Perverso pacto racial

Perverso pacto racial

O racismo é uma invenção branca voltada a naturalizar a exclusão, a subordinação e a exploração da população negra, assim como a legitimar a violência contra pretos e pardos, sem a qual a dominação branca não subsistiria.

O racismo está presente em todas as esferas da vida brasileira. Ele reforça e aprofunda a persistente desigualdade política, econômica e social. O racismo basicamente exclui os negros da esfera política e conspira para sua subordinação e exploração no âmbito econômico, assim como estabelece hierarquias e discriminação na vida privada, nas relações pessoais e mesmo afetivas. Nada escapa a essa ideologia difusa, intricada, mas sempre cruel do racismo.​

As últimas semanas foram pródigas em expor a violência e a discriminação impostas contidamente a pessoas pelo simples fato de serem negras ou professarem uma religião de origem africana. Como salienta Flávia Oliveira, “o racismo não dá trégua”.

A resistência heroica de Dandara e Zumbi de Palmares, passando por Tereza de Benguela, Luís Gama, André Rebouças, José do Patrocínio, Laudelina de Campos Mello, Carolina de Jesus e Abdias do Nascimento, chegando a Marielle Franco, são a demonstração de que o povo negro jamais abdicou de denunciar as injustiças e lutar pela igualdade.

Essas lutas do povo negro levaram ao fim da escravidão e promoveram inúmeros avanços, alguns deles expressos na Constituição de 1988 e em políticas afirmativas e antidiscriminatórias colocadas em prática nas últimas décadas.

Em face das fragilidades e insuficiências, essas políticas não têm sido capazes de promover uma verdadeira igualdade jurídica ou de oportunidades, muito menos colocar abaixo essa densa e intrincada estrutura de dominação branca, sedimentada ao longo de séculos. Negros continuam tendo menos acesso a educação, saúde, moradia, saneamento e cultura. Aos negros são negadas as mesmas oportunidades de emprego e de crédito, o que consequentemente torna a renda dos negros mais baixa que a dos brancos.

Jovens negros estão submetidos a um verdadeiro extermínio em nossas periferias sociais, sendo objeto preferencial do arbítrio e da violência do Estado. Essa violência sistemática e deliberada contra a população negra e pobre tem por objetivo assegurar a manutenção de uma sociedade hierarquizada e desigual.

Com a ascensão de um governo hostil aos direitos humanos, a crueldade do racismo estrutural brasileiro ficou ainda mais explícita. É imperativo que pessoas brancas que repudiam o racismo juntem seus esforços aos do movimento negro na luta contra a desigualdade, a violência e a injustiça. Como sempre lembra Sueli Carneiro: “Embora beneficiários desse nefasto pacto racial brasileiro, brancos antirracistas precisam demonstrar que não são seus signatários” e que não reproduzem suas práticas.

Neste momento, não basta ser contrário ao racismo. É preciso fazer mais. É imperativo colocar o enfrentamento do racismo no centro da vida política brasileira; defender e fortalecer políticas afirmativas; alterar práticas corporativas; reformar as agências de aplicação da lei e reprimir juridicamente condutas discriminatórias e racistas que permeiam as nossas relações cotidianas.

Sem enfrentar o racismo, jamais superaremos a desigualdade econômica, a marginalização social, a opressão e a violência. Sem derrotar o racismo, jamais nos humanizaremos como nação. O protagonismo do movimento negro não exime brancos antirracistas da responsabilidade de participar dessa luta.

Como alerta o manifesto da Coalizão Negra por Direitos: “Com racismo não há democracia”. Perverso pacto racial.

+ sobre o tema

Voto feminino faz 92 anos; ação de ativista alagoana marca luta

Homens observam uma mulher diante da urna. Ela, vestida...

Como as escolas de samba nos ensinam sobre ancestralidade

Desde que foram criadas, escolas de samba têm sido...

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente...

para lembrar

spot_imgspot_img

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...

Perfeição do racismo brasileiro transforma algoz em vítima

O racismo é um crime perfeito. É com essa frase que o antropólogo Kabanguele Munanga, uma das maiores autoridades do Brasil em estudos raciais, define...
-+=