Rede de advogados contra o racismo

Em alguns estados, iniciam-se programas jurídicos para atendimento às vítimas de práticas de racismo

Por Sueli Carneiro

Foto: Marcus Steinmeyer

Em 5 de agosto último, na cidade de São Paulo, cerca de setenta advogados, entre eles professores universitários, juízes de direito, promotores de justiça, defensores públicos, negros e brancos, de vários estados da Federação, constituíram a Rede Nacional de Advogados e Operadores do Direito contra o Racismo e a Desigualdade Racial, num encontro nacional promovido pelo Geledés (Instituto da Mulher Negra de São Paulo) em parceria com o Escritório Nacional para Assuntos da População Negra Zumbi dos Palmares de Brasília e o Ceap (Centro de Articulação de Populações Marginalizadas do Rio de Janeiro), resultado de um longo processo de construção de uma perspectiva político-jurídica de enfrentamento das práticas discriminatórias presentes na sociedade a partir do enfoque legal. No início da década de 90, diversas entidades do Movimento Negro deram início aos primeiros programas jurídicos de atendimento às vítimas de discriminações raciais e às pesquisas jurídico-legislativas sobre direito e relações raciais. A iniciativa pioneira dessas entidades do Movimento Negro na luta contra o racismo foi orientada pela ausência do tratamento jurídico dos conflitos inerentes às relações raciais. A invisibilidade da questão racial alcançava também o mundo do direito apesar da existência de uma legislação penal de 1951, a Lei Afonso Arinos, que tipificava a prática de racismo como contravenção penal.

No cenário de surgimento dos programas jurídicos, havia agora a proibição do racismo como crime inafiançável e imprescritível, previsto como norma constitucional regulamentada pela Lei nº 7.716/89. Na área civil inaugurava-se a possibilidade do ajuizamento de ações judiciais para reparações de danos à moral, à imagem e à personalidade; ao mesmo passo ganhava publicidade o debate em torno dos chamados direitos coletivos e difusos, passíveis de reparação mediante ação civil pública e outros remédios constitucionais.

A atuação contundente dos programas jurídicos das entidades não-governamentais, apesar do grau de dispersão, conseguiu forjar um novo debate no direito brasileiro, tendo como conseqüência o surgimento de novos atores e de uma trincheira específica de luta contra a discriminação e as desigualdades raciais, com possibilidades de produzir resultados importantes para o conjunto da população negra. Em alguns estados, iniciam-se novos programas jurídicos com o aporte do Estado, inaugurando uma nova fase dos serviços de atendimento às vítimas de práticas de racismo. O tema também chega à Conferência Nacional da Ordem dos Advogados do Brasil graças ao esforço desses atores.

Nesse cenário de inovações, os operadores do direito se deparam com a total ausência de produções doutrinárias e uma frágil jurisprudência nos tribunais estaduais. Ainda enfrentam uma forte crítica que coloca em dúvida a capacidade de transformação da tradição conservadora do direito brasileiro no que diz respeito à garantia do exercício da cidadania de setores historicamente marginalizados.

A proposta de construir uma rede nacional de advogados e operadores de direito nasce da compreensão de que o enfrentamento das práticas de racismo e da desigualdade racial é uma luta política e histórica realizada pela população negra no Brasil, que remonta às constituições dos quilombos. A partir desse patrimônio histórico de busca de cidadania real e concreta, a intervenção jurídica e legislativa que será implementada pela rede terá como dever tornar cristalinas as contradições que se escondem sob o manto de um discurso jurídico lógico-formal para ocultar o mito de neutralidade que opera nos tribunais, no Congresso Nacional e no Poder Executivo federal, quando apreciam os casos de racismo e quando se omitem em enfrentar o debate sobre a implantação de políticas de promoção da igualdade para população negra.

A rede nasce, portanto, com os compromissos de defesa intransigente do Estado de Direito, dos princípios constitucionais e das normas de proteção ao exercício e gozo da cidadania; o combate incansável às práticas de discriminação racial contra a população negra em todo o país; a luta por políticas públicas e privadas de promoção da igualdade que beneficiem a população negra; o repúdio a práticas de corrupção e de favoritismo no exercício da prestação jurisdicional pelo Poder Judiciário, sendo favorável ao controle externo do Judiciário; a criação, nas faculdades de direito, da cadeira ‘‘direito e relações raciais”; o repúdio a todas as formas de discriminação.
A rede reafirma a longa tradição herdada de incontáveis profissionais do direito do país, que dedicaram a vida ao combate das injustiças e iniqüidades sociais. Enfocando como prioridade as práticas perversas de racismo e discriminação racial na perspectiva da consolidação da democracia e da realização da igualdade de direitos, esses profissionais realizam uma vez mais a missão superior que lhes reserva a ordem constitucional segundo a qual ‘‘o advogado é indispensável à administração da justiça”.

+ sobre o tema

Eu era menino quando os da caserna confundiram-me com um comunista

Eu tinha pouco mais de dois anos quando raiou...

UFRJ terá primeira mulher negra como diretora da Faculdade de Educação

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do...

Ditadura invadiu terreiros e destruiu peças sagradas do candomblé

Desde criança, a iyalorixá Mãe Meninazinha d’Oxum ouvia a...

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o...

para lembrar

Grêmio entrega vídeo e quer punição a torcedor racista

Zagueiro Paulão, do Inter, foi vítima de racismo durante...

Eleições 2018: e nós com isso?

Quem somos nós? Somos lésbicas e o povo LGBT...

Valentino desfila coleção inspirada na África, mas “esquece” dos negro

A grife Valentino apresentou hoje sua coleção primavera/verão 2016....

Onde estavam as mulheres negras na ditadura militar?

Vou começar falando da dificuldade em escrever sobre mulheres...
spot_imgspot_img

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

“Avalio de forma positiva a presença de mulheres negras em conferências da ONU”, diz Rafaela Seixas

A diplomata Rafaela Seixas é uma das convidadas de Geledés para o evento 'Estratégias para o Empoderamento Econômico da Mulher Negra', que acontece nesta...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=