sexta-feira, agosto 14, 2020

    Tag: James Baldwin

    Getty Images

    “Carta para minha irmã Angela Davis” por James Baldwin

    Se fosse vivo, James Baldwin teria feito 93 anos em 2 de agosto. Um dos maiores escritores dos EUA no século 20, Baldwin foi também um dos grandes intelectuais ativistas de sua época. Em 1970, ele escreveu uma carta aberta a Angela Davis, então presa, na qual além de expressar solidariedade, reflete sobre o racismo, a militância negra e o significado da democracia nos EUA. Traduzo-a aqui, que eu saiba, pela primeira vez em língua portuguesa. É um texto memorável e que pode dizer muito a nós, brasileiros, em 2017 – infelizmente, muita coisa não mudou para melhor, muitos problemas permanecem os mesmos. Mas, felizmente, podemos contar com o legado de James Baldwin e Angela Davis. Querida Irmã: Uma pessoa poderia ter esperança de que, a esta hora, a mera visão de correntes sobre a Carne Negra, ou mesmo apenas ver correntes seria uma visão tão intolerável para o povo ...

    Leia mais
    James Baldwin em Istambul, na Turquia. (Foto- Sedat Pakay, 1965, Coleção do Museu Nacional de História e Cultura Afro-Americana dos EUA)

    James Baldwin: o leão de 95 anos

    Nascido há exatamente 95 anos nos EUA, no dia 2 de agosto de 1924, o escritor e ativista James Arthur Baldwin iniciou a vida pública aos 14 anos de idade como um pregador mirim sensação na igreja de seu padrasto, em Nova Iorque. A dedicação aos cultos não durou muitos anos, mas ajudou a forjar a oratória cortante do intelectual que, além de romances, peças e poesia, se tornou notável pelos discursos e entrevistas contundentes sobre a vida das pessoas negras nas Américas. James Baldwin no Harlem, bairro onde nasceu. (Foto- Steve Schapiro, 1963: Getty Images) O lançamento do filme Eu não sou seu negro (Raoul Peck — 2016), baseado em um livro não finalizado do autor sobre a luta e o assassinato de três de seus amigos e ativistas do movimento dos direitos civis — Medgar Evers, Martin Luther King Jr. e Malcom X — ...

    Leia mais
    James Baldwin (1924-1987), American writer, 1964. (Photo by Jean-Regis Rouston/Roger Viollet/Getty Images)

    Uma Tarde com James Baldwin

    James Baldwin (1924-1987), American writer, 1964. (Photo by Jean-Regis Rouston/Roger Viollet/Getty Images) Uma tarde dedicada ao escritor norte-americano James Baldwin, com exibição de dois filmes inspirados em sua obra –Eu Não Sou Seu Negro e Se a rua Beale Falasse – e uma mesa de debate sobre a atualidade do autor, composta por Márcio Macêdo, Carol Rodrigues, Alex Ratts e Allan da Rosa. Nascido em 1924, Baldwin é um dos mais importantes nomes da literatura do século XX e do movimento de direitos civis nos EUA. Seus romances e ensaios abordam especialmente questões raciais, de sexualidade e identidade. Esta mostra é uma parceria entre as Curadorias de Cinema e Literatura do CCSP. Do Centro Cultural  PROGRAMAÇÃO  20/7 15h Eu Não Sou Seu Negro 17h  Mesa de debate sobre a atualidade do autor – com: Márcio Macêdo, Carol Rodrigues, Alex Ratts e Allan da Rosa 19h30 Se a Rua Beale ...

    Leia mais
    Foto divulgação de James Baldwin

    Cinema recupera obra de James Baldwin expoente do pensamento negro

    Indicado ao Oscar, 'Se a Rua Beale Falasse' recupera legado de James Baldwin por Guilherme Genestreti no Folha de São Paulo O escritor James Baldwin em retrato feito em 1964 - Jean-Régis Roustan :Roger-Viollet A rua Beale não dá as caras no romance “Se a Rua Beale Falasse”, de James Baldwin, nem no filme inspirado nele, de Barry Jenkins. O local de Memphis que é indissociável da cultura do blues paira além de qualquer delimitação geográfica. Está lá como uma espécie de via crucis, atemporal e simbólica, da experiência do que é ser negro na América. A obra de Baldwin está embebida da cadência do blues —ora melancólica, ora efusiva, encapsula as chagas do racismo cotidiano e também a sua pulsão de resistência. Graças ao documentário “Eu Não Sou Seu Negro”, do ano retrasado e ao drama de Jenkins, que estreia nesta quinta (7), o cinema tem ajudado ...

    Leia mais
    James Baldwin (Foto: Ralph Gatti / AFP/Getty Images)

    James Baldwin. Ninguém sabe o meu nome.

    O que vais ouvir, ler ou ver foi produzido pela equipa do Fumaça, um projecto de media independente, progressista e dissidente e foi originalmente publicado em www.fumaca.pt. PARTE 0 James Baldwin, escritor norte-americano, ativista anti-racista, anti-colonialista e anti-imperialista, morreu a 1 de dezembro de 1987. James Baldwin:  Uma das coisas que mais aflige este país é que as pessoas brancas não sabem quem são e de onde vêm. É por isso que pensam que eu sou um problema. Eu não sou um problema. A vossa história é. E enquanto vocês fingirem que não conhecem a vossa história serão prisioneiros dela. E não há dúvida sobre se estão a libertar-me ...

    Leia mais
    Richard Shotwell:Inivsion:AP

    Barry Jenkins, diretor de ‘Moonlight’ lança 3º filme seguido sobre questões raciais

    'If Beale Street Could Talk' é uma adaptação do romance homônimo de Baldwin sobre um casal que enfrenta o racismo no Harlem (NY), no início dos anos 1970 no Notícia ao Minuto Richard Shotwell:Inivsion:AP Beale Street é o nome da rua de Nova Orleans em que nasceu o jazz e em que nasceu o pai do escritor James Baldwin, a voz literária do movimento pelos direitos civis dos negros nos Estados Unidos. Na obra do autor, a via ganha status de epítome da identidade afro-americana. "Há uma Beale Street em cada cidade da América", disse o cineasta Barry Jenkins, vencedor do Oscar por "Moonlight", antes de apresentar seu novo longa em Toronto, aplaudidíssimo por uma plateia em grande parte negra que lotou o teatro Princess of Wales. "If Beale Street Could Talk" (se a rua Beale pudesse falar) é uma adaptação do romance homônimo de Baldwin ...

    Leia mais
    James Baldwin (1924-1987), junto aos monumentos de Shakespeare e John Milton, no Albert Memorial, Kensington Gardens, em Londres: “Ele não era um ‘escritor negro’, era um escritor

    Vida e obra de James Baldwin

    Tocado pelo gênio da linguagem, romancista e intelectual negro americano passou a vida em lutas, internas e externas, contra o racismo e a homofobia; o discurso, atingindo a essência do problema, foi seu grande legado Por Gilberto G. Pereira no Jornal Opção James Baldwin (1924-1987), junto aos monumentos de Shakespeare e John Milton, no Albert Memorial, Kensington Gardens, em Londres: “Ele não era um ‘escritor negro’, era um escritor James Baldwin nasceu em um hospital do Harlem, em Nova York, em 2 de agosto de 1924. Veio ao mundo tão raquítico e pequeno, respirando mal, que o médico afirmou que não passaria dos cinco anos. Filho de pai que nunca conheceu, vivia em ambiente de miséria com oito irmãos. Alimentava-se apenas de carne enlatada a semana toda, comprada fiado na mercearia de um velho judeu (parte da história dos judeus e dos negros nos EUA é ...

    Leia mais
    O autor James Baldwin (Foto: Allan Warren)

    James Baldwin, o grande crítico do sonho americano

    “Quando você estava começando como escritor, sendo negro, pobre e homossexual, deve ter pensado: ‘Nossa, quão desfavorecido se pode ser?’, afirmou certa vez um apresentador de talk show ao entrevistar James Baldwin. Sem pestanejar, ele respondeu: “Não, eu achei que tinha tirado a sorte grande. Era tão ultrajante que eu tinha de achar um jeito de usar aquilo”. Neto de um escravo, Baldwin nasceu em 2 de agosto de 1924 em um hospital no Harlem, bairro negro de Nova York para onde sua mãe, Emma Berdis Jones, havia acabado de se mudar, após deixar o pai biológico do escritor por conta de seu vício em drogas. Três anos depois, ela se casaria com o pastor evangélico David Baldwin, que daria ao autor seu sobrenome, oito irmãos e uma conturbada relação: para agradá-lo e, ao mesmo tempo, desafiá-lo, começou a pregar em uma igreja diferente da dele aos 14 anos. Aos 18, deixou ...

    Leia mais
    blank

    Quem são os bárbaros? Reflexões acerca do documentário: Eu não sou seu negro (James Baldwin)

    James Baldwin foi poeta e crítico social afro americano, nascido em Nova York em 1924 tem nos romances suas críticas centrais acerca das diversas opressões daquele momento histórico, da luta por direitos civis nos Estados Unidos na década de 60. Baldwin, como a maioria dos negros e negras do mundo possuí uma história de luta permeada pelo sofrimento iniciado desde infância. O documentário, que pretende ser uma biografia de Baldwin, relatando através de sua escrita e dos gestos irónicos que transparecem uma doçura e um bravio, intencionava mostrar as dificuldades do seu livro inacabado Remember this house, que seria uma história da América através das vidas de Martin Luther King, Jr. (1929-1968), o ativista dos direitos civis Medgar Evers (1925-1963), e Malcolm X (1925-1965), amigos de Baldwin, assassinados antes de completar 40 anos. O documentário é um daqueles que nos deixa inquietante e com vergonha de viver em uma sociedade ...

    Leia mais
    blank

    Artistas lançam manifesto em homenagem ao escritor negro James Baldwin

    Compartilhado no perfil da cantora, Janelle Monáe o vídeo traz o depoimento de artistas e celebridades negras que questionam estereótipos Por Márcia Maria Cruz Do Uai Part II. We came together not as "celebrities" but as human beings, artists, activists, sons, daughters, etc all trying to shine light on the work of a literary hero, iconic writer, essayist, playwright, activist #JamesBaldwin. The documentary/film I AM NOT YOUR NEGRO by director/writer #RaoulPeck highlights #Baldwin's work and deserves to be seen by everyone. It echoes the past to help contextualize the present. So timely. So insightful. Thank you to every person who lent their voice to this mic.com (shout out to @mic!) edited collaboration. Pls pls pls spread the word about #JamesBaldwin and I AM NOT YOUR NEGRO! read his work THE FIRE NEXT TIME, NOTES OF A NATIVE SON, ANOTHER COUNTRY, etc! Long live JB! (Part 1) #Iamnotyournegro #KNOWYOURBALDWIN full link in ...

    Leia mais
    (Foto: Reprodução/ I am Not Your Negro)

    Documentário “Eu Não Sou Seu Negro” estréia no Brasil

    2017 foi agraciado com grandes produções negras nos cinemas, que agora estão sendo reconhecidas no Oscar, talvez como um “mea culpa” dos organizadores pelo Oscars So White ano passado. Agora, a bola da vez é o documentário “Eu Não Sou Seu Negro”, que terá sua estreia no Brasil dia 9 de Fevereiro de 2017. A obra é baseada no manuscrito Remember This House, de James Baldwin, que descreve as relações étnicas durante a luta dos direitos civis pelos negros nos Estados Unidos com enfoque na morte dos principais ícones Medgar Evers, Malcom X e Martin Luther King. Mesma causa, porém, que possuía várias vertentes, o que levava a certos conflitos entre os mesmos – além do confronto com os brancos. Engajado politicamente, Raoul Peck refugiou-se com sua família para o Congo a fim de fugir da ditadura de Papa Duvalier. Já foi taxista em Nova York, fotógrafo e jornalista na Alemanha, onde se formou em Cinema. Retornou ao Haiti com o objetivo ...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist