Plenária aberta inicia mobilização da capital paulista para a Marcha das Mulheres Negras 2015

África liberta em tuas trincheiras! Quantas anônimas guerreiras brasileiras!”diz a música que faz trilha sonora ao vídeo de convocação para a Marcha. O processo de planejamento para a Marcha Nacional das Mulheres Negras 2015, programada para o dia 18 de novembro, em Brasília, já começou em São Paulo! Neste sábado, 17 de janeiro, acontece uma plenária aberta que marca o início da organização das mulheres paulistas rumo à capital do Brasil, em nome do bem viver, contra o racismo e a violência.

No Nós Mulheres da Periferia

A Marcha foi idealizada em Salvador, Bahia, durante o Encontro Ibero Americano do Ano dos Afrodescendentes, em 2011. A intenção é reunir o máximo de organizações de mulheres negras, outras frentes do Movimento Negro e organizações de mulheres não negras que apoiem a equidade sócio-racial e de gênero.

“Convocamos todas as forças do movimento de mulheres negras do Estado de São Paulo, partidos, sindicatos e centrais sindicais, ONGs, movimentos religiosos, movimentos populares, organizações estudantis de mulheres e de juventude para juntos construirmos a Marcha das Mulheres Negras 2015, momento importante da luta por um Brasil com soberania, com desenvolvimento social e econômico, sem racismo, discriminação, lesbofobia, machismo e intolerância religiosa” diz o manifesto estadual da marcha, que apresenta os motivos que levarão as mulheres negras para as ruas novamente, vinte anos depois da histórica Marcha Zumbi dos Palmares – contra o Racismo, pela Igualdade e a Vida, realizada em 20 de novembro de 1995, com a participação de 30 mil pessoas.

Luiza Mahim, chefa de negro livres. E a preta Zeferina, exemplo de Heroína. Aqualtune de Palmares, soberana quilombola. E Felipa do Pará. Negra Ginga de Angola. África liberta em tuas trincheiras, quantas anônimas guerreiras brasileiras!”

+ sobre o tema

Tons do Outubro Rosa

Os lados A e B da campanha de conscientização...

Teu corpo não é estranho

Eu nunca vi um corpo como o meu na...

para lembrar

Sobre ser mulher, negra e a importância de formular política

Há alguns dias, fui convidada por algumas companheiras a...

O batom vermelho e o empoderamento

Esse texto foi produzido ano passado logo após o...

Após segurança reclamar, mulheres fazem ‘mamaço’ em shopping de SC

Mãe foi abordada por funcionário enquanto amamentava filha em...

O grito feminista ressoa no México

Manifestações dos últimos dias constatam o auge das mobilizações...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=