A Universidade de São Paulo e os seus tribunais raciais

Suposta atitude não republicana ajudará instituição a desmantelar outros tribunais

Em março, a Universidade de São Paulo gerou controvérsia ao barrar um aluno por não considerá-lo pardo. Como de costume, logo apareceram os críticos às cotas raciais.

Aqui na Folha, por exemplo, a colunista  Lygia Maria comparou as bancas de avaliação fenotípica aos tribunais raciais de regimes eugenistas. Wilson Gomes seguiu caminho semelhante ao argumentar que tal política era uma esquisitice republicana.

Agora que a pauta parece ter esfriado, é possível discuti-la sem se deixar influenciar pela repercussão gerada pelas reações emocionais do calor do momento, quando muitos são seduzidos a criar argumentos para agradar a torcidas. No entanto, analisar política pública não se resume a inflamar torcidas para promover audiência.

Política pública é sobre a vida das pessoas. É sobre avaliar os custos e benefícios de cada intervenção. É buscar criar soluções mais eficazes para que cada membro da sociedade possa atingir seu potencial. Discutir política pública significa ir além de nossas crenças e examinar cuidadosamente a literatura sobre o assunto.

Em debates relacionados às minorias, isso é ainda mais emblemático. Muitos têm algum ressentimento derivado de atitudes, nem sempre republicanas, de militantes que estão na linha de frente lutando por mudanças. No entanto, apesar dos desconfortos gerados por tais atitudes, uma rápida olhada na literatura ajudaria muitos a entender a profundidade dessa agenda.

As desvantagens enfrentadas pelos negros começam antes mesmo do nascimento. Estudos mostram a existência de disparidades no desenvolvimento das crianças negras resultantes das condições socioeconômicas e do viés racial durante o período de gestação (“Essays on Economics of Education: Racial Inequality, Social Norms, and Childcare Impact on Schooling“). Após o nascimento, as próprias famílias podem discriminar investindo mais na educação do filho de pele mais clara (“Is parental love colorblind? Human capital accumulation within mixed families“).

Na escola, também há evidências de que os professores discriminam as crianças negras (“Racial Discrimination in Grading: Evidence from Brazil“). Uma vez no mercado de trabalho, mesmo quando analisamos trabalhadores com características produtivas semelhantes, os negros recebem cerca de 14% a menos que os brancos, um padrão que tem se mantido constante ao longo dos últimos 40 anos (Números da Discriminação Racial).

Desse modo, um pequeno esforço em procurar olhar para evidências ao emitir uma opinião leva à conclusão de que o Brasil, em si, é um grande tribunal racial que gera uma competição desleal para os negros. Confesso que demorei um tempo para compreender isso, pois não tinha o menor interesse pela agenda racial. No entanto, a própria USP ajudou nesse processo.

Não faz muito tempo que estudei lá. Quando entrei na instituição, ainda não havia cotas e não era incomum os professores mencionarem que eu lembrava um jogador de futebol. Embora, dentro das quatro linhas, minha habilidade com a bola nunca tenha me permitido ultrapassar duas ou três embaixadinhas.

Com o tempo, o dia a dia na universidade foi revelando que muitos ali não pareciam tão acostumados a ter a presença de um aluno de pele mais retinta, talvez tampouco de um que tinha um bom desempenho acadêmico. Minha presença e a de outros pouquíssimos pretos na instituição representavam a quebra de um imaginário da posição do negro na sociedade brasileira.

Certa vez, um colega da elite carioca comentou: “Não sei como uma pessoa como você tira notas altas”. Bem, dada a baixa expectativa que muitos têm em relação aos negros, é possível que até hoje eu continue surpreendendo não somente a ele como também parte dos professores que tive naquela instituição e fora dela.


O texto é uma homenagem à música “Umbabarauma”, composta por Jorge Ben Jor, interpretada por ele e Mano Brown.

+ sobre o tema

Healing America: O Compromisso de um Financiador com a Equidade Racial

A Fundação W. K. Kellogg lançou uma iniciativa agressiva...

A situação colonial, ou a arrogância do colonizador

Zoológicos humanos: entre 1877 e 1912, foram montadas, em...

Brasil: vítima de racismo em escola, menina é obrigada a pedir desculpas aos agressores

Desde que Camila dos Santos Reis consegue lembrar, a...

para lembrar

Dove pede desculpas e retira anúncio considerado racista

A marca de higiene pessoal e beleza Dove pediu...

Shopping JK Iguatemi terá “rolé contra o racismo”

Evento marcado pela Uneafro para o próximo sábado já...

entrenvista com Suzane Jardim, idealizadora da campanha “Liberdade para Rafael

Dentro do cenário de violações, que neste ano ganharam...

Por que chamar negro de macaco é racismo?

Por: Leandro Beguoci Venha passear comigo por São Paulo durante...
spot_imgspot_img

Nem a tragédia está imune ao racismo

Uma das marcas do Brasil já foi cantada de diferentes formas, mas ficou muito conhecida pelo verso de Jorge Ben: "um país tropical, abençoado...

Futuro está em construção no Rio Grande do Sul

Não é demais repetir nem insistir. A tragédia socioclimática que colapsou o Rio Grande do Sul é inédita em intensidade, tamanho, duração. Nunca, de...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com uma segurança no tapete vermelho do Festival de Cannes durante essa semana. A cantora compartilhou seu...
-+=