Peça O Duelo, com Camila Pitanga, lota teatro no Cena Contenporanea

 

 

Nahima Maciel,

A peça mais longa do Cena Contemporânea teve plateia lotada nas noites de sexta e sábado. Com três horas de duração e um intervalo de 15 minutos, O duelo é dinâmica e interativa. Apresentada no teatro Galpão, no Espaço Cultural Renato Russo, a montagem da Mundana Companhia de Teatro para o texto de Anton Tchekov envolve o público em todos os sentidos. A disposição física das cadeiras da plateia, em forma de arquibancada, aproxima o espectador dos atores, que em determinados momentos chegam a convidar as pessoas para participar das cenas.

Com Camila Pitanga, Aury Porto, Paschoal da Conceição, O duelo narra a história de um casal em vias de separação que acaba reconciliado graças a uma traição. “Me identifiquei com diversas coisas, especialmente com a parte em que se fala da soberba”, disse Lorane Souza, 19 anos, estudante de odontologia que assistiu a quatro espetáculos do Cena Contemporânea. “Duelo foi o que mais gostei.” O bancário Juarez de Maio Gonçalves, 35, se assustou quando descobriu a duração do espetáculo. “Achei que não fosse dar conta de ficar sentado durante três horas”, contou. “Mas perdi a noção do tempo, me envolvi com a peça, os atores te prendem e dão uma dinâmica. Tem peças de uma hora que me estressaram porque fica só um cara falando. Essa não.”

O elenco de Duelo fez uma homenagem discreta à atriz Dulcina de Moraes ao final da apresentação, quando o ator Fredy Állan, que interpreta um diácono, entregou um livro sobre a atriz ao personagem de Pascoal da Conceição, que parte em viagem para longe. Hoje, a partir de 12h, a Mundana faz intervenção na Faculdade Dulcina de Moraes, no Conic. Será a última de três ações realizadas durante o Cena Contemporânea. Quando os atores descobriram a situação da instituição e a recente intervenção do Governo do Distrito Federal, decidiram ocupar o local. Hoje, a intenção é chegar ao acervo da dama do teatro numa espécie de arqueologia da dramaturgia brasileira. “A gente soube que os estudantes se apropriaram do local. Isso é o teatro: se a gente não se apropriar, eles nunca vão dar o que devem para nós”, acredita Fredy Állan.

 

Fonte: Correio Braziliense

+ sobre o tema

Ronaldinho Gaúcho diz que viveu seus melhores anos no Barcelona

Em carta à torcida, Craque se mostrou emocionado ao...

Ilú Obá De Min convida para 6ª edição do Heranças Africanas

    Olá amigos e amigas do Ilú Obá De Min,...

Willow Smith tenta emplacar mais um hit com o single 21st Century Girl

Willow Smith tenta emplacar mais um hit. Depois do...

para lembrar

Velocista espanhola atribui ausência na seleção a racismo

A velocista Digna Luz Murillo qualificou como 'ato...

22-23 e 24 de Julho – Black na Cena Music: Public Enemy e George Clinton no Brasil

Public Enemy, George Clinton e o rapper Redman já...

Indicação de Luiz Alberto para criar Observatório da Copa 2014, contra o racismo, é aprovada

Requerimento que pede a criação do Observatório de Prevenção...

Cotas raciais na Copa

Brasil Confidencial No dia 3 de outubro, Salvador...
spot_imgspot_img

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o professor, sociólogo e cartunista carioca Bonifácio Rodrigues de Mattos, mais conhecido como Ykenga Mattos. Vítima...

Com 10 exibições que abordam a luta antirracista, Mostra do Cinema Negro tem sessões a partir de 4 de abril em Presidente Prudente

O Serviço Social da Indústria (Sesi-SP) promove, entre os dias 4 de abril e 23 de maio, uma programação com dez filmes que celebram o cinema...

A Sombra do Sonho de Clarice

O longa-metragem convidado para ser exibido no Lanterna Mágica no dia 21 de março foi O Sonho de Clarice, de Fernando Gutierrez e Guto...
-+=