Racismo contra empregadas domésticas no Brasil é denunciado na CIDH

Tratamento racista e sexista com empregadas domésticas no Brasil. Esta foi uma das principais denúncias feitas por Associações de Defesa dos Direitos das Mulheres, em pronunciamento na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), em Washignton, nos Estados Unidos, nesta segunda-feira (11).

Responsáveis pela queixa, a ONG Global Rights e a Associação CUltural de Mulheres Negras (ACMUN) entitularam como ‘racismo estrutural’, especialmente relacionado às empregadas domésticas. Entre outras denúncias apresentadas pelos membros da comissão da CIDH, também estão as jornadas entre dez e quinze horas diárias, condições de insalubridade, muitas ocorrências de salários pagos mais tarde do que o acordado e turnos noturnos.

O porta-voz da Global Rights, Carlos Casado, afirmou que a Constituição Brasileira discrimina as empregadas domésticas quando não reconhece os mesmos direitos que as trabalhadoras têm em relação a outros profissionais. O fato de negar o acesso aos serviços de seguridade social é um dos agravantes. Casado destacou também a porcentagem de empregadas domésticas registradas: apenas 27%.

Já a porta-voz da ACMUN, Eva Regina Pereira, afirmou que sexo e raça são determinantes para os trabalhos conquistados no país, já que a maioria das empregadas do lar são negras. A ativista pediu ‘maior envolvimento’ do governo para acabar com a discriminação e destacou que poucas mulheres negras tiveram educação e, por isso, são relegados a estes postos de trabalho, onde ‘sobressaem a informalida, a precariedade e a ausência de equidade’.

Representantes do governo brasileiro também estiveram na reunião e reconheceram o racismo e sexismo estrutural. Os membros da delegação brasileira porém, atestaram que combaterão o problema através de programas como ‘Brasil Sem Miséria’, e ‘Minha Casa, Minha Vida’.

A comissária da CIDH, Rose-Marie Belle Antoine, pediu que o governo do Brasil trate os problemas com mais seriedade.

Fonte: NE10

+ sobre o tema

Governo quer padronizar atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica

Delegacias especializadas deverão funcionar todos os dias da semana...

Em um ano, casos de violência contra a mulher aumentaram 40% diz pesquisa

Nesta terça-feira acontece em Campo Grande, no Mato Grosso...

Um Papai Noel negro e homossexual

No livro escrito por Daniel Kibblesmith, Papai Noel vive...

para lembrar

Quatro meses após execução, sigilo policial preocupa família de Marielle

Quatro meses após a execução da vereadora carioca Marielle Franco...

Preconceito matou mais de 5 mil LGBTQIA+ em 20 anos, diz estudo

O mundo comemora nesta segunda-feira (28) o dia do...

Sobre o que chamam “ideologia de gênero”

“O Estado Democrático de Direito precisa garantir os direitos à livre...
spot_imgspot_img

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...

Mais de 11 milhões de mulheres deixam o mercado de trabalho no Brasil

Pesquisa inédita do Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades (Made), da USP, sobre o custo da maternidade no Brasil mostra que 6,8 milhões...
-+=