Casos de violência contra a mulher em 2013 passam de 800 em Sorocaba

Muitas mulheres ainda não têm coragem de denunciar.
Uma jovem foi morta nesta terça-feira (23) pelo namorado.

O crime passional, em que um jovem matou a namorada e depois se suicidou em Sorocaba (SP) nesta terça-feira (23), trouxe à tona a discussão sobre números expressivos de agressões contra a mulher na cidade. Em 2012, foram registrados quase 3.300 casos de violência doméstica na cidade. Só de janeiro a março deste ano, já são 807 ocorrências.

Apesar do número de registros ser grande, muitas mulheres não têm coragem de denunciar e recomeçar a vida longe dos companheiros. Jhenifer Cristina Silva Farias, que foi morta nesta terça-feira com um tiro na boca, registrou uma denúncia contra o namorado, Fabrício Vinícius Mendes de Almeida, de 22 anos, há um mês, após ter sido agredida por ele. Dias depois, reatou o relacionamento. A jovem foi morta na casa de uma amiga, onde estava hospedada desde que os pais passaram a discordar do namoro.

A delegada da mulher de Sorocaba, Ana Luiza Salomoni, afirma que Jhenifer recebeu encaminhamento para procurar uma rede de proteção. “Se for um caso de lesão corporal, o boletim de ocorrência tem andamento imediato. Já em casos de ameaça, exige-se que a vítima expresse a vontade de processar o autor”, explica a delegada.

A auxiliar de costura Edinês Aparecida Ribeiro é um exemplo de que é possível conseguir tomar uma atitude diante da violência doméstica. Dois meses depois da separação do marido, ela reconstroi a própria história em uma Ong que acolhe mulheres vítimas desse tipo de violência.
A Secretaria de Cidadania realizou um levantamento para saber o perfil das mulheres que sofrem violência doméstica em Sorocaba. Dos casos registrados, 73% são de mulheres entre 21 e 40 anos, e 33% delas são ameaçadas e 26% são agredidas fisicamente.

O Centro de Integração da Mulher (CIM) de Sorocaba é uma Ong que faz um trabalho multidisciplinar para abrigar mulheres em situação de risco e os filhos menores. Lá, elas podem ficar por até 90 dias. Recebem atendimento social, psicológico, médico, jurídico, fazem as refeições, e ainda aprendem uma nova função: produzem artesanato. As crianças têm espaço para brincar e estudar.

O abrigo do Centro de Integração da Mulher não tem o endereço divulgado. As mulheres ficam protegidas 24 horas por dia, e longe dos agressores. A Ong faz parte de uma rede de proteção à mulher. As mulheres chegam até o local encaminhada por vários órgãos, como polícia, Conjunto Hospitalar e o Centro de Referência da Mulher (Cerem). O Cerem fica na Avenida Juscelino Kubitschek, 440, ao lado da rodoviária. Outras informações pelos telefones (15) 3211-2548 e 3233-9907.

 

Fonte: G1

 

+ sobre o tema

Mulheres de Axé: caminhando pra resistir!

Desde 2008, uma modificação na lei brasileira considera crime...

13 casos de violência doméstica do DF em apenas um dia

Em apenas um dia, policiais militares atenderam 13 ocorrências...

‘Violência contra mulher está em todas classes’, diz Maria da Penha

Se tudo tivesse ocorrido conforme planejado por seu agressor,...

para lembrar

China indeniza mulher forçada a abortar de 7 meses

Caso criou polêmica em torno de política do filho...

‘Uma mulher chegar viva a qualquer lugar é questão de sorte’

A escritora argentina Selva Almada mergulhou no tema feminicídio...

Candidato homofóbico do PSDB causa revolta e vergonha alheia

Candidato homofóbico pretende 'ensinar meninos a gostarem somente de...

Advogado acusado de abuso no metrô é afastado

O homem é acusado de abusar sexualmente de uma...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=