Reduzir a Maioridade Penal é um afronta aos direitos da juventude

O Brasil vem gradativamente aumentando o número de prisioneiros. Atualmente já se encontra entre os países com a maior população carcerária. Talvez para um desavisado isto se configure com ações que nos dá mais segurança, ou ainda que o Brasil esteja inibindo as ações violentas. Toda via, é preciso dizer que mais prisão não é, nem de longe, sinônimo de segurança, ao passo que elas vêm significando menos segurança e mais violência. Reduzir a Maioridade é uma afronta a Constituição, ao Estatuto da Criança e do Adolescente e principalmente um desrespeito e uma afronta aos direitos da juventude.

por Nicolau Neto* via Guest Post para o Portal Geledés

As soluções encontradas pelos governantes, algumas inclusive em análise, não representam passos que visem à completa supressão do entrave. Este continua a ser tratado pelo velho caminho que, diga- se de passagem, somente atenuam o caso, mas não soluciona. O pior ainda é que este caminho errôneo trilhado pelas elites governantes somente se dá contra a massa popular e, infelizmente, depois do ato consumado.

Diante deste lastimável cenário e como exemplo do que foi mencionado acima, está tramitando o projeto de lei objetivando diminuir a idade da imputablidade penal, projeto esse do Senador Aluísio Nunes. Nesse mesmo espaço encontram-se algumas propostas de Emenda à Constituição que tramitam na Câmara com a finalidade de reduzir a maioridade para diversas idades, a saber: 16 anos (PEC 272/04), 14 anos (PEC 169/99), bem como também para 12 anos (PEC 345/04). Ressalte-se aqui que de acordo com a redação da PEC 489/05, esta submete o menor de 18 anos à avaliação psicológica para que o juiz conclua se ele pode ou não ser punido como adulto.

Desta feita, pode – se dizer que as soluções ainda caminham no viés repressivo e punitivo. A redução da maioridade por exemplo se incluí neste quesito. Assim, o pais continua reprimindo mais e punindo mais. E essa, simplesmente, não representa uma sociedade com dignidade, respeito, solidária e principalmente com justiça para todos, afinal, já é sabido os principais alvos dessa política exclusiva. As prisões são reflexos dessa assertiva.


Nicolau Neto

*Pós-graduado em Docência do Ensino Superior, graduado em Licenciatura Plena em História, professo, administrador do Blog Informações em Foco e ativista na luta pela igualdade racial e reconhecimento das contribuições da populaão negra na formação do Brasil.

+ sobre o tema

Prada retira produtos de circulação após acusações de racismo

A Prada tornou-se a mais recente marca a ser...

Rikardo, o bebé que fez “nascer” uma polémica racista na Hungria

Rikardo Racz nasceu um minuto depois da meia-noite. Foi...

Alunos cotistas vão passar por fiscalização na Uerj a partir de 2015

Alunos estarão sujeitos às sanções penais, administrativas e civis. Ministério...

Racismo marca ataque a escola quilombola no Rio de Janeiro

Escola de comunidade quilombola de Bracuí, em Angra dos...

para lembrar

Queixas de racismo e xenofobia batem recordes em Portugal

Desde que a nova lei entrou em vigor em...

O esgotamento do modelo policial

Por Maurício Caleiro Em um intervalo de dois dias...

A negritude e o universal africano

Os múltiplos significados do conceito de “negritude” vistos pelas...
spot_imgspot_img

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...
-+=