sábado, novembro 27, 2021

Sou neguinha e daí

Neguinha, sempre quando a minha irmã mais velha, que se considera branca, se dirigia a mim quando éramos crianças, era desta forma que ela me chamava – “vem cá sua neguinha”. Ofensa, hostilizada, era desta forma que ela costumava brigar comigo. Para mim, a mais preta da minha casa, soava como ofensivo, me sentia muito mal e chorava muito, pois era a única com a cútis mais escura.

Por Dih Nizinga Do Nos mulheres da periferia

Minha mãe sempre nos dizia que eu não era neguinha, e sim moreninha, e fazia com que “neguinha” se tornasse ainda mais ofensivo para mim. Até que um dia eu decidi, nunca mais ninguém irá me chamar de neguinha. Com essa decisão, comecei a negar a minha raça. Quando a minha irmã mais velha gritava comigo me chamando de neguinha, me defendia como se isso fosse um xingamento e revidava.

Até que um dia comecei a ver que ser negra não era ruim, como me diziam, e o tomei a decisão mais importante da minha vida. Pouco me importa o que a minha irmã diz, o que me importa é ser quem eu sou: Negra. Desde então, assumi a minha cor e comecei a me orgulhar disso – sou Neguinha.

E hoje, a minha irmã me respeita e já não me chama de neguinha como se fosse uma forma ofensiva e sim carinhosa. Acredito que ela também tenha aceitado que é filha de negra, por mais que tenha a pele clara, também é negra ou afrodescendente.

Não importa mais a cor da pele e sim nossas raízes e isso deixo bem evidente para meus filhos e meus sobrinhos, filhos desta minha irmã, que, aliás, não tem os mesmos defeitos, ou talvez a mesma psicose que tínhamos quando criança.

Nós mulheres negras somos obrigadas desde criança a negar a nossa origem e aprendermos a nos comportar como brancas, quando é evidente, pela nossa melanina, traços fortes, cabelos enrolados, olhos castanhos ou pretos, traços de negra e não de branca, ou, ainda pior, moreninha, como a sociedade racista impõe.

Hoje sabemos a nossa origem e não sofremos mais uma psicose do distúrbio de identidade em que somos impostas. Sou Neguinha, e daí?!

Dih Nzinga (Edilene Nascimento), 33 anos. Mora na zona sul de São Paulo, no bairro Chácara Santo Amaro, na região do Grajaú. Estuda Relações Públicas.

RELATED ARTICLES