Racismo e sexismo persistem no mercado de trabalho de Salvador

Segundo o estudo, o rendimento médio da mulher negra foi de R$ 1.705, equivalente a 53,6% do salário de um homem não negro

O mercado de trabalho de Salvador e Região Metropolitana está menos excludente, pois aumentou o número de negros entre os ocupados. Mas o racismo e o sexismo permanecem e se refletem na diferença de salários pagos para uma mulher negra e um homem não negro.

A conclusão é da Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), que apresentou ontem um recorte por gênero e etnia dos dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) da Região Metropolitana de Salvador referentes a 2014.

De acordo com o estudo, o rendimento médio da mulher negra foi de R$ 1.705, o equivalente a 53,6% do salário de um homem não negro, que teve a maior média mensal, de R$ 2.223.

22 mil negros entraram no mercado de trabalho no ano passado

“Ainda temos um mercado de trabalho racista e sexista, por isso o grupo composto por mulheres negras é o mais penalizado, com rendimentos mais baixos, postos de trabalho precários e instáveis”, comentou o analista de pesquisas sociais da PED-RMS, Luiz Chateaubriand.

Apesar da diferença registrada entre os salários, a pesquisa indica um aumento de 4,8% no rendimento médio real mensal das mulheres negras em relação a 2013. Já o crescimento apontado para os homens negros foi de apenas 0,5%.

Os resultados da população não negra também foram positivos, com um aumento de 8,6% para as mulheres e de 4,2% para os homens. Ainda de acordo com o estudo, em 2014 os negros representavam 92,4% da População Economicamente Ativa (PEA) da RMS, o que significou um aumento de 0,7% em relação ao ano anterior.

Os indicadores são resultados do acréscimo de 22 mil negros ao mercado de trabalho.“O aumento do número de pessoas negras trabalhando motivou o crescimento da ocupação e a redução do desemprego registrados em 2014”, explicou Chateaubriand.

+ sobre o tema

2022: conselhos de Conceição Evaristo, Elza Soares e mais mulheres negras

Como seria o seu começo de ano se você...

Justiça do RS está nas mãos de uma mulher negra pela 1ª vez; conheça

Natural de Pelotas (RS), a 260 km de Porto...

Discriminação é comum, porém velada, dizem negras desempregadas

Para atendente, oportunidades de emprego são maiores para os...

para lembrar

Mati Diop: a 1ª mulher negra a concorrer à Palma de Ouro em Cannes

O Festival de Cannes, evento que prestigia cineastas, produtores e...

O uniforme branco das babás é coisa nossa.

Há alguns meses o caso de babás sem uniforme...

Nome e sobrenome: a importância das intelectuais negras para a pesquisa acadêmica

Na coluna de estreia, Midiã Noelle sugere que o...

Das coisas boas e belas que nascem na favela

A possibilidade de ver o belo é sempre um...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Documento final da CONAE segue para o Congresso; entenda seus principais pontos

Para quem não é da Educação ou não acompanha de perto esta aérea, é preciso entender alguns pontos importantes do documento final aprovado durante...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=