“Por favor, me dá um beijo”: Formas de sentir vergonha alheia no Carnaval

Detesto sentir vergonha alheia.

Foto: Flávio Florido

por Leonardo Sakamoto no Blog

Aquela vontade de cobrir o rosto e se esconder ao ver outro ser humano se afundando copiosamente e alegremente na lama e, impotente, não poder fazer nada para poder ajudá-lo.

Dar um toque talvez? O problema é que consciência é algo que pode até ser fomentado com informação, mas se desenvolve só, via reflexão pessoal.

Prefiro eu mesmo passar uma vergonha do que sentir vergonha alheia por conta do que esse sentimento patético em loop provoca.

Por exemplo, uma cena recorrente que presencio no carnaval é uma sequência de nãos seguida de um pedido “por favor, me dá um beijo”, normalmente com um sujeito que vai pegando no corpo da outra pessoa sem autorização.

Dignidade? Ninguém sabe, ninguém viu. Sabe o fundo do poço? Pois bem, lá tem um alçapão onde esse pessoal consegue ir aonde nenhum homem jamais esteve.

O debate público sobre o machismo nosso de cada diz esquentou no ano passado. Há mais gente empoderada e disposta a não deixar barato esse assédio sexual, inclusive chamando a polícia para por fim ao barato dos cretinos que acham que o corpo alheio é patrimônio público.

O problema é que a vergonha alheia não tem limites.

“Quem está aqui sozinha é porque quer isso.”

“A culpa não é minha, olha como você tá vestida!”

“Se saiu de casa assim, é porque está pedindo.”

“Me dá um beijo que eu te solto”

“Mas é carnaval, vadia!”

O sujeito aprendeu com amigos e família, viu na televisão, ouviu do chefe, que este é um momento em que as regras de convivência estão suspensas e todos querem sexo. Quando rejeitados, expressam toda a sua perplexidade em bordões.

Rapaz, uma dica: se os seus amigos te chamarem de “frouxo” por você não tratar as outras mulheres, cis ou trans, como carne em açougue, sinta vergonha alheia por eles. “Frouxo” é quem precisa da chancela da opinião de outra pessoa para poder ser feliz.

+ sobre o tema

Teoria que não se diz teoria

A separação entre teoria e prática é um histórico...

‘Perdemos cada vez mais meninas e jovens’, diz pesquisadora

Jackeline Romio participou da Nairóbi Summit e aponta os...

Sou mulher. Suburbana. Mas ainda tô na vantagem: sou branca

Ontem ouvi algo que me cativou a escrever sobre...

Por um feminismo de baderna, ira e alarde

Neste 8M, ocuparemos politicamente as ruas e as nossas...

para lembrar

27 ideias de tatuagens feministas

Que tal eternizar na pele seus ideais de luta...

Vereadores de SP aprovam lei que permite presença de doulas em hospitais e maternidades da cidade

Vereadores de São Paulo aprovaram na última quarta-feira (7)...

Ato na USP cobra ação de diretor sobre ‘ranking sexual’ em Piracicaba

Grupo se reuniu em frente à diretoria da universidade...
spot_imgspot_img

Milton Nascimento será homenageado pela Portela no carnaval de 2025

A Portela, uma das mais tradicionais escolas de samba do país, vai homenagear o cantor e compositor Milton Nascimento no carnaval de 2025. A...

Sonia Guimarães, a primeira mulher negra doutora em Física no Brasil: ‘é tudo ainda muito branco e masculino’

Sonia Guimarães subverte alguns estereótipos de cientistas que vêm à mente. Perfis sisudos e discretos à la Albert Einstein e Nicola Tesla dão espaço...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...
-+=