Programa de bolsas de estudo da ONU para afrodescendentes recebe inscrições até 31 de maio

Parte da Década Internacional de Afrodescendentes, programa oferece oportunidade de aprendizagem intensiva a pessoas de ascendência africana em questões de direitos humanos de particular importância para a mobilização antirracista em todo o mundo. Saiba aqui como se inscrever.

Do Nações Unidas

O Escritório de Direitos Humanos das Nações Unidas abriu em março o período de inscrição para seu Programa Anual de Bolsas de Estudo para Pessoas Afrodescendentes.

Todos os anos, o Programa oferece uma oportunidade de aprendizagem intensiva a pessoas de ascendência africana em questões de direitos humanos de particular importância para as(os) afrodescendentes em todo o mundo. Os tópicos incluem: direito dos direitos humanos, formas de discriminação racial, acesso à justiça, ‘perfilamento racial’ (racial profiling), entre outros. Bolsistas aprendem sobre uma ampla gama de instrumentos e mecanismos legais antirracismo da ONU, promovendo capacitação para combater o racismo e a discriminação racial, bem como na proteção e promoção dos direitos humanos.

Após a conclusão do programa de três semanas de duração, os bolsistas anteriores realizaram iniciativas de conscientização e capacitação de direitos humanos para a sociedade civil que trabalha para promover os direitos de afrodescendentes em seus respectivos países. Bolsistas também apoiaram o envolvimento da sociedade civil com a ONU durante as missões em seus países, entre outras contribuições.

O Programa de Bolsas de Estudo é uma das principais atividades realizadas durante a Década Internacional de Afrodescendentes das Nações Unidas (2015-2024), lançada para melhorar efetivamente a situação dos direitos humanos dos povos afrodescendentes em todo o mundo.

O período de inscrição termina em 31 de maio de 2017. Candidatas(os) devem ser fluentes em inglês, ter um mínimo de 4 anos de experiência profissional na promoção de direitos afrodescendentes e devem fazer parte de uma organização que trabalha em questões relacionadas com pessoas de ascendência africana ou direitos das minorias. Candidatas(os) devem apresentar o currículo e uma carta da sua organização, certificando o seu estatuto.

Bolsistas selecionadas(os) devem estar disponíveis para assistir todo o Programa, que será realizado em Genebra, Suíça, de 13 de novembro a 1º de dezembro de 2017. Todas as informações estão em: www.ohchr.org/EN/Issues/Racism/WGAfricanDescent/Pages/FellowshipProgramme.aspx.

+ sobre o tema

Confira o que abre e o que fecha durante os jogos do Brasil na Copa

Nos dias em que a seleção brasileira de futebol...

“A Copa pôs a África no mapa”, diz mulher de Mandela

Por: Georgina Higueras A entrevista transcorre tranquilamente até que...

Save the Children pede acção para diminuir mortes

A organização humanitária, Save the Children, refere que...

Estado da Nação revela aumento da esperança de vida

Não há metas impossíveis na trajectória de um...

para lembrar

Em Robben Island, jogar futebol era um ato de resistência

No lugar onde Nelson Mandela foi preso durante...

República Centro-Africana festeja hoje dia da independência

Luanda - A República Centro-Africana assinala hoje cinquenta...

Celebra a Nigéria 50 aniversário de sua independência

Abuja, 1 out (Prensa Latina) Nigéria celebra hoje...

Alpha Condé é eleito presidente de Guiné

  O candidato Alpha Condé, de oposição, foi eleito presidente...
spot_imgspot_img

“Reparação é reconhecer o que a História nos negou. E não é algo que a humanidade desconheça”, diz Epsy Campbell

Epsy Campbell Barr, presidenta do Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU, deu uma parada em sua tribulada agenda durante o 3º Fórum Global contra o Racismo...

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Em paralelo às guerras, ONU discute medidas sociais econômicas para afrodescendentes

Enquanto o mundo pega fogo em meio às guerras, há um avanço quase que silencioso na ONU no campo dos direitos das populações negras...
-+=