Precisamos de doses cavalares de discernimento

O país está em suspense por conta de nossa conturbada situação política, gerada principalmente, não só, mas principalmente pela movimentação nas estruturas antes pensadas imovíveis de nossa sociedade.

Por Mônica Francisco Do Jornal do Brasil

Claro que não só há um motivo. Os motivos são muitos, sim, todos temos essa clareza. Mesmo que muitos não os saibam, pelo menos no que se refere a esse motivo, termos clareza quanto a isso. Já é um bom caminho.

Não podemos ignorar a verdadeira guerra que travaremos ainda por muito tempo, para mudar o padrão mental calcificado de parte da nossa nação, o pensamento naturalizado ao longo dos séculos, da inferioridade da outra parte, maioria devidamente mensurada da população, e sua condição aceita quase que religiosamente por essa mesma parcela da população, criando uma sociedade extremamente anômala.

Uma pátria onde um genocídio é cometido a cada ano, e como na canção de Renato Russo e sua Legião Urbana, com letra dita de maneira direta e crua, comemoramos como idiotas a cada fevereiro e feriado.

Nos falta discernimento. Discernimento tivéssemos, aqui não estaríamos ainda hoje, na segunda década dos 2000, vivendo o tão sonhado e fantasiado século XXI, discutindo a ameaça de perda de direitos fundamentais, a obscenidade de se amarrar crianças em postes em nome da justiça e da liberdade de ir e vir.

Não estaríamos aqui, sendo humilhadas como mulheres ao vermos as nossas irmãs sendo privadas da companhia de seus filhos por todo um arremedo de resto de vida, como ocorre com as Marias das favelas e periferias de nosso Brasil.

Discernimento tivéssemos,  não teríamos a maior de todas as demonstrações de misoginia veiculada diariamente em todas as mídias dita oficiais.

Parece que discernimento, quem está mostrando mesmo são aqueles que ainda não tiveram ainda nem contato com o ciso.

Aqueles as que ocuparam estabelecimentos de ensino público e estão dando aula de cooperação, amor pelo coletivo,  respeito por aqueles que os instruem e respeito pela coisa pública.

É, para além de tudo, precisados estamos de doses cavalares de discernimento.

+ sobre o tema

Geledés repudia decisão da Câmara sobre aborto

Geledés – Instituto da Mulher Negra vem a público...

Mulheres vão às ruas contra PL que equipara aborto a homicídio; confira locais dos atos

Mulheres vão às ruas de diversas partes do país...

Taxação dos super-ricos tem que ser encarada de frente, diz Neca Setubal

Maria Alice Setubal diz que não saiu ilesa daquele 2014....

Salário menor na advocacia é mais frequente entre mulheres e negros

A proporção de advogados na menor faixa salarial da...

para lembrar

Escola pública vira alojamento de escravos em São Paulo

Fonte: Blog do Sakamoto-   Essa entra para...

Chave que abre

Por: Fernanda Pompeu A técnica tem função central em...

Reforma política: a democratização do poder

Nos próximos meses serão coletadas assinaturas para...

Um jornalismo que respeite Martinho da Vila

Começo essa coluna dizendo que sou jornalista. Claro, talvez...

Insegurança alimentar na infância afeta desenvolvimento socioeconômico do país

Com os R$ 150 que sobram após pagar as contas, Brenda Ketlin, 24, consegue comprar pão, arroz e feijão. Essa se tornou a base...

Lei que implantou escola cívico-militar em SP fere modelo educacional previsto na Constituição, diz PFDC

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão do Ministério Público Federal (MPF), alerta que a lei do estado de São Paulo que...

Ação enviada ao STF pede inconstitucionalidade de escolas cívico-militares em SP

Promotores e defensores públicos encaminharam ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira (5) um pedido para tornar inconstitucional a lei estadual que criou as...
-+=