Racismo, universidade e conhecimento branco

Em um dia desses qualquer, leio em um grupo do whatsapp que faço parte, que uma estudante de graduação em Serviço Social quer pesquisar sobre a temática dos direitos reprodutivos e as mulheres negras. Qualquer ser humano pensante diria: “Nossa, que tema interessante e instigante!!!”. Mas não, a orientadora dessa garota teve a coragem de devolver a ela a seguinte questão: “Só poderá abordar tal temática se tiver uma ampla bibliografia produzida pelo próprio Serviço Social”. Ressalto: Produzida pelo próprio Serviço Social.

Por Carmen Corato Do ANF

Foto: Reprodução/ ANF

Sinceramente, caro leitor e leitora, espero que ao ler esta resposta da orientadora, também tenham se assustado, do contrário, saiba que você também reproduz discursos racistas ou, se preferir, brancos normativos.

Quando essa professora deu a resposta acima, ela quis inviabilizar (consciente ou inconscientemente) a pesquisa. Seja porque (supostamente) não existe bibliografia suficiente ou porque ela terá que estudar sobre a temática. Sabemos que estudos sobre a população negra é muito invisibilizado pela cultura branca ocidental no Brasil, tanto no que tange a constituição dessa população quanto aos indicadores sociais de como vivem. Consequentemente, pesquisar direitos reprodutivos e mulheres negras equivale buscar o que se já tem produzido (ler e estudar), bem como produzir novos materiais (ler, estudar e escrever). E já é aceito no mundo acadêmico que estudar quaisquer questões ligados a população negra não é necessário. Não há o interesse. Se tiver dúvida, basta recorrer aos acervos digitais dessas instituições e ver o que se tem produzido.

Logo, tudo o que acontece a essa população não haverá indicadores. Consequentemente, não haverá como buscar formas de melhorar a qualidade de vida da mesma, pois não se muda o que não sabe. A população negra compõe 54% de toda a população do Brasil (que se declara negra, sem contar aqueles que se acham moreninhos). Certamente, deveria ter sistematizado alguns indicadores sociais desse segmento populacional: 1. acesso a escolarização em todos os níveis e causas; 2. condições habitacionais e causas; 3. acesso à política de previdência, assistência e causas, e 4. acesso à política de saúde e causas. Se estiverem atentos, estão ligados ao tema da estudante. E aqui é importante perguntar: Por que essa professora não tem informação? O que faz com que o Brasil não se tenha um grande acervo, inclusive digitalizado da maioria que compõem sua nação?

Percebam, as pesquisas no Brasil são direcionadas para um público e este é branco. Os mesmos que produzem e encomendam são, também, os mesmos que querem continuar invisibilizando e impedindo nossas produções teóricas. Mas saibam, estamos de olho em vocês e denunciaremos quando isso novamente ocorrer, pois queremos contar a nossa própria história, inclusive apontar o quão foram e são complacentes com o racismo.

+ sobre o tema

Desigualdade racial no Brasil se expressa também no acesso à saúde

Desigualdade racial no Brasil se expressa também no acesso...

Declaração dos Direitos Humanos – 60 anos

Fonte: onu-brasil.org.br A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos...

Falsa polêmica sobre aborto viola direitos e dissemina narrativa ideológica

Queiroz recebe mais uma vez o benefício de prisão...

Fazendeiro acusado de ordenar a morte de Dorothy Stang é condenado a 30 anos de prisão

    Vitalmiro Bastos de Moura, que já está preso em...

para lembrar

Direitos humanos perderam por ‘W.O.’

É espantoso que os interessados em assumir a gestão...

Carandiru 20 anos: Nunca Mais?

2 de outubro de 1992: uma pequena desavença entre...

Como falta de medicamentos no SUS empurra 10 milhões de brasileiros à pobreza por ano

Mais de 10 milhões de brasileiros caem na pobreza...

Para Funai, decisão de indígenas de não deixar suas terras é legítima

A Fundação Nacional do Índio (Funai) reconheceu nesta quinta-feira...
spot_imgspot_img

Evento do G20 debate intolerância às religiões de matriz africana

Apesar de o livre exercício de cultos religiosos e a liberdade de crença estarem garantidos pela Constituição brasileira, há um aumento relevante de ameaças...

Raça e gênero são abordados em documentos da Conferência de Bonn

A participação de Geledés - Instituto da Mulher Negra na Conferência de Bonn de 2024 (SB 60), que se encerrou na última quinta-feira 13,...

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...
-+=