulher única em todos os...

A cada 10 prefeitos eleitos no 1º turno, apenas 1 é mulher

Dos 5.506 candidatos que foram eleitos prefeitos no primeiro...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=