Quem são as mulheres indígenas eleitas deputadas em 2022?

Enviado por / FonteMarie Claire

Sônia Guajajara, Célia Xakriabá, Juliana Cardoso e Silvia Waiãpi foram eleitas para a Câmara dos Deputados

Quatro mulheres indígenas foram eleitas para a Câmara dos Deputados nas eleições 2022: Sônia Guajajara (PSOL) e Juliana Cardoso (PT), em São Paulo; Célia Xakriabá (PSOL) em Minas Gerais; e Silvia Waiãpi (PL), no Amapá.

Apontada como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo pela revista americana Time, Sônia obteve 156.695 votos, tornando-se a deputada federal indígena mais votada neste pleito. Juliana, afroindígena, somou 125.517 votos, enquanto Célia conquistou 101.154 votos e Silvia 5.435.

Joenia Wapichana (Rede), que em 2018 foi eleita deputada federal e tornou-se a primeira mulher indígena a ocupar o cargo em 194 anos de história da Câmara dos Deputados, não conseguiu a reeleição.

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ao todo, 186 indígenas se candidataram nas eleições 2022.

Em 2018, Joenia Wapichana (Rede) foi eleita deputada federal e a primeira mulher indígena a ocupar o cargo  (Foto: Reprodução/ Instagram)

Sônia Guajajara

Sônia é do povo Guajajara/Tenetehara, que habita as áreas das Terras Indígenas Araribóia, no Maranhão. Deixou sua aldeia para estudar ainda jovem, se formou em Letras, Enfermagem e é especialista em Educação Especial pela Universidade Estadual do Maranhão. Sônia é ativista, já foi candidata a vice-presidente na eleição de 2018, com Guilherme Boulos pelo PSOL,  e atua como coordenadora da APIB – Articulação dos Povos Indígenas do Brasil.

Sônia Guajajara – Foto: Fedrico Zuvire

Sua vida é dedicada a combater a invisibilidade dos povos originários, além da preservação da Amazônia. Em 2019, ela discursou na Cúpula do Clima da ONU em Nova York, reforçando a importância da manutenção do meio ambiente.

“São Paulo, nós conseguimos! A primeira mulher indígena eleita como deputada federal por SP vai aldear o Congresso Nacional. Muito, muito obrigada pela confiança. Estou muito feliz e consciente da missão que terei em representar vocês em Brasília! Vamos aldear mentes e corações, e construir um novo Brasil. Seguimos juntes”, comemorou ela nas redes sociais após a vitória.

Célia Xakriabá

A professora ativista do povo Xakriabá, de Minas Gerais, Célia Xakriabá (PSOL), também marcou a história sendo a primeira mulher indígena a ser eleita deputada federal no estado. Desde os 25 anos, Célia dedica-se à luta pelos direitos das línguas indígenas ameaçadas, reestruturação do sistema educacional, além de fazer parte da Bancada do Cocar, que busca mudar a sub-representação dos povos originários dentro da política.

“Hoje entramos pra história! Primeira deputada federal indígena eleita pelo estado de Minas Gerais e iniciamos um novo momento da história da democracia neste país com a eleição de pelo menos 3 mulheres indígenas para o Congresso Nacional. Vamos com tudo para esse novo ciclo de luta, ARIÃTÔ, comemorou nas redes sociais.

Juliana Cardoso

Educadora, ativista dos movimentos sociais e sindical, Juliana está em seu quarto mandato como vereadora pelo PT em São Paulo, e já presidiu a Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal.

“São Paulo fez história e levou uma mulher petista, afroindígena, feminista e de luta para Brasília! Gratidão pelos mais de 125.000 votos que nossa candidatura de sonhos, resistência e luta recebeu!”, escreveu ela em comemoração.

Juliana Cardoso (Foto: Divulgação)

Silvia Waiãpi

Silvia Waiãpi (PL-AP), eleita com 5.435 votos pelo Amapá, é militar das Forças Armadas. Sua campanha foi apoiada no grupo Frente Lealdade pelo Brasil, que defende “uma educação de verdade, livre de ideologização, a proteção das crianças em todos os âmbitos de sua existência, o direito à posse e ao porte de armas para defesa pessoal, da família e da propriedade privada, entre outros, bem resumidos no lema Deus, Pátria, Família e Liberdade”.

Durante sua campanha, Silvia recebeu apoio de nomes como  Eduardo Bolsonaro (PL), Damares Alves (Republicanos), Carla Zambelli (PL).

Silvia Waiãpi (Foto: Divulgação)

+ sobre o tema

Nota de preocupação e repúdio

Carta Aberta à Drª Gilda Carvalho Ministério Público Federal NOTA DE...

Dia de Luta pela Saúde da Mulher e de Redução da Morte Materna

A deputada Inês Pandeló, Presidente da Comissão de Defesa...

para lembrar

Voto em branco e voto nulo: entenda qual é a diferença

Nas eleições de outubro próximo serão escolhidos pelo voto...

PT mira Frank Aguiar para vice de Mercadante em SP

Por: Beto Silva O PT estadual quer usar a mesma...

Os candidatos e as candidatas do Brasil

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou o número de ...

Em SP, 35 dos 94 deputados estaduais respondem a processos

Assessores dos parlamentares explicam as ações na Justiça; os...
spot_imgspot_img

Inscrições abertas para compor banco de itens do Saeb

As inscrições para credenciamento de colaboradores interessados em compor o Banco de Colaboradores do Banco Nacional de Itens (BC-BNI) do Sistema de Avaliação da...

Estudo mostra o impacto do fator racial materno no desenvolvimento infantil

O ganho de peso e o crescimento dos filhos está diretamente relacionado ao fator etnorracial das mães. Isso é o que mostra uma pesquisa desenvolvida pelo Centro de Integração de Dados...

Cacique denuncia escalada da violência contra indígenas no Paraná após ameaça de policiais: ‘Posso matar vocês aqui e ninguém vai saber’

O cacique Izaias Benitter, da aldeia Taturi, localizada no município de Guaíra, no oeste do Paraná, denunciou a ameaça de policiais contra dois indígenas. O...
-+=