Quem sofreu é que sabe, me tire dessa.

O correspondente de “O Globo” em Washington, Fernando Eichenberg, escreveu ( edição de25.04.10, p. 10) que Marina Silva estava tendo por lá “tratamento de candidata negra”. Referia-se a alusões da imprensa norte-americana à visita da candidata do PV à Presidência do Brasil.

 

O diabo é que o comentário da candidata, na matéria do correspondente de “O Globo”, faz crer que sua vivência brasileira é de uma singularidade extremada: “Nunca me senti sofrendo preconceito por ser negra ou mulher”. Não sofri, não sou, estão falando de outra pessoa, de outras vivências.

 

Mas “outras vivências” não votam? Em princípio, nenhum candidato quer perder poder. Marina talvez nos diga, na terra de Obama, que não percebe movimento significativo na sociedade brasileira que legitime qualquer referência sua a uma identidade de mulher negra.

 

Mas sua liderança poderia, caso assumisse a identidade negra no processo eleitoral, alargar limites, vencer obstáculos partidários e outros? Sua candidatura poderia simbolizar? Naquele sentido de indicar caminhos e possibilidades futuras?

 

Antes que a candidata convença alguém da importância histórica da representação política negra, ela mesma teria de ser convencida de que é uma mulher negra. Definitivamente, não é o caso.

 

Prefiro imaginar a turma do PV argumentando que a temática racial contribui efetivamente para fechar espaços políticos, ao invés de abri-los. Digamos que a candidata esteja mais inclinada a aceitar argumentos assim, amparados em “fundamentos operacionais”.

 

Isso não excluirá, entretanto, as insinuações de marketing, levianas e artificiosas, que mais ou menos discretamente busquem tirar uma lasquinha aqui, outra ali. Nada diferente das distorções corriqueiras. De prudência em prudência, sabemos até onde pode chegar a vilania eleitoral.

 

 

Fonte:  Írohin

+ sobre o tema

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira...

para lembrar

Presidenta Dilma Rousseff convoca III Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Decreto publicado no Diário Oficial da União de hoje...

Analogias com trabalho escravo revelam distanciamento de autoridades com realidade do país

Especialistas repercutem falas de Luislinda e Gilmar Mendes: "Parece...

Vitoriosas, porém insatisfeitas

Intervenção das organizações não-governamentais Criola, Geledés , Cfemea e...

O papel das ONGs no século XXI

As organizações têm flexibilidade e são mais propensas a...

É sórdido condenar vítima de estupro por aborto

É sórdido e apequena a política o Projeto de Lei que ameaça condenar por homicídio meninas, jovens e mulheres que interromperem gestações, ainda que...

Geledés repudia decisão da Câmara sobre aborto

Geledés – Instituto da Mulher Negra vem a público manifestar sua indignação e repúdio à decisão da Câmara dos Deputados, aprovada nesta terça-feira, 12,...

Mulheres vão às ruas contra PL que equipara aborto a homicídio; confira locais dos atos

Mulheres vão às ruas de diversas partes do país em protesto contra o avanço, na Câmara dos Deputados, do projeto de lei que equipara...
-+=