“Pretos Fedem” é o recadinho deixado na parede da UniRio

“Pretos Fedem” é o recadinho deixado na parede da UniRio. Mensagens racistas deixadas nas paredes do Centro de Letras e Artes da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio), na última terça-feira, causaram revolta tanto na instituição quanto nas redes sociais. Os autores escreveram ofensas como “pretos fedem” e a sigla “KKK”, referente à organização americana Ku Klux Klan, que prega a supremacia branca em relação aos negros.

no O Globo

Após o episódio, o Diretório Central dos Estudantes (DCE) da instituição publicou uma nota de repúdio ao ato criminoso em um post no Facebook, nesta sexta-feira.

“O racismo no Brasil ocorre desde a época da escravidão e é caracterizado por lei como crime inafiançável. Todos os dias o povo negro é brutalmente exterminado e esquecido. Não podemos tornar este caso uma mera estatística”, diz um trecho do comunicado.

Um aviso assinado pela direção da Escola de Teatro um dia após o ato criminoso, colado ao lado dos escritos ofensivos, orienta os passantes a não interferir na pichação racista, pois o caso está sob investigação. O grupo também se manifestou na rede social afirmando que “a prática de racismo é inaceitável e sempre será firmemente combatida por esta instituição através de meios legais”.

No mesmo dia, um professor do Departamento de Ensino do Teatro da UniRio, em nome também de outros nove docentes, fez um post dizendo que não podem “se calar diante da onda conservadora em curso não só no Brasil como no mundo, bem como dos constantes ataques perpetrados à liberdade e dignidade dos cidadãos brasileiros”. E pede providências administrativas e legais sobre o ocorrido.

Também revoltada com a ofensa, uma estudante de Biblioteconomia da instituição afirmou que este não é o primeiro caso de racismo na UniRio, sendo o terceiro registrado em menos de dois meses, segundo a integrante do Coletivo Negro Luísa Mahin.

UFRJ TAMBÉM FOI ALVO

Nesta mesma semana, estudantes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) denunciaram pichações com o número 88 — que representa a saudação nazista “Heil Hitler” — em um dos banheiros masculinos do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais e no Centro Acadêmico de Filosofia e Ciências Sociais, no Centro do Rio. Também foram feitas ameaças a estudantes indígenas: “Volte para aldeia ou tomaremos providências”, dizia a mensagem.

+ sobre o tema

Francês Evra acusa uruguaio Suárez de racismo na Inglaterra

Lateral do Manchester United diz que o avançado do...

Promotoria denuncia 4 por crime de racismo contra Maju

O Ministério Público de São Paulo denunciou nesta terça-feira,...

A certeza da impunidade: Danilo Gentili oferece ‘bananas’ a internauta negro pelo Twitter

Por: Juliana Gonçalves   O redator Thiago Ribeiro, 29 anos, estava...

para lembrar

Tractebel: Empresa é condenada por racismo no trabalho

A empresa Tractebel foi condenada a pagar indenização...

Mulher diz ter sofrido parto prematuro após ser detida por engano

Bruna Alves Ferreira, 23, mora com o marido e...

Jornalista é ameaçado após reportagem sobre ação de racistas contra campanha do Boticário

Jornalista do site da Exame recebeu ameaças após publicar...

Irmãos acusados de xingar vizinhos negros são condenados a prisão

Welingthon Epifânio Guimarães e Eliane Parreira Guimarães devem cumprir...
spot_imgspot_img

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...

Criança não é mãe

Não há como escrever isto de forma branda: nesta quarta-feira (12), a Câmara dos Deputados considerou urgente discutir se a lei deve obrigar crianças vítimas de estupro à...
-+=