Que pito foi esse?

Este artigo se propõe analisar a partir da fala de Douglas Elias Belchior, pré-candidato a deputado federal pelo PSOL paulista como os partidos políticos brasileiros atuam e colaboram para a preservação da sub-representatividade da população negra brasileira no Legislativo.

Por Osmar Teixeira Gaspar para o Portal Geledés 

Foto: José Cruz / Agência Brasil

O artigo se propõe demonstrar igualmente a utilidade de candidatos e eleitores negros como forma de destinação de benefícios eleitorais a certos candidatos mais ricos e brancos que sem votos suficientes para se tornarem parlamentares, estes se tornam dependentes dos resultados eleitorais insuficientes das candidaturas negras pobres e periféricas, as quais poderão ser lhes muito uteis por ocasião do computo final das urnas eleitorais.

Nesta perspectiva, os partidos políticos por sua vez, visando auxiliar parte dos candidatos mais ricos e brancos, incentivam a proliferação das candidaturas negras econômica e financeiramente desestruturadas no interior das legendas partidárias controladas majoritariamente por descendentes de europeus.

Os brasileiros descendentes de africanos escravizados no Brasil, não obstante serem maioria entre os brasileiros, estes são, contudo, artificialmente impedidos de ocuparem os espaços de visibilidade positiva , prestígio e poder, dimensões aparentemente reservadas para ocupação exclusivamente das elites brasileiras brancas dominantes com o propósito delas terem o privilégio de decidirem e darem sempre a última palavra.

Leia o artigo completo 

Que pito foi esse


** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou...

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

para lembrar

Uma pantera afro-zen caminha entre nós

Angela Davis, uma pantera afro-zen que caminha entre nós Por...

Tudo agora é escombro

Deram o novo nome a pandemia / De covid-19...

Mãos à obra: a trajetória de Enedina Alves Marques

Faz 41 anos que Enedina Alves Marques faleceu de...

Último dia

Nas encruzilhadas, em cada ponta eu me sinto doer,...
spot_imgspot_img

As Ações afirmativas em tempo Espiralar: (re)existência, luta, palavra e memória

“A voz de minha bisavó ecoou criança nos porões do navio, ecoou lamentos de uma infância perdida. A voz de minha avó ecoou obediência...

Espelho, espelho meu… Na bolinha dos olhos, há alguém mais preto do que eu? O colorismo como elemento de divisão da negritude e da...

Ao menos nos últimos dez anos, ocorre um fenômeno em meio ao universo intelectual e militante do movimento negro brasileiro, que é a retomada...

Dois anos sem Moïse

No mês de janeiro a morte do refugiado congolês Moïse Mugenyi Kabagambe completará dois anos. Moïse foi vítima de uma agressão brutal que o...
-+=