Religiões africanas promovem ato contra intolerância e racismo em São Paulo

O Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa será marcado por Marcha. Concentração será neste sábado, 21/01, a partir das 15h, no MASP

Da Carta Capital

Foto: Olhar de um Cipó

O Dia Nacional de Combate à Intolerência Religiosa será marcado por Marcha. Concentração de religiosos e simpatizantes será neste sábado, 21/01, a partir das 15h, no Vão Livre do Masp, na Avenida Paulista – SP

 
No próximo dia 21, o povo de terreiro, movimentos sociais, coletivos artísticos e culturais, marcharão contra a violência que historicamente agride adeptos do candomblé, umbanda, e de outros cultos de raízes negras.

Sob o manto do estado democrático e de direito, a intolerância demonstrada das mais diversas formas não poupa ninguém. Aquele que pratica a injúria não tem um objetivo maior, senão o de dizer onde aquele que foi injuriado deve estar: no campo da invisibilidade. Combater a intolerância religiosa significa rejeitar o racismo como sistema de opressão e dar corpo e voz a uma parcela da população que vem sendo sistematicamente agredida em sua dignidade pelo cerceamento de direito de liberdade de culto.

A questão da liberdade de religião e de culto amplamente requerida pela população negra e pelos religiosos de matriz africana deve ser vista sob a ótica da afirmação e reiteração da identidade negra e de toda a sua ancestralidade. Negar esse direito, compactuar com esta lógica é o mesmo que permitir que os tambores continuem abafados e os adeptos das religiões de matriz africana permaneçam naquilo que o “outro” considera a sua senzala – não há democracia racial, como não há respeito à diversidade religiosa.

Em 2007, o dia 21 de janeiro foi instituído como a data de Combate à Intolerância Religiosa, em reflexão e memória da Ialorixá Gildásia dos Santos – vítima de um dos casos mais drásticos de intolerância que a história brasileira conheceu.

O crime começou em outubro de 1999, quando O jornal Folha Universal estampou em sua capa uma foto de Mãe Gilda – trajada com roupas de sacerdotisa para ilustrar uma matéria com título: “Macumbeiros charlatões lesam o bolso e a vida dos clientes”. Sua casa foi invadida, seu marido foi agredido verbal e fisicamente, e seu Terreiro foi depredado por evangélicos. A Ialorixá não suportou os ataques e, após enfartar, faleceu em 21 de janeiro de 2000.

Vista-se de branco e junte-se à luta contra o racismo religioso, pela liberdade de culto e por nenhum direito a menos!

Traga seus instrumentos, flores, dança, arte, cartazes, protestos, resistência.

Diga não aos retrocessos!

 

+ sobre o tema

Polícia indicia rapaz por racismo, injúria e ameaça que agrediram fotógrafa negra

A Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Várzea Grande...

Morte e vida virgulina – Por: Cidinha da Silva

Fábio Mandingo, autor de Salvador Negro Rancor (Ciclo Contínuo,...

Imprensa negra, há 190 anos

Às vésperas de a imprensa negra no Brasil completar...

Médico que filmou homem negro acorrentado tenta se justificar: “Foi uma zoeira”

O médico Márcio Antônio Souza Júnior, da cidade de Goiás...

para lembrar

EUA prendem cinco vezes mais negros que brancos em prisões estaduais

Negros são quase cinco vezes mais encarcerados em prisões...

Imagem acolhedora do Brasil não se aplica a imigrantes negros, diz sociólogo

A imagem do Brasil como uma terra acolhedora não...

Comediante se passa por bêbada e vende drogas a polícia para provar que brancos têm privilégios

Jessie Kahnweiler cometeu uma série de infrações para tentar...

A ferocidade da aversão ao outro

Fonte: Estadão. Com Por Gilles Lapouge*     ...
spot_imgspot_img

Como é a vida para as mulheres no último país da África sob colonização

Ainda hoje há um país africano colonizado. O Saara Ocidental está ocupado pelo Marrocos desde 1976, depois de quase 90 anos de invasão espanhola, e esteve em guerra...

Revolucionário, mas não é para todos

Passei os últimos dias pensando no significado e na profundidade de uma postagem que li numa rede social contendo a afirmação: "Descansar é revolucionário!"....

‘Nossa missão é racializar as políticas públicas em todo país’

Nomeado recentemente  como novo secretário de gestão do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), o jornalista baiano Yuri Silva tem uma tarefa...
-+=