Prêmio Mulheres Negras Contam sua História terá novas edições

A continuidade da ação foi anunciada pela ministra de Políticas para as Mulheres durante solenidade de premiação das autoras dos dez textos premiados. Menicucci também declarou que a publicação de todos os textos que concorreram à premiação será lançada até o final deste ano

 

“Esse é o primeiro de uma série de editais que lançaremos porque a abordagem racial transpassa todas as ações da SPM”. Foi o que declarou a ministra Eleonora Menicucci (Políticas para as Mulheres), na manhã de hoje (23), durante a solenidade de entrega do Prêmio Mulheres Negras Contam sua História. As cinco melhores redações foram contempladas com R$ 5 mil e os cinco ensaios selecionados, com R$ 10 mil. Cada uma das categorias teve dois textos contemplados com menção honrosa. A publicação de todos os textos que concorreram à premiação será lançada até o final deste ano.

“Não se conta a história do Brasil, sem contar a história de luta das mulheres negras. E a sociedade que convive com o preconceito não é democrática, porque as sociedades democráticas convivem com as diversidades em todas as suas dimensões”, aairmou Menicucci.

Para a Ministra de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros, que dividiu a condução do ato com Menicucci, o prêmio ganha importância ao permitir maior visibilidade às mulheres negras. “Reforça em mim a resistência em falar das mulheres negras como vítimas da maioria das desvantagens sociais e como parte de um setor oprimido da sociedade brasileira. A leitura dos textos ajudou, sim, a percebê-las de um lugar de resistência”, declarou Bairros.

Creuza Maria de Oliveira sabe bem o significado da fala da ministra Luiza Bairros. Vencedora na categoria redação com o texto intitulado “Minha luta é para ver tornar-se real o sonho do trabalho doméstico”, ela contou sua trajetória desde a mudança do interior da Bahia para tentar a vida em Salvador, até os dias atuais, culminando com a conquista da PEC das Domésticas, na condição de presidente da Fenatrad – Federação Nacional de Trabalhadores Domésticos.

Na categoria ‘Redação’, também foram vencedoras: Marisol Adelaide Correa, com “Do luto à luta: a história de três continentes marcados pelo racismo”; Raquel Trindade de Souza, com “Minha infância”; Glória Maria Gomes Chagas Sebaje, com “O bulling e a criança negra na escola pública, até quando?; Eliana Aparecida da Silva Pinto, com o texto “O direito ao narcisismo”.

Na categoria ‘Ensaio’ Conquistaram o prêmio: Claudenir de Souza, com “Trabalho doméstico”; Claudia Marques de Oliveira, com “O risco de ser mulher negra: entre a razão e a emoção”; Doris Regina Barros da Silva, com “Teias da memória e fios da história: laços e entrelaços”; Patrícia Lima Ferreira Santa Rosa, com “Universidade pública: sonho, direito ou pretensão?”; e Tássia do Nascimento, com “Vozes-mulheres”.

Prêmio – O Prêmio Mulheres Negras Contam sua História teve como objetivo estimular a inclusão social das mulheres negras, por meio do fortalecimento da reflexão acerca das desigualdades vividas pelas mulheres negras no seu cotidiano, no mundo do trabalho, nas relações familiares e de violência e na superação do racismo.

Resultado de parceria entre a Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) e a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), ambas da Presidência da República, o Prêmio recebeu 520 inscrições, entre redações e ensaios. Os textos foram enviados por mulheres autodeclaradas negras, contando histórias de vida individuais e coletivas do segmento, que contribuíram para a construção do país.

Coordenação de Comunicação da SEPPIR

 

Fonte: Seppir

+ sobre o tema

Mas então, por quê? – Por: Gabi Porfírio

"Você vai acabar solteira, sozinha, sem marido, igual a...

Nota de preocupação e repúdio

Carta Aberta à Drª Gilda Carvalho Ministério Público Federal NOTA DE...

“Já quis ser mais clara”, diz jovem negra da Brasilândia vencedora do Miss Odara CCJ

Quando pensamos em concurso de miss, automaticamente nos vem...

Michelle Obama e Hillary homenageiam Sojourner Truth negra que lutou contra escravidão

Washington, 28 abr (EFE).- Michelle Obama e Hillary Clinton...

para lembrar

Sessão extraordinária na Câmara vai colocar em votação 7 projetos de Marielle

Na próxima quarta-feira (2) será realizada uma sessão extraordinária...

Mulheres ainda se dividem entre a casa e o trabalho, aponta o IBGE

Mesmo cada vez mais inseridas no mercado de trabalho,...

Enfrentar o racismo é necessário para consolidar a democracia e reduzir as desigualdades, afirma ministra

Fonte:  Blog Planalto  A necessidade de se assegurar oportunidades a...

#GeledésnoDebate: “Não houve respaldo legal para a esterilização de Janaína”

#SomostodasJanaína# Por Kátia Mello Janaína Aparecida Quirino, 36 anos, moradora em...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=