Por que a foto deste garoto negro com um boneco de Star Wars foi censurada no Facebook. Por Cidinha da Silva

Matias Melquíades é um garoto lindo, criativo e espoleta. Os pais se dedicam a realizar o sonho de crianças como ele, e também outras, diferentes de todos os modos, mas que têm em comum o desejo de brincar. São construtores de brinquedos e incentivadores de brincadeiras, os pais do garoto.

Matias Melquíades e Finn, o heroi negro de “Star Wars”. Foto: Reprodução?DCM

Do DCM 

Eles mesmos, os pais, dois jovens suburbanos cariocas, devem ter brincado muito. De bola, futebol e queimada, tênis e peteca nas ruas de terra. Carrinho de rolimã e patinete. Devem ter experimentado brincadeiras de correr. Damas, jogo da velha, quem sabe xadrez? Talvez futebol de botão em campinho de madeira e pregos (os jogadores fixos), como o que meu pai construía para mim e para meus irmãos.

Se tiverem tido quintal com árvores frutíferas e não tiverem morado em caixotinhos, como a maioria de nós, expulsos das áreas melhores pela gentrificação das cidades, devem ter criado animais com as frutas que caíam das árvores do pomar de casa, mangas, maracujás, laranjas, limões e chuchu, que não era fruta, mas também entraria na farra. Devem ter feito patas com palitos de fósforo. Olhos nariz, boca, rabos e chifres torneados com faca pequena de cozinha, sem ponta. E mais massinha, brinquedos de montar, lápis de colorir e quebra-cabeças.

Imagino que Matias também deva brincar com tudo isso. Ele não tem a mais vaga ideia do que seja Star Wars, o filme, a série, os desenhos, mas os pais acharam importante dar-lhe de presente um bonequinho de 30 centímetros do Finn, personagem negro da edição mais recente nos cinemas.

Ao contrário do pessoal fanático pela série que deixou o bonequinho negro encalhado nas prateleiras das lojas de brinquedos no final do ano, os pais, que nem são grandes fãs do Star Wars, adquiriram um boneco do Finn porque ele é negro como o Matias. E representatividade é um componente importante para a formação daquela pessoinha de 5 anos.

Todo prosa, Matias foi fotografado junto com Finn e postado no Facebook. A foto viralizou e, para surpresa dos pais-coruja foi denunciada e suspensa por nudez. Sim, nudez! Olha que povo paranoicamente racista? Do Matias só vemos o peito, guardadinho numa camiseta e o rosto feliz. E o Finn, coitado, além de vestido com calça, jaqueta e botas, como saiu da loja, ainda estava dentro da embalagem.

Leia Também: Star Wars – E o boneco do Finn que ninguém compra?

Não é mole, não! Se as crianças brancas e seus pais, mesmo considerando Finn, o segundo personagem mais legal do filme, segundo levantamentos de satisfação de público, não quiseram comprar o boneco, não gostaram dele a ponto de consumir um boneco negro, tudo bem. Ninguém pode ser obrigado a comprar um produto ou punido por não fazê-lo, embora as pessoas possam ser educadas para compreender essa rejeição, ao invés de jogá-la no limbo da irrelevância. Mas, denunciar a imagem do garoto e seu brinquedo por nudez, para que o sistema burro de Zuckerberg a exclua, até que as pessoas que postaram a foto reclamem e consigam reativá-la depois de “criteriosa análise”, é a mais impura perseguição racista.

E não se trata de uma atitude inofensiva. A pessoa que fez essa denúncia falsa deveria ser investigada por quem monitora manifestações racistas na internet, pois é factível que ela integre algum grupo especializado em ataques racistas no cyberespaço. Se esse tipo de caso é tomado apenas como algo feito por alguém ignorante, abre-se uma grande avenida para a institucionalização das práticas racistas na Web.

+ sobre o tema

Bolsonarismo ataca democracia de todas as formas

O risco democrático que o bolsonarismo representa não se...

Abolicionismo do século 21

Por: Edson França Completamos no dia 13 de...

O que pensa o ministro Arthur Chioro sobre a saúde da mulher – por: Fátima Oliveira

Preocupada com o silêncio sepulcral do novo ministro da...

Hélio Santos rebate artigo de Serra sobre raça

Fonte: Folha de São Paulo – Painel do leitor...

para lembrar

Clientes e garçons ficam solidários com ex-ministra durante ataque de mulher fascista

A ex-ministra Eleonora Menicucci, ex-ministra da Secretaria de Políticas...

O pai tem nojo e vergonha do rapaz. E ele chora.

por Arísia Barros O rapaz tem 23 anos e...

Beyoncé canta Tina Turner em espetáculo futurista da nova turnê ‘Renaissance’

Numa performance brilhante, Beyoncé fez o primeiro de seus cinco shows...

Centro-direita vence eleição europeia

Em pleito para o Parlamento Europeu, socialistas perdem tanto...

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim como Lélia Gonzalez e Sueli Carneiro, autora importante para entendermos o Brasil de hoje e...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

“O Retorno” | Atlânticos em transe sob a lua de Luanda, por Cidinha da Silva. Ep.6

Minha irmã, tu não conhecerias Luanda se não tivesses passado pela corrupção institucional, te faltaria um pedaço importante de percepção desta terra de mártires...
-+=