Líder indígena Alessandra Munduruku ganha prêmio de direitos humanos

A líder indígena Alessandra Korap Munduruku ganhou a edição 2020 do prêmio Robert F. Kennedy de Direitos Humanos. O anúncio foi feito pelas redes sociais da organização, que já tem tradição de 37 anos em homenagear figuras que lutam por causas sociais.

Alessandra foi a primeira mulher a coordenar a Associação Indígena Pariri, que representa as famílias de dez aldeias da região do Médio Tapajós, no Pará. Uma de suas principais lutas é o ativismo contra a invasão dos territórios indígenas, especialmente o feito por grandes empreendimentos no Rio Tapajós, madeireiros e garimpeiros.

Nas redes sociais, ela agradeceu o carinho e o reconhecimento e afirmou que os recursos do prêmio de 30 mil dólares ajudarão a Associação Pariri.

 

Por GIOVANNA GALVANI, da Carta Capital

+ sobre o tema

‘Ofensivo’, ‘racista’ e ‘paranoico’: a visão de líderes indígenas sobre discurso de Bolsonaro na ONU

"Lamentável", "ofensivo", "racista" e "paranoico" foram alguns dos adjetivos...

Pobre Palmares!

  por Arísia Barros União,a terra de Zumbi, faz parcas e...

Em entrevista, Muniz Sodré fala de racismo e manipulação da mídia

Muniz Sodré é negro, baiano, fala russo, alemão, iorubá...

Lei 13.019: um novo capítulo na história da democracia brasileira

Nota pública da Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais...

para lembrar

Projeto de hip-hop aborda violência contra mulher indígena

 Com a proposta de estimular discussão sobre temáticas socioculturais...

Projeto leva rastreamento de câncer de colo do útero a indígenas do Norte

Há cerca de cinco meses, Kátia Ramos Moreira Leite, médica patologista,...

“Dizer que nós mulheres indígenas não enfrentamos violência de gênero é mentira”

Porta-voz do movimento das mulheres indígenas, Ro’Otsitsina Xavante conta...

Elâine Souza é a 1ª Miss Brasil indígena: ‘Senti na pele os preconceitos’

Pela primeira vez na história, o concurso Miss Brasil...
spot_imgspot_img

Por que marcham as mulheres indígenas?

Visibilidade. Respeito. Indignação. Pertencimento. Oportunidades. Justiça. Esperança. São muitas as causas para que cerca de 5 mil mulheres indígenas tenham deixado suas comunidades, viajado por...

Turbante e cocar: Dia da Mulher para quem? Dia da Mulher para quê?

"Na minha aldeia mora uma cabocla, eu não sei se é homem ou se ela é mulher, é uma cabocla índia da pele morena,...

Quem são as mulheres indígenas eleitas deputadas em 2022?

Quatro mulheres indígenas foram eleitas para a Câmara dos Deputados nas eleições 2022: Sônia Guajajara (PSOL) e Juliana Cardoso (PT), em São Paulo; Célia Xakriabá (PSOL) em Minas Gerais; e Silvia...
-+=