Projeto de hip-hop aborda violência contra mulher indígena

 Com a proposta de estimular discussão sobre temáticas socioculturais no Amazonas e região, o projeto Pelabera lança sua segunda produção audiovisual. ‘Filha do Rio Negro’ retrata caso de violência contra mulheres indígenas.

Por Patrícia Borges, da  Amazonas Atual

 

‘Filha do Rio Negro’ (Foto: Divulgação/ Imagem retirada do site Amazonas Atual)

Pontuar a dificuldade de acesso a dados precisos, fomentando o debate sobre a violência específica contra mulher indígena também é objetivo da produção.

O rapper Jander Manauara explica que a relação entre mulheres indígenas e colonizadores estimulou, por muito tempo, casos de violência. “Esse estereótipo de disponibilidade sexual das mulheres indígenas foi implantado no período colonial e se perpetuou na historiografia, sendo tido como ‘motivação’ dos abusos sofridos por estas mulheres’, explica Jander.

Nesta produção, a equipe formada por Jander Manauara, Denis L.d.O., DJ Otto Bráu, Sereia Dulov e Matheus Crazy contou com apoio de dados do Mapa da violência contra mulheres no Amazonas, elaborado pelo Prof. James Dean Oliveira dos Santos, sob a coordenação da Prof.ª Doutoranda em Antropologia Social Flávia Melo, do  programa de extensão OVGAM (Observatório da Violência de gênero no Amazonas) da UFAM (Universidade Federal do Amazonas).

Protagonizado por Jéssica Maraguá Otero, o clipe conta ainda com o trabalho Gabrielly Maraguá Otero (figurino), duas indígenas da etnia Maraguá, do Parque das Tribos. Lorena Souza (maquiagem) e Mel Angeolis (produção) também assinam o projeto.

Assista ao clipe:

Pelabera

Idealizado há um ano, o Pelabera produz músicas, clipes e painéis de grafite que refletem questões relevantes e atuais, de temática sociocultural no Amazonas e no Norte do país. Um novo clipe será lançado a cada mês.

Segundo Jander Manauara, o projeto também vai trazer uma proposta de implementação dos temas abordados em escolas de Manaus. “Após o lançamento de seis ou sete músicas e clipes vamos trabalhar para apresentar o projeto às escolas. Não só a proposta da banda, mas também estimular o debate do tema em uma abordagem educacional’, explica o rapper e produtor cultural.

O primeiro clipe do projeto, ‘Olha a água’ aborda a questão da migração de refugiados venezuelanos e haitianos em Manaus.

+ sobre o tema

Pela 1ª vez neste século, 264 municípios do país terão prefeitas, sendo 33% negras

Em 264 municípios brasileiros, pela primeira vez neste século...

Criança de 11 anos engravida pela segunda vez após violência sexual no Piauí

Uma criança que já havia engravidado por estupro e...

Sobre futilidades que não cabem dentro de uma luta

Existem mulheres feministas incríveis e que eu sou muito...

Movimento feminista se reúne com ministro e defende regulamentação da mídia

A Rede Mulher e Mídia defendeu dia 26, durante encontro...

para lembrar

Escassez de domésticas pode mudar hábitos da classe média

Estado terá que assumir responsabilidades como criar creches e...

Ultimos dias para inscrições do curso: Mulheres Negras e Dignidade Humana

O CESEEP e o GELEDÉS estabeleceram parceria para o...

Dona Zica Assis responde ao artigo: “Respeite nosso cabelo crespo”

Carta de Zica Assis - Beleza Natural   Oi Ana Carolina, Meu...

10 citas de grandes escritoras que desmitifican el feminismo

Publicado por Francisca Rivas Al oír la palabra “feminismo”, muchos piensan...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=