Qual é a representatividade da mulher no Brasil?

O governo Dilma Rousseff avançou muito pouco na busca por ampliar a representação feminina no poder, e teve retrocessos

por Camila Villard Duran, Barbara Simão e Maria Luciano Do Carta Capital

Retomar o debate sobre a representatividade feminina em posições de poder é especialmente relevante em tempos de indicação para órgãos públicos no Brasil, como o Banco Central (BC) e o Supremo Tribunal Federal (STF). É também uma reflexão importante para o dia internacional da mulher. Dentre os nomes cotados, formal ou informalmente, para essas instituições, não há representante feminina para o BC e são raras aquelas para o STF. Afinal, essa reduzida representatividade no País se dá por quais razões? Há, de fato, iguais oportunidades para homens e mulheres?

Infelizmente, o diagnóstico é o de que a presença de uma mulher no cargo político mais alto do País, a Presidência da República, não parece ter gerado impacto acentuado e duradouro nos quadros de poder. O governo Dilma Rousseff não foi capaz de implementar uma política robusta para a inclusão da mulher nos quadros políticos e, em sua tentativa no primeiro mandato, os efeitos duraram pouco. Isso reforça o argumento de que as ações políticas de Dilma foram mais simbólicas do que implicaram mudança institucional efetiva.

O segundo mandato do governo já se iniciou com retrocesso. No âmbito do Poder Executivo, menos nomeações femininas foram feitas para cargos de chefia em ministérios comparativamente ao governo de 2011: seis (15%) e onze nomeações (28%), respectivamente, para um total de 39 cargos, o que representa um corte de quase 50%. No Chile, o segundo mandato de Michelle Bachelet contou com 39% de mulheres em ministérios(9/23) e, no primeiro mandato, com 45% (10/22). Apesar do igual retrocesso, as porcentagens são mais significativas em um país latino-americano vizinho, também conduzido por uma mulher. O Chile também conta hoje com representação feminina no comando do Senado, embora o avanço global no Legislativo ainda seja lento.

Desde o início de sua gestão, a presidente já designou 92 dirigentes políticos para ministérios, incluindo secretarias ou agências com o mesmo status. Somente 15 são mulheres (16%). No geral, homens tiveram mais re-nomeações entre si e substituíram mulheres. Ainda, elas ocuparam apenas 12 dos 39 ministérios. No âmbito do Poder Judiciário, Dilma indicou cumulativamente 16 ministros para o STF e para o Superior Tribunal de Justiça (STJ), sendo somente três mulheres. No total de 18 mulheres escolhidas para o Executivo e para o Judiciário, apenas duas são negras. Ambas foram nomeadas para a mesma secretaria: a de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Esse dado parece apontar mais para um efeito simbólico do que uma mudança institucional efetiva.

Além da simples análise numérica, a natureza dos ministérios tende a revelar o papel reservado à mulher no poder. Das dez pastas com maior impacto político-econômico – quais sejam Fazenda, Planejamento, Justiça, Relações Exteriores, Casa Civil, Defesa, Saúde e Previdência, além do BC e da Advocacia Geral da União (AGU) cujos mais altos dirigentes têm status de ministro –, apenas o Planejamento e a Casa Civil foram geridos por uma mulher no governo Dilma. No entanto, essa conquista não chegou ao segundo mandato.

Justiça, Relações Exteriores, Defesa, Saúde, Previdência, BC e AGU jamais contaram com uma mulher em seu comando, em toda sua história – embora o BC já tenha tido duas mulheres em sua diretoria. Agricultura, pasta considerada tradicional, contou com uma mulher no segundo mandato. Em uma análise global, contudo, as áreas reservadas às mulheres tendem a estar relacionadas a direitos humanos e comunicação. No Brasil, justiça e, especialmente, economia ainda são espaços com vasta predominância masculina. No mundo, já temos avanços importantes na economia: Christine Lagarde no Fundo Monetário Internacional (FMI), Janet Yellen e Zeti Akhtar Aziz nos bancos centrais dos Estados Unidos (Fed) e da Malásia, respectivamente.

Mas o que explica a persistência da reduzida representatividade feminina? É evidente que não é apenas a baixa indicação de mulheres pela presidente, ainda que seja um fator-chave relevante e porque se esperava mais de seu governo do que qualquer outro no País. A baixa representatividade também é efeito de uma cultura social masculina e de instituições subjacentes, que não estão equipadas para receberem mulheres.

Anne-Marie Slaughter, professora de Princeton que ocupou o cargo de diretora de planejamento político no governo dos Estados Unidos, em seu texto publicado pela Atlantic em 2012, questiona o mito de que as mulheres já “podem ter tudo”. Mulheres não estão em pé de igualdade com homens. Algumas mulheres, que chegaram ao ápice do seu sucesso profissional, precisam acumulá-lo com uma carga de frustração pessoal, porque tiveram que abdicar da convivência familiar para poder se qualificar enquanto “funcionalmente capazes”. Outras, como bem descreve a professora da UFSCar Maria da Gloria Bonelli em suas pesquisas, incorporaram os valores masculinos da profissão e apagaram a diferença. O problema passa a ser visto como a incompetência eventual ou a falta de vontade de mulheres, e não como algo estrutural. O mito da igualdade de oportunidades ignora a realidade empírica e todos os obstáculos aos quais elas estão submetidas ao longo de sua carreira, especialmente se considerarmos as distinções entre raça, classe econômica, orientação sexual e identidade de gênero.

Pensar a igualdade de gêneros é também pensar políticas que tornem eficaz a mudança institucional: por exemplo, ter cotas para mulheres em comitês ou conselhos executivos (como se criou na Alemanha, em dezembro último), estrutura adequada para amamentar no local de trabalho, licenças de paternidade e maternidade equiparadas, entre outras. Essas conquistas também seriam um ganho social para homens e entidades familiares em suas diferentes configurações.

A representatividade feminina é importante por potencializar pautas de interesse das mulheres em diferentes áreas, além de contribuir decisivamente para maior produtividade. Por isso, é urgente discuti-la, especialmente considerando o contexto de conservadorismo em que se encontra o Congresso Nacional. Os posicionamentos públicos sobre a criminalização do aborto são sintomáticos. Afirmar que não temos mulheres preparadas o suficiente para assumir cargos de maior influência é simplista, e esconde o problema real, que é estrutural. O governo avançou? Muito pouco e teve retrocessos. Precisamos de ações institucionais e não somente simbólicas.

*Camila Villard Duran é professora de direito da USP e pesquisadora visitante das universidades de Oxford e Princeton. Barbara Simão e Maria Luciano são pesquisadoras do PET Sociologia Jurídica (FD-USP/Sesu – MEC).

 

+ sobre o tema

Violência contra mulher é resultado de machismo, não de natureza masculina

O estudioso americano Matthew Gutmann defende o estudo de...

‘Não quero ser exceção’, diz a escritora Conceição Evaristo

A escritora mineira Conceição Evaristo venceu uma série de...

Francia Márquez diz acreditar que Brasil terá presidente negra no futuro

Em encontro com parlamentares e pré-candidatas negras, na manhã...

Estudante defende TCC sobre reconhecimento da beleza da mulher negra em quilombo no Pará

Durante mais de dois anos, a estudante promoveu oficinas...

para lembrar

Designer cria a ‘Barbie normal’, com estrias e espinhas

Desde que foi apresentada na Feira Anual de Brinquedos...

SPM realiza a 1ª Oficina do Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça

"A construção coletiva por meio do estabelecimento de parecerias,...

Cota para mulheres gera impasse em meio a recorde de candidatas a vice

Para procurador, cota de 30% do Fundo Eleitoral só...

Continuamos fazendo gênero

O Blog da Igualdade está fazendo aniversário e agradece...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=