Racismo ambiental no Brasil: a urgente necessidade de justiça e igualdade

Corporações operam com impunidade, causando devastação ambiental e afetando principalmente comunidades vulneráveis

Ao acompanhar a mais recente tragédia ambiental brasileira, os alagamentos no Rio Grande do Sul, vêm à cabeça o conceito, pouco discutido nos meios comunicacionais, do “racismo ambiental”. Provoca ainda mais reflexão o desaparecimento das populações quilombolas e indígenas do Sul, também, afetadas pela catástrofe e invisibilizadas pela cobertura midiática tradicional. Cabe uma breve reflexão sobre as repetitivas tragédias ambientais, sua maior potência nos espaços periféricos e de populações tradicionais e, junto a isso, o desaparecimento deste seguimento humano dos meios de comunicação. 

O racismo ambiental é uma problemática global que se manifesta de maneira acentuada em países periféricos, como o Brasil. 

Utilizando o conceito de sistema mundo de Immanuel Wallerstein, podemos entender como as nações centrais exploram recursos e pessoas nas regiões periféricas, resultando em graves injustiças ambientais. As tragédias ambientais brasileiras, como os desastres de Mariana e Brumadinho, a contaminação dos rios em Santo Amaro da Purificação, na Bahia, e a poluição do Rio Cachoeira em Itabuna exemplificam essa exploração e negligência sistemática.

Trago aqui outras referências de tragédias em curso ou acontecimentos recentes, pois, são signos de que o que estamos acompanhando no Sul é um dos vários desastres anunciados e pactuados, direto ou indiretamente, pelos governos que afrouxam regras, facilitam licenças e se alinham aos interesses externos dos países centrais que historicamente exploram as “repúblicas bananeiras”, somos uma “República de bananas”? 

No sistema mundo, as economias centrais dominam as periferias, extraindo recursos naturais e humanos sem considerar os impactos ambientais e sociais. O Brasil, como uma nação periférica, sofre as consequências dessa dinâmica. Corporações multinacionais operam com impunidade, causando devastação ambiental e afetando principalmente comunidades vulneráveis, muitas vezes racializadas, maioria minorizada, que residem em áreas propensas a desastres.

Achille Mbembe, em sua teoria do brutalismo, descreve como a violência é institucionalizada e normalizada. No contexto ambiental brasileiro, essa brutalidade se manifesta na forma de negligência e na desumanização das populações afetadas. 

Os desastres de Mariana e Brumadinho são exemplos claros do brutalismo ambiental. 

A falta de fiscalização e a leniência das autoridades permitiram que essas tragédias ocorressem, resultando em centenas de mortes e na contaminação de vastas áreas. As comunidades afetadas, muitas delas formadas por trabalhadores rurais e pessoas racializadas, são tratadas com descaso, reforçando a ideia de que suas vidas são menos valiosas.

A contaminação por chumbo em Santo Amaro da Purificação, que afeta a saúde de centenas de moradores, e a poluição do rio Cachoeira, que compromete a qualidade de vida em Itabuna, são outros exemplos da negligência brutalista. Para não dizer do histórico abandono da baía de Guanabara e suas praias impraticáveis para o uso saudável do mar. 

Muniz Sodré, ao discutir a sociedade incivil, destaca a desestruturação social e a normatização da exclusão e da violência. No Brasil, a sociedade incivil se manifesta na falta de políticas públicas eficazes que protejam as comunidades vulneráveis de desastres ambientais e da violência urbana. O crescimento das favelas no Rio de Janeiro sob o domínio das milícias exemplifica essa dinâmica, onde a ausência do Estado permite que grupos paramilitares imponham seu controle, exacerbando a exclusão e a violência.

Além disso, Muniz Sodré introduz o conceito de democracia cosmética, caracterizando uma superficialidade nas práticas democráticas onde a aparência de justiça e inclusão não se traduz em políticas efetivas. No Brasil, essa democracia cosmética é evidente nas respostas ineficazes às tragédias ambientais e na falta de ações concretas para proteger as comunidades vulneráveis. 

As populações minorizadas afetadas pelas tragédias ambientais de Norte a Sul, pela contaminação em Santo Amaro da Purificação, pela poluição do rio Cachoeira e pelo controle das milícias são frequentemente excluídas dos processos de tomada de decisão e das discussões sobre políticas ambientais. Essa exclusão sistêmica é uma característica da sociedade incivil, onde a proteção dos direitos humanos e ambientais é insuficiente. A desigualdade ambiental no Brasil reflete essa dinâmica, com comunidades racializadas sofrendo os maiores impactos.

A relação entre o sistema mundo e o brutalismo é evidente na maneira como as empresas multinacionais operam no Brasil pautando o mercado dependente e financiando os interesses políticos. Essas corporações impõem uma lógica brutalista de exploração e negligência, alinhada as perspectivas da política neoliberal, que perpetua o racismo ambiental. O desastre no Rio Grande do Sul, as tragédias de Mariana e Brumadinho, a contaminação por chumbo em Santo Amaro da Purificação e a poluição do rio Cachoeira em Itabuna são manifestações concretas dessa interseção de conceitos e invisibilidade humana.

Apesar da brutalidade e da exclusão, as comunidades afetadas pelas injustiças ambientais no Brasil têm se mobilizado para resistir e lutar por seus direitos. Movimentos sociais, como o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e outras iniciativas locais exemplificam essa resistência, buscando justiça e reparações. A luta dessas comunidades é uma forma de desafiar o sistema mundo e a lógica brutalista que as oprime.

Para enfrentar o racismo ambiental no Brasil, é crucial adotar uma abordagem interseccional que considere as dinâmicas globais, a violência estrutural e a exclusão social. Políticas públicas devem ser formuladas para proteger as comunidades vulneráveis, garantindo sua participação nos processos de decisão e promovendo a justiça ambiental de maneira equitativa.

O racismo ambiental no Brasil, exacerbado pelas tragédias citadas, e pelo crescimento das favelas sob domínio das milícias no Rio de Janeiro e outros estados como a Bahia, é um chamado urgente à ação. A compreensão dos conceitos de sistema mundo, brutalismo e sociedade incivil oferece uma lente crítica para analisar e combater essa injustiça. 

É imperativo que governos, empresas e a sociedade civil se unam para promover um futuro mais justo e sustentável, onde todas as vidas sejam valorizadas e protegidas, que possamos deste modo caminhar para uma verdadeira democracia de alta densidade.

*Richard Santos, também conhecido como Big Richard, é professor da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) e doutor em Ciências Sociais pela Universidade de Brasília (UNB).

+ sobre o tema

A carne mais barata do mercado não será mais a carne negra

Não fossem as câmeras de segurança, caso de estrangulamento...

Enajun seleciona artigos sobre questão racial e antidiscriminatória

O edital foi apresentado no dia 23 de março...

Entre clube da luta e minimalismo: Onde fica o afrominimalismo?

Clube da Luta (Fight Club, 1999), do diretor David...

para lembrar

Marcelo Barreto: ‘O racismo só vai acabar com atitudes enérgicas’

Em amistoso entre o Milan e o Pro Patria, na quinta-feira,...

Kenzo em movimento: marca lança vídeo com pegada política

Dirigido por Partel Oliva, ele levantar a bandeira para...

27 anos contrariando as estatísticas: Estratégia de autocuidado para lutar contra o racismo

Permaneço viva, prossigo a mística… Racionais Capítulo 4, Versículo 3 Por Tamillys Lirio,...

Modelo perde prêmio e patrocínios por causa de tuíte racista

Por: Thiago Barros   A modelo sul-africana Jessica...
spot_imgspot_img

Até um dia, Roya. Rest in power, minha irmã

"Tudo o que sei sobre a dificuldade de sustentar a democracia no Brasil é tão parecido com o que enfrentamos no Sudão", disse Roya...

OAB suspende registro de advogada presa por injúria racial em aeroporto

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MG) suspendeu, nesta terça-feira (25), o registro da advogada Luana Otoni de Paula. Ela foi presa por injúria racial e...

Ação afirmativa no Brasil, política virtuosa no século 21

As políticas públicas de ação afirmativa tiveram seu marco inicial no Brasil em 2001, quando o governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho sancionou...
-+=