Tag: Mulheres indígenas

    blank

    “Queremos disputar nossa própria agenda na política”, afirma ativista indígena equatoriana

    Vereadora feminista, Paolina Vercoutere lembra participação de mulheres indígenas nos protestos que pararam o Equador em 2019 e aponta novos desafios para o 8 de Março Por Julia Dolce, Da Agência Pública Paolina Vercoutere (Foto: Reprodução/Twitter) Em outubro de 2019, o Equador foi completamente paralisado por um dos maiores protestos já vistos na história do país. As manifestações, que tiveram como objetivo barrar um decreto de medidas econômicas e reformas trabalhistas do presidente Lenin Moreno receitadas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), tiveram êxito com as medidas sendo revogadas. Na linha de frente dos protestos, o protagonismo das mulheres indígenas foi aclamado mundialmente. A Agência Pública conversou com a ativista feminista Paolina Vercoutere, vereadora do município de Otavalo, integrante da Plataforma de Mulheres Caminhando pela Igualdade e representante do povo Kichwa. Ela destacou que a participação feminina sempre esteve presente nas vitórias históricas dos indígenas no Equador ...

    Leia mais
    Mulheres do Xingú - Meninas Kaiabi reunidas para dançar (Foto- Sitah)

    As histórias das mulheres líderes do território Xingu

    Se por um lado elas quebraram regras indígenas que as impediam de se posicionar dentro e fora das aldeias, por outro são as responsáveis por manter as tradições, língua, rituais e saberes ancestrais vivos. A fotógrafa Sitah esteve no primeiro encontro de mulheres do Xingu e à Marie Claire conta as histórias das líderes do território por Sitah para o Marie Claire Mulheres do Xingú - Meninas Kaiabi reunidas para dançar (Foto- Sitah) Depois de um vôo São Paulo –Goiânia, 12 horas no ônibus até Canarana, percorri mais seis horas de carro e oito de barco até a aldeia Kaiabi, na Ilha Grande, Médio Xingu. Junto a mim, chegavam as representantes do Primeiro Encontro de Mulheres do Xingu, de dez das 16 aldeias que compõem o território – cada um com hábitos e língua diferentes. Durante cinco dias, elas discutiram estratégias para proteger a floresta e ...

    Leia mais
    FOTO: REPRODUÇÃO/TWITTER

    Mulheres indígenas ocupam prédio do Ministério da Saúde

    Protesto faz parte da primeira edição da Marcha das Mulheres Indígenas, que inaugura semana de manifestações em Brasília Por GIOVANNA GALVANI, da Carta Capital FOTO: REPRODUÇÃO/TWITTER Na manhã desta segunda-feira 12, manifestantes que participam da 1ª Marcha das Mulheres Indígenas, em Brasília, ocuparam parte do prédio do Ministério da Saúde em Brasília, na Explanada dos Ministérios. De acordo com informações do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), a reivindicação é “em defesa do subsistema de saúde indígena”, amparado pela SESAI (Secretaria Especial de Saúde Indígena). Mulheres indígenas ocupam o Ministério da Saúde! A luta é em defesa do subsistema de saúde indígena. Atividade faz parte da 1ª Marcha das Mulheres Indígenas em Brasília. Vídeo: Kamikia Kisedje #marchadasmulheresindigenas #nenhumagotaamais pic.twitter.com/mptAru5FoI — Cimi (@ciminacional) August 12, 2019 Dentro e fora do prédio, os indígenas cantavam e diziam motivações para a manifestação, que tem a saída da atual secretária Silvia Waiãpi, ...

    Leia mais
    blank

    Canadá admite ter sido cúmplice de ‘genocídio racial’ de mulheres indígenas

    O Canadá foi cúmplice de um "genocídio racial" contra mulheres indígenas, segundo um extenso relatório produzido pelo próprio governo canadense. Da BBC  Foto: REUTERS O texto, divulgado na segunda-feira (03/06) cita dados de uma pesquisa mostrando que as mulheres indígenas tinham 12 vezes mais chances de serem mortas ou desaparecerem do que outras mulheres no Canadá. Produzido ao longo de três anos, o relatório de 1.200 páginas apresenta mais de 200 recomendações, entre elas um chamamento para todos os canadenses ajudarem a acabar com a violência, inclusive aprendendo a história indígena. O relatório constatou que "as violações e abusos persistentes e deliberados dos direitos humanos dos indígenas são a causa básica por trás das taxas de violência do Canadá". Baseado em audiências e pesquisas, entrevistas sobre sobre violência desproporcional enfrentada por mulheres e meninas indígenas no Canadá, o estudo culpa o colonialismo arraigado e a falta ...

    Leia mais
    blank

    Existe feminismo indígena? Seis mulheres dizem pelo que lutam

    Indígenas debatem questões como violência, igualdade de direitos e hipersexualização. Elas afirmam que a Lei Maria da Penha não contempla suas especificidades por Isabela Aleixo* no O Globo As mulheres estão na linha de frente da luta do movimento indígena e têm ganhado visibilidade e espaço como lideranças. Em 2018, 30 anos após a promulgação da Constituição Federal (1988), a primeira indígena foi eleita para representar o estado de Roraima no Congresso Nacional, a deputada Joênia Wapichana (Rede), e a líder indígena Sonia Guajajara concorreu como vice-presidente na chapa do candidato Guilherme Boulos (PSOL). Mas, apesar disso, é possível falar em um feminismo indígena? Quais são as suas reivindicações? Perguntamos a mulheres de diversas etnias quais são as pautas prioritárias na luta por direitos e igualdade. Potyra Tê Tupinambá Potyra Tê Tupinambá é formada em direito e atua em defesa dos direitos dos povos e das ...

    Leia mais
    Ro’Otsitsina Xavante no Acampamento Terra Livre em Brasília. (Foto: LUCAS LANDAU)

    “Dizer que nós mulheres indígenas não enfrentamos violência de gênero é mentira”

    Porta-voz do movimento das mulheres indígenas, Ro’Otsitsina Xavante conta como elas estão se organizando para combater o machismo nas aldeias Por MARINA ROSSI, do El País  Ro’Otsitsina Xavante no Acampamento Terra Livre em Brasília. (Foto: LUCAS LANDAU/El País ) Mulheres indígenas de todo o país sairão em marcha pela primeira vez para chamar a atenção para questões de gênero de seus povos. A decisão foi tomada durante o Acampamento Terra Livre, que terminou na última sexta-feira na capital federal. Elas se juntarão à Marcha das Margaridas, manifestação anual que ocorre todo o mês de agosto em Brasília, liderada por trabalhadoras rurais. “Queremos compor com as Margaridas para mostrar aliança”, contou Ro’Otsitsina Xavante, que, na diversidade do movimento de mulheres indígenas, é uma de suas porta vozes. Durante o acampamento, as "parentas", como elas chamam umas às outras, realizaram uma plenária para debater suas principais demandas. Organizaram-se separadamente por ...

    Leia mais
    ‘Filha do Rio Negro’ (Foto: Divulgação)

    Projeto de hip-hop aborda violência contra mulher indígena

     Com a proposta de estimular discussão sobre temáticas socioculturais no Amazonas e região, o projeto Pelabera lança sua segunda produção audiovisual. ‘Filha do Rio Negro’ retrata caso de violência contra mulheres indígenas. Por Patrícia Borges, da  Amazonas Atual   ‘Filha do Rio Negro’ (Foto: Divulgação/ Imagem retirada do site Amazonas Atual) Pontuar a dificuldade de acesso a dados precisos, fomentando o debate sobre a violência específica contra mulher indígena também é objetivo da produção. O rapper Jander Manauara explica que a relação entre mulheres indígenas e colonizadores estimulou, por muito tempo, casos de violência. “Esse estereótipo de disponibilidade sexual das mulheres indígenas foi implantado no período colonial e se perpetuou na historiografia, sendo tido como ‘motivação’ dos abusos sofridos por estas mulheres’, explica Jander. Nesta produção, a equipe formada por Jander Manauara, Denis L.d.O., DJ Otto Bráu, Sereia Dulov e Matheus Crazy contou com apoio de dados ...

    Leia mais
    No Canadá, a esterilização forçada era tida como uma prática extinta havia décadas DAVID GOLDMAN AP

    A esterilização forçada de mulheres indígenas canadenses: um assunto muito recente

    Essa prática acabou oficialmente em 1973, mas investigações e testemunhos indicam casos posteriores. Uma senadora pede que seja feito um estudo para conhecer seu verdadeiro alcance em nível nacional Por JAIME PORRAS FERREYRA, do El PAÍS  No Canadá, a esterilização forçada era tida como uma prática extinta havia décadas (Foto: DAVID GOLDMAN/AP) As esterilizações forçadas de mulheres indígenas no Canadá cessaram oficialmente nos anos setenta, mas investigações e testemunhos indicam que esses procedimentos continuaram sendo praticados décadas depois, e teme-se que ainda existam casos. A senadora Yvonne Boyer pediu a seus colegas legislativos que seja realizado um estudo para conhecer o alcance real dessa prática em nível nacional. “Muitas mulheres do país todo entraram em contato comigo pedindo ajuda”, afirmou Boyer no dia 11 à agência de notícias The Canadian Press. A senadora mencionou a tragédia de Liz, obrigada a abortar e a se submeter a uma ligadura de trompas em ...

    Leia mais
    blank

    O que pensam 5 mulheres indígenas que são lideranças em suas comunidades

    Relatos sobre maternidade, protagonismo feminino e mudanças climáticas fazem parte do livro "Povos Indígenas no Brasil" Por Tory Oliveira Do Carta Capital Fátima, Josiane, Magaró , Aracy e Estela são algumas das lideranças femininas indígenas contemporâneas, cujo depoimento sobre temas como a maternidade, as relações de poder dentro das comunidades, o modo de vida tradicional e as mudanças climáticas foram coletados por antropólogas para o livro Povos Indígenas no Brasil (2011-2016), publicado pelo Instituto Socioambiental (ISA) no mês de abril. Segundo o Censo IBGE 2010, dos 817 mil indígenas distribuídos entre mais de 240 povos, 444 mil são mulheres. Para além dos desafios ligados ao contexto dos povos indígenas, como a disputa por terras, os avanços dos ruralistas e a violência no campo, as indígenas também enfrentam questões como a violência contra a mulher. "Num contexto de defesa de territórios e exclusões sociais, as mulheres indígenas têm sido alvo de violências perversas baseadas em gênero, a ...

    Leia mais
    blank

    Mulheres indígenas criam agência de notícias

    A comunicação tem se mostrado um campo de batalha decisivo. Os meios comerciais agem cada vez mais como usinas ideológicas, disseminando não as notícias, mas sim a ideologia necessária para respaldar o poder dominante. As vozes dos movimentos, dos trabalhadores, da periferia não conseguem se expressar nesses espaços. Por isso, com as novas tecnologias aproximando pessoas e garantindo as condições materiais para a produção de informação, cada vez mais os movimentos se articulam e buscam criar espaços próprios de comunicação. Por Elaine Tavares Do Iela Essa semana, no México, um grupo de mulheres, comunicadoras, apresentou a Agência de Notícias de Mulheres Indígenas e Afrodescendentes, a Notimia. A proposta é garantir o espaço para vizibilizar a luta dos povos e comunidades de toda a América, mundializando a cobertura. O grupo tem o apoio da Agência Espanhola de Cooperação Internacional e da ONU-Mulheres. Assim, dessa vez , as mulheres indígenas e negras terão um ...

    Leia mais
    blank

    Mulheres retomam papeis protagonistas na cultura indígena

    Em 1782, a quéchua Bartolina Sisa foi esquartejada durante a rebelião anticolonial de Túpaj Katari, no Alto Peru. O assassinato da indígena, símbolo da resistência ao domínio espanhol, em um 5 de setembro, é relembrado há 33 anos, desde que o II Encontro de Organizações e Movimentos da América ocorrido em Tihuanacu, na Bolívia, instituiu o Dia Internacional da Mulher Indígena. Bartolina Sisa é um exemplo do protagonismo das mulheres entre os povos indígenas na América Latina, um papel que vem sendo apagado desde o domínio dos colonizadores e que juventude vem resgatando. Do Catarinas A invisibilidade das mulheres indígenas é mais um capítulo na distorção da história contada pelos homens brancos. “Antigamente, nossas lideranças conduziam grandes comunidades que faziam a mobilidade guarani no nosso extenso Território chamado Yvyrupa. Essas lideranças eram comandadas por Nhanderu (figura equivalente a Deus para as religiões cristãs) e assim repassavam as leis e as punições para os demais. Tudo era feito em forma de ...

    Leia mais
    blank

    Seis mulheres indígenas que vale a pena seguir nas redes

    Elas estão na linha de frente da luta contra os ruralistas do Congresso Do Azmina De todas as coisas em jogo na atual crise política, poucas talvez tenham tanta importância quanto o futuro dos indígenas brasileiros. Fortalecidos nos últimos anos, deputados e senadores ligados ao agronegócio promovem no Congresso o maior ataque contra os povos indígenas em décadas, pressionando pela aprovação de uma série de propostas que ameaçam sua sobrevivência. Muitas mulheres indígenas estão na linha de frente da resistência a essa ofensiva. Montamos uma lista com seis dessas líderes, que têm usado as redes para se expressar sobre seus problemas mais urgentes, mas também expor suas visões de mundo e obras de arte. Sônia Guajajara Coordenadora-executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), Sônia é uma das principais vozes do movimento indígena nacional. Integrante do povo Guajajara, do Maranhão, formou-se em letras e enfermagem e já representou indígenas brasileiros ...

    Leia mais
    blank

    Idioma e tradições culturais ainda são obstáculos para mulheres indígenas

    Além de estarem sujeitas as mesmas dificuldades que todas as brasileiras, as mulheres indígenas enfrentam barreiras próprias, como a falta de informação sobre os seus direitos, dificultada pelos obstáculos linguísticos, e as tradições culturais que não permitem que elas tenham voz na comunidade. Por Maiana Diniz, repórter da Agência Brasil No Combate Racismo Ambiental  “Na minha tradição terena, por exemplo, as mulheres não podem falar muito. Hoje podem um pouco, mas quando as mulheres falam alto elas são discriminadas pelos homens, eles ficam meio preocupados, e avalio que eles têm também um pouco de medo de que elas tomem o lugar deles.  Não é da tradição falar muito, e as mulheres respeitam a tradição. Porém, a voz da mulher indígena é necessária e precisa ser ouvida.”, disse Míriam Terena, ativista da causa indígena e funcionária da Fundação Nacional do Índio (Funai), lembrando que elas também enfrentam muito preconceito fora das ...

    Leia mais
    indigena

    Oito milhões de mulheres indígenas sofrem violência

    A Comissão Nacional de Direitos Humanos do México estima que 8,1 milhões de mulheres indígenas são vítimas de abusos, agressões físicas e morais, dentro dos seus lares, e não têm acesso aos serviços de saúde e de educação Francisco Pedro, em Fátima Missionária Apesar de desempenharem um papel fundamental na recomposição do país, as mulheres indígenas mexicanas continuam a ser alvo de violência doméstica e de discriminação no acesso aos serviços escolares e de saúde. Segundo dados da Comissão Nacional de Direitos Humanos, existem 8,1 milhões de mulheres a viver situações de abusos e agressões dentro das suas próprias casas. Para contrariar este flagelo, a Comissão Nacional para o Desenvolvimento das Populações Indígenas está a preparar programas de formação permanente que promovam o conhecimento dos direitos humanos das meninas e mulheres indígenas e previnam a violência contra elas.  O objetivo deste plano, de acordo com a agência Fides, é contribuir para ...

    Leia mais
    jogos indigenas mulheres

    Questão da mulher indígena abre debates do Fórum Social dos Jogos Indígenas

    Uma benção dada por Creuza Humutina, primeira cacique mulher da aldeia Humutina, no município de Barra do Bugre, no Mato Grosso, foi o que deu início aos trabalhos do Fórum Social dos 11º Jogos Indígenas. O início do evento aconteceu na manhã de domingo, 6, na Ilha Real, em Porto Nacional. Participaram da mesa do Fórum, diversas autoridades, entre elas a ministra da Secretaria de Igualdade Social da Presidência da República (Seppir), Luiza Bairros e o secretário Estadual de Esporte do Tocantins, Olyntho Neto. O centro das discussões foram questões relacionadas a territórios e aos direitos da mulher indígena. "Queremos que as mulheres dos povos indígenas alcancem o mesmo patamar de liderança e influência que as mulheres negras têm hoje dentro de suas comunidades", disse Mirian Terena, presidente da União das Mulheres Indígenas. A presidente acrescentou ainda que já existe um pacto entre mulheres indígenas e negras para que este ...

    Leia mais
    oeaind1

    A violência contra a mulher indígena brasileira e a Lei Maria da Penha

    BRASILEIRAS: O programa é uma edição especial do Brasil em Pauta e trata da violência contra a mulher indígena brasileira. A entrevistada é a coordenadora de Gênero e Assuntos Geracionais da Fundação Nacional do Índio (Funai), Leia Bezerra. Entre os assuntos os seminários que a Funai realiza para esclarecer os homens indígenas sobre a Lei Maria da Penha, como forma de prevenção contra a violência que recai sobre as mulheres indígenas. Além disso, abordará as ações da Fundação para promover o resgate da alimentação tradicional juntos aos povos. Fonte: Brasil em Pauta

    Leia mais

    Últimas Postagens

    blank

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist