Quem é bela, recatada e do lar?

Comecei a ler “mulher, raça e classe” da Angela Davis e logo nas primeiras páginas, ainda que o primeiro capítulo seja um levantamento da relação entre senhores e homens e mulheres escravizadas vi o quão atual são suas palavras pra essa onda de feminismo que temos hoje, mesmo que a obra tenha sido escrita em 1981. Em especial após a matéria da Veja, na qual tenta impor de forma “sutil” a imagem que a mulher deveria ter, “bela, recatada e do lar”, um trecho em especial me chamou atenção; nele Davis diz:

“Enquanto a ideologia do feminismo – um subproduto da industrialização – foi popularizada e disseminada através das novas revistas de mulheres e novelas românticas, as mulheres brancas foram vistas como habitantes de uma esfera cortada do domínio do trabalho produtivo. A clivagem entre a casa e economia pública, trazida pelo capitalismo industrial, estabeleceu a inferioridade feminina mais firmemente do que nunca antes. “Mulher” tornou-se um sinônimo da propaganda prevalecente de “mãe” e de “dona-de-casa”, e ambas “mãe” e “dona-de-casa” eram marcas fatais de inferioridade. Mas entre as escravas negras, este vocabulário não tinha lugar. Os arranjos econômicos da escravatura contradiziam a hierarquia do papel sexual da nova ideologia. As relações de homem x mulher dentro da comunidade escrava não estavam conformadas com o modelo ideológico dominante.”

Por Zaira Da Silva Conceição via Guest Post para o Portal Geledés 

É interessante perceber que a imagem da mulher bela, recatada e do lar, é um resgate dessas mulheres dos séculos passados, a imagem que para os olhos do patriarcado, nunca deveria ter mudado. No entanto, como o trecho deixa bem claro, não são todas as mulheres que têm o privilégio de serem denominadas mulheres. Porque às mulheres está reservada a imagem da maternidade e da fragilidade. Dificilmente essa imagem é destinada à mulher negra. Mulher negra, mesmo hoje, ainda luta pra ser vista como mulher; na época da escravatura, pois, era tão animal e selvagem como os homens negros. O trabalho árduo e compulsório destituía-lhes tanto a aparência quanto o comportamento “feminino” que as mulheres brancas tinham.

À mulher negra, os adjetivos dados são sempre relacionados aos obstáculos que a colonização lhes destinou. É comum sermos chamadas de guerreiras, sermos elogiadas por nossa força com olhares de admiração (ou pena) por ser de conhecimento geral que o que uma mulher negra enfrenta, não tem a mesma carga social que a mulher branca. A mulher negra sempre teve consigo resquícios da escravatura, numa nova reconfiguração escravocrata onde as funções servis permanecem sob nomes diferentes; as amas de leite e mucamas hoje são babás, governantas, empregadas domésticas, diaristas e etc. E prova de que os direitos dessas trabalhadoras demoraram tanto a serem garantidos (ainda demoram), é por ter entre elas uma maioria negra, pobre e periférica. A lógica da senzala prevalece e a mulher negra hoje é vista como tudo, menos como “bela, recatada e do lar”.

Não existe beleza quando o padrão é branco, não existe recato quando se é exposta e apreciada como a mulata de exportação, o sexo quente, a globeleza no carnaval. Não existe “do lar”, quando o lar que deve zelar não é o seu. Quando o lar que cuida é da sinhá que tanto lutou pra ter seu lugar no mercado de trabalho. O mercado de trabalho da mulher negra é a cozinha da mulher branca.
Desconstruir o pensamento de que a mulher não precisa ser bela, recatada e do lar, é fácil. Difícil é querer ser tudo isso e ser vista apenas como objeto produtivo e barato de trabalho.

+ sobre o tema

Maior ONG gay do mundo se torna membro consultivo das Nações Unidas

A ILGA – International Lesbian na Gay Association, com...

Amor e cura em contos de Elizandra Souza

Filha do Fogo é o primeiro volume em prosa...

30/04 – Nota da Ministra Eleonora Menicucci pelo Dia das Trabalhadoras Domésticas

O Dia das Trabalhadoras Domésticas, às vésperas do 1°...

Luta por terra é essencialmente feminista, diz pesquisadora de Gana

Em entrevista, Dzodzi Tsikata analisa pressão das transnacionais na...

para lembrar

Google premia projetos sociais do Brasil com R$ 1 mi

Júri formado por MV Bill e Luciano Huck escolheu...

Projeto mamória Lélia Gonzalez

SAIBA MAIS sobre a mostra A Fundação Banco do Brasil...

ONU aprova resolução sobre a violação de direitos humanos de homossexuais

Conselho de Direitos Humanos aprova Resolução sobre a violação...

Primeira mulher a receber transplante de útero está grávida

Gravidez apresenta riscos, mas estado de saúde da mãe...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=