Plano de Aula – A travessia do Atlântico: o trafico de escravos

iStockphoto

UBERLANDIA – MG Universidade Federal de Uberlândia

Estrutura  Curricular
MODALIDADE / NÍVEL DE ENSINO COMPONENTE CURRICULAR TEMA
Ensino Fundamental Inicial História Organizações e lutas de grupos sociais e étnicos
Dados da Aula
O que o aluno poderá aprender com esta aula

Compreender a diversidade étnica, cultural e regional dos escravos capturados pelos traficantes europeus no continente africano.

Analisar as precárias condições da travessia do Atlântico nos navios negreiros, pelos escravos africanos.
Identificar formas de luta e de resistência dos trabalhadores africanos ao sistema escravista no Brasil.

Duração das atividades
03 aulas de 50 minutos
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno

Fundamentos da colonização portuguesa no Brasil.

Estratégias e recursos da aula

Aula 1

I- Iniciar a aula discutindo a diversidade étnica, cultural e regional dos escravos capturados pelos traficantes no continente africano

Atividades propostas:

1- Observar atentamente a imagem abaixo, descrevendo-a em detalhes.

Jean Baptiste Debret, Différentes Nations Nègres (1835). Fonte: http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_iconografia/icon393053v2i36.jpg

2– Relacionar a descrição feita na questão 1 com o título-tema da obra de Debret. Será possível observar que o autor ressalta as diferenças étnicas entre os africanos a partir dos adereços, cortes de cabelos, marcas tribais, etc.
3– Registrar as conclusões no caderno e, em seguida, socializá-las com os colegas e com o professor.

Professor, aprofunde a reflexão com os alunos discutindo de forma mais abrangente a diversidade cultural, política e econômica dos povos africanos à época em que ocorreu o tráfico de escravos para o continente americano. O objetivo é mostrar que os escravos capturados na África possuíam culturas diversas e vinham de diferentes regiões do continente africano. Portanto, possuíam diferentes costumes, tradições, línguas, crenças, etc.

Aula 2

II- Debate: As precárias condições da travessia do Atlântico nos navios negreiros e o regime de escravidão no Brasil

A partir da discussão feita na aula 1, propor aos alunos uma reflexão sobre as condições enfrentadas por homens, mulheres e crianças capturados na África e embarcados à força nos navios negreiros. Para tanto, propor a projeção do vídeo “A abolição: parte I”. Disponível no portal do professor: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnica.html?id=10013

A abolição: parte I

O vídeo possibilita a introdução de uma discussão a respeito das seguintes temáticas relacionadas ao tema da aula:

A- As condições de transporte dos escravos africanos para a América nos navios negreiros.
B– O tráfico interprovincial no Brasil, após a proibição legal do tráfico de escravos africanos pela lei Eusébio de Queirós, de 1850.
C– Condições de vida e trabalho dos escravos no Brasil.
D– Formas de luta e de resistência dos escravos.

Atividades propostas:

1- Promover um debate sobre as idéias centrais discutidas no vídeo e solicitar aos alunos que anotem as suas conclusões no caderno.
2- Solicitar aos alunos que procurem informações que expliquem por que os navios negreiros eram chamados de tumbeiros.

Aula 3

Produção de maquete de um navio negreiro

Como culminância das atividades desta aula, propor aos alunos a produção de maquete de um navio negreiro

Orientações:
1- Inicialmente o professor poderá motivar os alunos para a atividade a partir da projeção do vídeo “Maquetes que Ensinam a História”, no qual são exibidas maquetes produzidas por bolsistas do NEP (Núcleo de Estudos do Patrimônio e Memória) da UFSM, entre elas a de um navio negreiro. O vídeo está disponível no link http://www.youtube.com/watch?v=uP16xPt 7v-E  Acess o em 17/09/09.

2-

Maquete de um navio negreiro. Imagens extraídas de:http://w3.ufsm.br/prograd/downloads/Construindo%20Maquetes.pdf. Projeto “Construindo Maquetes: Um Suporte Lúdico Para o Ensino da História”, desenvolvido pelo Núcleo de Estudos do Patrimônio e Memória (NEP – UFSM).

3- A partir das consultas realizadas, os alunos devem definir o tipo de material que será utilizado para fazer o navio e suas dependências e também o material que será utilizado para fazer as pessoas.
4– Usar a criatividade e os conhecimentos adquiridos na aula para a construção da maquete.

Atenção, professor!

Os alunos poderão buscar também a orientação do professor de Geografia para as questões relacionadas às noções de escala e proporcionalidade e do professor de Artes para a definição e preparação do material a ser utilizado na construção da maquete.

Recursos Educacionais
NOME TIPO
A abolição: parte I Vídeo
Recursos Complementares

Professor, enriqueça a sua aula introdutória orientando os alunos a reunirem dados sobre a vida e a obra de Jean Baptiste Debret (1768-1848). Os alunos podem iniciar esta atividade consultando o seguinte endereço: http://www.klickeducacao.com.br/2006/conteudo/pagina/0,6313,POR-694-7213-,00.html

Para um aprofundamento da discussão relativa à diversidade étnica, cultural e regional dos escravos capturados pelos traficantes no continente africano e das condições da viagem nos navios negreiros, acesse:

Navio Negreiro

Avaliação

Tendo como princípio que a ação avaliativa deve permear toda a prática pedagógica do professor dando-lhe constantemente elementos que lhe possibilitem auxiliar o estudante no seu desenvolvimento, o professor poderá avaliar os alunos a cada etapa do trabalho por meio das atividades desenvolvidas na aula, como a interpretação e debate das idéias centrais dos recursos utilizados (imagem e vídeo), e também a partir do processo de produção de maquete de um navio negreiro.

Fonte: Portal do Professor

+ sobre o tema

Plano de aula: Consciência Negra II

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. PUC- rioCurso:...

Diversidade cultural: uma proposta de disseminação da cultura afro no contexto escolar

PROJETO ESCOLA & UNIVERSIDADE 1.INTRODUÇÃO O projeto "Diversidade cultural: uma proposta...

Plano de Aula – Identidade negra e racismo

Valorizar a identidade negra e combater ações de discriminação...

para lembrar

Primeiras viagens negreiras

Um breve resumo do tráfico transatlântico de escravos –Parte...

Luíz Gama

Luís Gonzaga Pinto da Gama (Salvador, 21 de junho...

Abolição da escravidão: a igualdade que não veio

Negros na colheita de café no fim do século...

Fotografias, lugares e falsos conceitos sobre a questão da escravidão no Brasil

É lugar-comum pensar na Abolição da Escravatura no Brasil...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Contar aquilo que deixaram de nos contar

Eu espero que este seja mais um entre inúmeros textos que tenham por objetivo repercutir o brilhantismo do recém-lançado Projeto Querino, uma das mais impressionantes...

Historiador desvenda origem de povo escravizado na mineração de ouro e diamante no Brasil

Um historiador brasileiro desvendou a origem histórica dos courás, um dos povos mais singulares e enigmáticos da escravidão. Também conhecidos como couranos, eles foram...
-+=