Projeto Bolsa Estupro ameaça direitos das mulheres no Brasil

Nesta quarta-feira 24, está na pauta da Comissão de Finanças e Finanças da Câmara dos Deputados o projeto de lei nº 478/2007, que “dispõe sobre o Estatuto do Nascituro e da outras providências”.

por Conceição Lemes,

Esse projeto baseia-se na crença de que a vida tem início desde a concepção, ou seja, antes mesmo do ovo ser implantado no útero. Visa, assim, estabelecer os direitos dos embriões – os chamados nascituros. Parte, assim, da concepção equivocada de que o nascituro e o embrião humanos teriam o mesmo status jurídico e moral de pessoas nascidas e vivas.

Se aprovado, esse projeto derruba qualquer direito de as mulheres decidirem pela interrupção da gravidez, mesmo em caso de risco de vida da mulher, anomalia grave (como anencefalia) e estupros, já garantidos por lei no Brasil.

O projeto ainda prevê uma bolsa para as mulheres vítimas de estupro criarem seus filhos, porém esta bolsa só será viável se a mulher denunciar o estupro. Não à toa é conhecido como “Bolsa Estupro”.

Organizações e ativistas que trabalham  com saúde e direitos humanos das mulheres no Brasil estão contra o Projeto de Lei nº 478/2007.

[Conceição Lemes quer investigar a invasão dos planos de saúde vagabundos no Brasil.Colabore!]

“A proposta de dar ao nascituro um ‘estatuto’ é mais uma tentativa dos setores mais retrógrados da sociedade de impedir a efetivação dos direitos de cidadania das mulheres”, observa a socióloga Maria José Rosado, coordenadora geral de Católicas pelo Direito de Decidir – Brasil. “Inúmeras pesquisas opinião mostram que a população brasileira, independentemente de filiação religiosa, é majoritariamente favorável a que continuem sendo permitidos os abortos legais e é contrária a que as mulheres sejam presas por realizarem um aborto. Essa proposta, além de ferir a Constituição vigente, significaria um grave retrocesso.”

De fato, o chamado estatuto do nascituro tem graves problemas de inconstitucionalidade, como já foi apontado pelo parecer elaborado pela Comissão de Bioética e Biodireito da Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Rio de Janeiro (OAB-RJ), em 2011.

“Ao estabelecer o embrião como pessoa em lei ordinária, o Estatuto do Nascituro tenta driblar a reforma da Constituição Federal para inserir no seu preâmbulo a premissa do direito à vida desde a concepção”, atenta Sonia Corrêa,  pesquisadora associada da ABIA e co-cordenadora do Obsevatório de Sexualidade e Política. “Os setores dogmáticos tentaram gravar essa premissa na Constituinte de 1986 e em 1995 (através de uma PEC), tendo sido derrotados em ambas as ocasiões.”

“Caso seja aprovado, o estatuto do nascituro empurrará a legislação brasileira sobre aborto para a gaveta das leis mais retrógradas do mundo”, alerta Sonia. “Bate de frente  com a opinião pública nacional que não quer ver a lei alterada. Também vai ser difícil explicar ao mundo como e porque esse projeto, com tantos vícios, se tornou lei numa quadra histórica em que a imprensa internacional descreve a administração Dilma Rousseff como uma ‘revolução de gênero’.”

Na verdade, a volta da proposta do Estatuto do Nascituro à pauta da Câmara dos Deputados insere-se num quadro crescente de conservadorismo no Brasil. Vem num  momento de retrocesso em que vemos atores historicamente comprometidos com o avanço da agenda dos direitos humanos se recolherem.

A eleição do deputado Marco Feliciano para presidir a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados é o retrato pronto e acabado deste instante.

Angela Freitas, feminista autônoma, militante da Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB), avisa:

”O risco iminente de aprovação desse absurdo Estatuto não surpreende, já que conhecemos o perfil do Congresso de que dispomos. É uma ideia antiga, cuja natureza hoje encontra campo fértil nas casas legislativas (não só em Brasilia mas nos estados e municípios), adubado pelas frentes parlamentares religiosas, com seus crescentes recursos e bem sucedida estratégia. Por sua vez, organizações do movimento social por direitos de cidadania resistem. Estão alertas, apreensivas e ocupando seu lugar de diálogo e pressão política para evitar o pior”.

Jandira Queiroz, feminista, pesquisadora associada para a América Latina do Political Research Associates (PRA), vai fundo: ”Atores historicamente comprometidos com o avanço da agenda dos direitos humanos  estão colocando os direitos de mulheres, LGBTs, indígenas e outros grupos das chamadas minorias entre a cruz e a caldeirinha de óleo fervente”.

Jandira dá nome e sobrenome para os responsáveis por este contexto:

“A forma como o governo e sua base aliada estão se alinhando com a direita cristã ultraconservadora em nome de uma suposta governabilidade é assustadora e revoltante.

Este não é um fato isolado, tem relação direta com a metodologia da direita cristã que atua nos EUA, e que exporta o modelo de ‘defesa da família, da vida e dos valores tradicionais’ a países como Uganda, Malawi e as Filipinas.

Fazem crer que a cultura cristã é a base dos tais ‘valores tradicionais’ e que o único modelo aceitável de família é aquele que a Igreja Católica forjou na Europa durante a Idade Média – monogâmica, formada por marido, esposa e filhos.

O Brasil é hoje a maior nação católica do mundo em número absoluto de fiéis registrados junto ao Vaticano (batizados), e onde a população evangélica cresce muito rapidamente.

O interesse das denominações cristãs em se fazer visíveis e demonstrarem poder no Brasil é explícito.

Não é à toa que uma das principais organizações da direita cristã estadunidense, o American Center for Law and Justice, que, entre outras coisas, ajudou a redigir o Ato em Defesa do Casamento (DoMA, contra o casamento igualitário nos EUA) e a lei de pena de morte a homossexuais em Uganda, está abrindo um escritório no Brasil.

O American Center for Law and Justice mantém relação direta com o gabinete do vice-presidente Michel Temer, como já expliquei em um artigo publicado na edição de dezembro de 2012 da revista Public Eye, nos EUA.

Na campanha de 2002, o PT foi pedir ajuda às igrejas evangélicas e nos colocou na situação que estamos hoje: empoderamento vil de pseudo representantes de Cristo,  disseminando ódio e intolerância.

Pode ser que esses efeitos não estivessem previstos naquele momento, mas agora é hora de lidar com eles. Cito o poeta brasiliense Luis Turiba que certa vez professou: ou a gente se Raoni, ou a gente se Sting”.

Já existe uma petição com quase 14 mil assinaturas contra o projeto 478/2007. Ela elenca 10 razões pelas quais o Estatuto do Nascituro é prejudicial à saúde e aos direitos humanos das mulheres.

Para assinar a petição, CLIQUE AQUI.

Em tempo:  A famigerada MP 557, que ficou conhecida como a MP do Nascituro, inseria-se nesse quadro retrógrado que ameaça os direitos das mulheres no Brasil. Só não vingou graças à firme atuação dos movimentos feministas e de saúde da mulheres.

 

Leia Também: 

Projeto ´Bolsa Estupro’ ameaça direitos das mulheres no Brasil

Sobre a cultura do estupro, por Cynthia Semíramis

A cultura do estupro gritando – e ninguém ouve

 

Fonte: Viomundo

+ sobre o tema

Trabalho doméstico no Brasil: afetos desiguais e as interfaces de classe, raça e gênero

Marcia Lima O documentário "Domésticas” causa múltiplas sensações. É um...

Eisner Awards 2016: Mulheres quebram recordes de indicações no prêmio de quadrinhos

Nesta terça-feira (19), foram anunciados os indicados ao Eisner...

Rebeca Andrade é ouro e se consagra como a melhor ginasta do mundo

A melhor ginasta do mundo na atualidade é brasileira....

para lembrar

Como o 8 de Março mudou a ciência

Eva Alterman Blay é Professora Emérita da USP e...

2 minutos para entender – Cultura do Estupro

2 minutos para entender – Cultura do Estupro Por Felipe...

Militante negra Luiza Bairros é tema de documentário a ser lançado em 27/3

No dia do aniversário de Luiza Bairros, em 27 de março,...

Afro-Ascendentes

No diálogo que vimos travando com empresas sobre a...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=