Racismo não vem de cor da pele, mas de projeto de desumanização

Obras de Toni Morrison e James Baldwin refletem sobre a transformação dos 'outros' dos brancos em categoria subalterna

Nos últimos dias, o discurso xenófobo e racista proferido pelo vereador de Caxias do Sul (RS) Sandro Fantinel recordou-me os ensaios de dois grandes autores negros do século 20: Toni Morrison e James Baldwin. São reflexões sobre o embrião do racismo, de onde parte e o que há por trás do preconceito baseado na diversidade de origem, cor e fenótipo, mesmo sabendo que a diferença é uma singularidade da espécie humana.

Em “Romantizando a escravidão”, Morrison conta que, quando criança, recebeu em casa a visita de sua bisavó, matriarca da família que gozava de prestígio por ser parteira de uma comunidade. Ao olhar para a futura escritora e a irmã que brincavam no chão de casa, Millicent MacTeer apontou a bengala para as duas e disse: “Essas crianças foram adulteradas”.

Elas não eram capazes de compreender o significado daquela expressão, mas a mãe de Morrison protestou veementemente, sem que o mal-estar fosse desfeito. Anos mais tarde, Morrison compreenderia o sentido daquelas palavras: a bisavó, uma mulher de pele negra e retinta, afirmava que as netas de pele mais clara não eram “puras”.

Foi dessa maneira que Toni Morrison aprendeu ainda muito cedo que as diferenças podem se tornar fontes de uma inferioridade proveniente do fato de ser o outro. Na coletânea “A Origem dos Outros“, Morrison se vale da literatura para refletir o que torna a diferença singular de homens e mulheres em muros, que por vezes podem se tornar intransponíveis. No caso do racismo, o muro confina a cor da pele numa categoria que inferioriza e é sinônimo de subalternidade.

Morrison chama esse fenômeno, de fazer da diferença um fator de divisão, de “outremização” (do inglês “otherness”). Se o outro do branco seria o não branco, o outro do humano seria o não humano e, portanto, um ser inferior.

Humanos foram racializados não por serem compreendidos como diversos, mas para atender a projetos de poder que dependiam da “outremização”, ou seja, do subjugo, da exploração do trabalho, da violência que nos desumaniza. Morrison escreve que “a tendência de os humanos separar aqueles que não pertencem ao nosso clã e julgá-los como inimigos a serem controlados é longa e ocorre desde os primórdios da humanidade”.

Nesse sentido, raça nada mais é que uma convenção social, já que não há justificativa científica para revelar uma subcategoria de nossa espécie. Morrison avança escrevendo que o conceito de raça, criado pelos opressores, “tem sido um parâmetro de diferenciação constante, assim como a riqueza, a classe e o gênero, todos relacionados ao poder e à necessidade de controle”.

Um ensaio de James Baldwin que reflete sobre a origem do racismo é “Um estranho na aldeia”, disponível no livro “Notas de um Filho Nativo“.

Ali, Baldwin relata uma temporada num vilarejo da Suíça. Num lugar onde só havia pessoas brancas, nos idos dos anos 1960, ele contempla a surpresa dos habitantes ao conhecerem-no. A observação afiada de Baldwin revela um misto de ingenuidade dos locais —que lhe tocavam o cabelo e a pele, “espantando-se ao ver que a cor dela não saía”— e de racismo igualmente doloroso, ainda que fomentado por um contato de estranhamento prévio, não como a consciência racial dos Estados Unidos segregado, onde ele nasceu.

Se, neste local, Baldwin viveu a experiência primeva da “outremização”, o estranhamento, ele também destacou que ser reconhecido como estranho pode revelar um projeto de poder, em que o diferente nunca será familiar, ou seja, jamais será reconhecido pelo que se compartilha mutuamente. Ou ainda, perversamente, o familiar pode servir para legitimar a subalternidade do diferente.

O escritor James Baldwin em 1964 (Foto: Jean-Régis Roustan/Roger-Viollet)

Desconstruir a ideia do outro é impossível, mas podemos subverter o senso que impera e serve apenas à lógica da subalternização e da perpetuação do poder.

Para tanto, Morrison faz uma defesa enfática da arte, em especial da literatura, que é capaz de nos possibilitar uma subversão de valores onde a experiência humana pode transpor os muros das diferenças. Ela escreve: “A ficção narrativa proporciona uma selva controlada, uma oportunidade de ser e se tornar o Outro. O estrangeiro”. A literatura pode ser um poderoso instrumento que nos permite reconhecer o que há de humano em todos nós, independentemente de nossas origens e diversidade.

Sobre as relações raciais de uma sociedade diversa, Baldwin conclui que só é possível superar o racismo compreendendo a teia de ambiguidades e paradoxos que existe não somente nas relações entre brancos e negros, mas em todos nós. Reconhece que a pacificação não será fácil, porque o mundo racializado estabelecido é “poderoso demais, autocomplacente demais, excessivamente dado a perpetrar humilhações e, acima de tudo, ignorante e inocente demais para que isso seja possível”.

Consciente de que o ódio só consegue destruir a quem odeia, Baldwin recusava a aceitação de qualquer injustiça indicando o caminho do combate: “Essa luta começa, porém, no coração, e agora era responsabilidade minha manter meu coração livre do ódio e do desespero”.

+ sobre o tema

O Brasil que queremos

Fui conselheira do Consea (Conselho Nacional de Segurança Alimentar...

Vote preto, vote preta

E não voto mais em homens brancos mesmo, gente....

Pode acontecer com qualquer pessoa negra – a pergunta é: até quando?

O número de casos de discriminação racial irá aumentar, e isso...

Carta aos espanhóis: e se nos unirmos para erradicar o racismo?

Queridos amigos espanhóis, Picasso, Gaudí, Montserrat Caballé, Cervantes, Concha Buika,...

para lembrar

Centenas debatem racismo e o que é ser negro na Europa “nos seus próprios termos”

Entre a hipervisibilidade e a invisibilidade do que é...

Professor avalia estruturação do racismo no Brasil: “Pele alva e pele alvo”

"Racismo se difere de outras formas de discriminação. O...

Morte de George Floyd reacende luta antirracista

O CNN Mundo desta semana aborda as consequências do...

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar o pé na rua. Inclui jamais sair sem um documento; não ir ao supermercado com...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da Universidade Federal de Santa Catarina, lança nesta quarta-feira (21) o quinto vídeo de sua campanha de divulgação...

Moção de solidariedade da UNEGRO ao Vai Vai 

A União de Negras e Negros Pela Igualdade (UNEGRO), entidade fundada em 1988, com  longa trajetória na luta contra o racismo e suas múltiplas...
-+=