Por que Harvard está sendo acusada de favorecer estudantes brancos

Enviado por / FonteBBC, por Sam Cabral

A antiga e polêmica prática da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, de favorecer a admissão de candidatos que tenham laços familiares com a instituição está enfrentando agora uma ação na Justiça.

As chamadas legacy admissions — algo como “admissões por legado” — facilitam o ingresso de alunos cujos pais ou parentes tenham estudado em Harvard ou tenham doado dinheiro à instituição.

Os beneficiados são na maioria americanos brancos, uma vez que a maior parte das universidades de elite dos EUA só começou a admitir estudantes de grupos minoritários há uma geração.

Por isso, as admissões por legado são há muito tempo vistas como uma vantagem para os brancos e ricos.

Uma organização da sociedade civil acionou a Justiça nesta segunda-feira (03/07) pedindo que o governo impeça a continuidade desse tipo de admissão.

A ação foi apresentada poucos dias depois que a Suprema Corte americana decidiu que Harvard e outras universidades dos EUA não podem mais considerar a raça como um fator-chave nas admissões – por exemplo, com ações afirmativas para negros e latinos.

Em uma decisão histórica na quinta-feira (29/06), a mais alta corte do país votou por 6 a 3 para revogar as ações afirmativas, uma medida que já existe há décadas no país.

Estimulada pela decisão da semana passada, a Lawyers for Civil Rights (LCR) — uma organização sem fins lucrativos com sede em Boston — apresentou uma queixa na Justiça federal contra Harvard.

A LCR argumenta que a universidade concede “preferência especial em seu processo de admissão a centenas de estudantes em sua maioria brancos — não por qualquer coisa que eles tenham realizado, mas apenas por quem são seus parentes”.

A organização defende que a política de legacy admissions viola um artigo da Lei dos Direitos Civis e aponta para dados do National Bureau of Economic Research (NBER; Instituto Nacional de Pesquisas Econômicas, em tradução livre).

Eles mostram que quase 70% dos candidatos admitidos por “legado” são brancos e que esses alunos têm seis a sete vezes mais chances de serem admitidos em Harvard do que os que não se candidatam através dessa categoria.

O estudo do NBER acrescenta que, do total que novos estudantes brancos da universidade, mais de 43% entraram por admissões de legado; por fazerem parte da lista de interesse do reitor; por serem atletas ou filhos de professores e funcionários.

Harvard não quis se posicionar sobre o caso.

Apresentada em nome de três grupos que representam comunidades negras e latinas na região de New England, a ação pede que o Departamento de Educação do país investigue as admissões por legado de Harvard, considere-as ilegais e ordene que a universidade acabe com a prática se quiser continuar recebendo verbas federais.

“Não há direito de nascença em Harvard”, disse o diretor executivo da LCR, Ivan Espinoza-Madrigal, em um comunicado.

“Como a Suprema Corte observou recentemente, ‘eliminar a discriminação racial significa eliminar tudo isso’.”

Ele acrescentou: “Por que estamos recompensando os jovens por privilégios e vantagens acumulados por gerações anteriores? O sobrenome de sua família e o tamanho de sua conta bancária não são uma medida de mérito e não devem ter influência no processo de admissão na faculdade.”

A congressista Barbara Lee concordou. A democrata da Califórnia escreveu no Twitter: “Sejamos claros: a ação afirmativa ainda existe para os brancos. Chama-se admissão por legado.”

Harvard se recusou a comentar a ação apresentada nesta segunda-feira, mas direcionou à BBC sua resposta na semana passada, relativa à decisão da Suprema Corte.

No comunicado de quinta-feira passada, a universidade disse que continuaria a receber “pessoas de muitas origens, perspectivas e experiências”.

As admissões por legado já foram proibidas em instituições como a Universidade da Califórnia e todas as universidades públicas do Colorado.

Entretanto, esse tipo de admissão ainda responde por quase um quarto dos novos alunos em algumas das melhores universidades — as quais argumentam que a iniciativa constrói uma forte comunidade de ex-alunos e uma base de doadores.

+ sobre o tema

para lembrar

Harvard elege Rihanna como a humanitária do ano

Deu no New York Times. Rihanna não levou nenhum...

Morte de jovem negro no Missouri reaviva discussão sobre racismo nos EUA

A pequena cidade de Ferguson, no Missouri (centro dos...

Obama se despede no Twitter e anuncia fundação

Barack Obama se despediu da presidência dos Estados Unidos...

Pesquisa nos EUA mostra que gerente branco cobra juros maiores de minorias raciais

Nos Estados Unidos, um gerente branco oferece um empréstimo...
spot_imgspot_img

Mercado imobiliário dos EUA revela piora na desigualdade racial em uma década; entenda

Sharan White-Jenkins é uma mulher negra, proprietária de um imóvel no Queens, na cidade de Nova York. Seus avós também eram donos da própria casa,...

SISU: selecionados têm até quarta-feira para fazer matrícula

Estudantes selecionados na primeira chamada do processo seletivo de 2024 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) têm até quarta-feira (7) para fazer a matrícula...

Google celebra James Baldwin, escritor e ativista dos direitos civis

O Google está prestando uma homenagem a James Baldwin, renomado escritor e ativista dos direitos civis americanos, conhecido por suas obras literárias que abordam temas...
-+=