sexta-feira, dezembro 9, 2022
InícioÁfrica e sua diásporaPatrimônio CulturalRaça Brasil homenageia os 70 anos de Caó autor da lei que...

Raça Brasil homenageia os 70 anos de Caó autor da lei que tipifica o racismo no Brasil

Em 24 de novembro de 1941, nascia em Salvador, na Bahia, Carlos Alberto Oliveira Santos, ou simplesmente Caó, filho do marceneiro Themístocles Oliveira dos Santos e da costureira Martinha Oliveira dos Santos, a dona Miúda. Seu registro de nascimento, no entanto, só foi lavrado quase um mês depois, em 20 de dezembro, na época, uma prática comum, principalmente entre os negros

Para a maioria das famílias era, antes de tudo, por uma questão econômica. Se hoje a mortalidade infantil ainda é alta entre os negros, imagine na década de 40, na Bahia? Quando uma criança negra nascia, os pais esperavam algum tempo para ver se ela viveria ou não. Como dizia a minha avó, esperava-se que ‘a moleira’ – parte superior do crânio – do recém-nascido endurecesse para se ter a certeza que resistiria, para depois registrá-lo. Imagine as despesas de uma família negra se, ao nascer um filho, o registrasse imediatamente e, posteriormente, ele não resistisse e morresse? Seriam três despesas, a da certidão de nascimento, a de óbito e a do enterro. Por isso, acho que muitos negros têm a moleira achatada, de tanto os pais a apalparem para ver se já era hora de ir ao cartório. Eu tenho a moleira achatada e a cabeça dura”, brinca Caó, mas ressaltando a seriedade da questão.

A mãe, dona Miúda costurava para a alta sociedade baiana e, com seus trabalhos, ajudava a criar, além de Caó, seus dois irmãos mais novos, Derivaldo e Eliene, já falecidos. E foi através de um pedido seu a uma de suas várias clientes que dona Miúda conseguiu matricular o primogênito no tradicional colégio soteropolitano Antônio Vieira, onde ele era o único aluno negro. E foi lá que Caó teve a sua primeira constatação de um ato de racismo. Todos os anos uma peça era encenada e, por dois deles, Caó foi escalado para interpretar o diabo. Na segunda vez, ele recusou o papel e, pressionado, jogou mercúrio cromo nas paredes do colégio. Com o ato de rebeldia, sua mãe foi chamada ao colégio e lhe comunicaram o fato. Em casa, Dona Miúda afirmou que quem resolveria a questão seria o marido. “Meu pai era marceneiro, homem de poucas palavras e com um cinto de couro de dois dedos de espessura. Com medo, fugi de casa, mas voltei e me escondi. Quando ele chegou, minha mãe contou tudo ao meu pai e ele me chamou. Com muito medo da surra, saí de onde estava escondido e me apresentei. Ele me perguntou o porquê da peraltice, e eu respondi que estava cansado de ser escalado para interpretar o diabo, queria ser Deus, o que nunca deixavam. Meu pai concordou comigo, e a surra não aconteceu”, relembra Caó.

Articulado, aos 16 anos, já era secretário- geral da Associação de Moradores do bairro Federação, em Salvador, e engajado na campanha O Petróleo é Nosso. Pouco tempo depois, viriam a militância no movimento estudantil – como presidente da União de Estudantes Estaduais da Bahia – e a vice-presidência de relações internacionais da União Nacional dos Estudantes. Concluído o curso o primário, Caó foi estudar no Colégio Central da Bahia, no bairro do Campo Grande, em Salvador, onde foi presidente do Diretório Acadêmico e colega do também advogado e jornalista Muniz Sodré, com quem estudou na Faculdade da Bahia: “O Caó sempre foi muito tranceiro (articulista). Ele conseguia congregar várias correntes, até mesmo as adversárias, sob o argumento de um objetivo comum, mas também não deixava passar desaforo. Uma vez o vi responder de pronto o insulto de um professor que disse que “os estudantes da Universidade da Bahia não teriam futuro tendo como líder um crioulo beiçudo”. Sodré afirma ainda que ao longo deste tempo, não saber de nenhum outro caso de uma pessoa que tenha se indisposto com ele. “Pode ter havido, mas foi raro e eu não sei”, diz Muniz Sodré.

SE PIQUE, BETINHO, SE PIQUE

Foto: Reprodução/Canal Brasil

Como vice-presidente de Relações Exteriores da UNE, Caó começou a ser conhecido nacionalmente: era o Betinho da UNE. “Em Salvador, nessa época, além de Betinho, eu era chamado de O Chanceler Negro”, diz, com uma ponta de vaidade. Após participar de um congresso estudantil em 1962, na cidade de Leningrado, na antiga União Soviética, ele propôs à direção da UNE a realização do Congresso Internacional dos Estudantes Subdesenvolvidos, realizado em Salvador no ano seguinte. Sobre o congresso, Caó narra um episódio pitoresco: “Dois ou três estudantes chineses queriam impor uma proposição deles, em detrimento daquela que havia sido a vencedora em um dos seminários realizados no congresso. Eles me procuraram e começamos a conversar através de um intérprete. Em dado momento, irritados pela derrota de sua proposta, eles me chamaram de vice- presidente negro, cachorro de Khrushchov (Nikita Khrushchov, secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética de 1953 a 1964). Quando o intérprete me relatou o que eles haviam dito, os ameacei de retirada do credenciamento e, na hora, pararam com aquela presepada”, diz Caó, com o sotaque baiano, rindo do insólito e áspero diálogo em mandarim e português abaianado.

Se o ano de 1963 foi turbulento, o seguinte, do golpe militar, mais ainda. Assembleias eram constantes nos campus de direito e medicina da Faculdade da Bahia. Ao fim de um Inquérito Policial Militar (IPM), Caó foi preso, chegando a ser condenado a seis meses de prisão, mas libertado por decisão do Superior Tribunal Militar. A intensa atuação em vários segmentos políticos tornou-o “carta marcada” em Salvador, e conhecidos de seus pais os aconselharam a tirar o filho da cidade, “antes que sumissem com o Betinho.”

Como secretário de habitação e trabalho, durante lançamento do projeto complementação alimentar do trabalhador.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench